Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Quando 28=82

15.05.19, Paulo Prudêncio
  É inaceitável, e em qualquer ponto de vista, que dirigentes escolares com salários pagos pelo erário público, funcionários públicos ou não, escolham alunos com base nos resultados escolares esperados. Se nos privados - falta saber se são privados financiados pelo estado - 82% dos alunos são escolhidos com esse critério, os 28% nas escolas públicas não é menos chocante. "28% dos alunos frequentaram escolas públicas que usaram notas como critério de admissão. (...)

concursos públicos no nível menos n

15.01.16, Paulo Prudêncio
      É péssima a imagem dos concursos para directores na administração pública. Para além da gravidade das candidaturas irregulares (pessoas com esse perfil existem em todas as épocas), o que duplica a vergonha é a conivência e a parcialidade dos júris como se pode ler "nesta notícia" do DNe na (...)

uma vergonha (não me sai outro título)

27.04.15, Paulo Prudêncio
      Em 4 de Novembro de 2013 escrevia assim (o título do post é desse dia):   A excelente reportagem, "Verdade inconveniente", conduzida pela jornalista Ana Leal da TVI é uma valente defesa de um valor primeiro das democracias: a escola pública.   Sabemos há muito a vergonha que se estabeleceu com os negócios da Educação, mas visto assim, de enfiada e em cerca de meia-hora, deixa-nos com uma mistura de tristeza e de raiva.   Será possível que, depois de mais (...)

da ignomínia

22.11.13, Paulo Prudêncio
          Recebi por email, devidamente identificado, a indignação que vai ler a seguir sobre a prova de avaliação para os professores contratados. Foi só esperar pela coisa para concluirmos da abjecção. Isto só pode sair da mente de pessoas "mal resolvidas", digamos assim.    Ora leia.       "Olá Paulo,  Tudo (...)

a loucura das ofertas de escola

10.09.12, Paulo Prudêncio
      Os concursos de professores por oferta de escola são indecentes e os mais incivilizados da Europa e ponto final.   Recebi o seguinte email, devidamente identificado:    Bom dia. O Agrupamento de Escolas Manuel da Maia não contatou os contratados, publicitando apenas na sua página a mensagem que segue em anexo. Ao reparar que contrataram um outro candidato menos graduado que eu, procurei as listas na página do Agrupamento e deparei-me com esta realidade. Agora temos de (...)