Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

Notou-se, e Nota-se, a Irritação

11.10.19
Tem sido um milénio de crispação política e nada fácil para os espíritos mais livres. "Não fica bem" desalinhar nem concordar com o que existe. Na vida portuguesa é também assim e o fenómeno agrava-se nos momentos sobreaquecidos de exacerbação dos clubismos. As posições autónomas tornam-se irritantes. Por exemplo, a direita está inconsolável com o facto de um Governo com um apoio parlamentar inédito ter sido bem sucedido e irrita-se com quem o sublinhe. E porquê? (...)

homem médio

28.02.18
                                            Contactei com a formulação em título nos conselhos, sensatos para aquele contexto, diga-se, para sobreviver nos comandos: não te distingas, sê discreto e passa o mais possível despercebido. Vem isto a propósito da necessidade de reforma do estado social e da conversão à absolutização da estatística. A sugestão para o tempo militar não subscreveu os modelos do tipo BPN ou BES. Nem as instâncias (...)

década e meia de revolução neoliberal (da série: repetir coisas óbvias)

27.05.17
      A propósito da revolução que a presença da troika destapou, recorda-se os teóricos da simcult: a revolução, na actualidade, pode ser tão rápida que nem damos conta. Há sinais da contra-revolução? Há sempre sinais; até existiram alguns, mas não sobreviveram. Nunca se sabe se uma contra-revolução será tranquila, mas espera-se que sim e igualmente (...)

Do homem médio

12.02.17
      Contactei a primeira vez com a formulação em título nos conselhos, sensatos para aquele contexto, diga-se, para sobreviver nos comandos: não te distingas, sê discreto e passa o mais possível despercebido. Vem isto a propósito dos especialistas que aconselham a enésima reforma de sentido único do estado social e para a conversão à absolutização da estatística. A sugestão para o tempo militar não subscreveu os modelos do tipo BPN ou BES. Nem as instâncias (...)

Uma década de revolução neoliberal

03.01.17
      A propósito da revolução, iniciada em 2005 ou até em 2003, que a presença da troika destapou, recordo os teóricos da simcult: na actualidade, uma revolução pode ser tão rápida que nem damos conta. Há sinais da contra-revolução. Não sei se será tranquila, mas espero que sim. Que seja tranquila e igualmente rápida. O que me parece é que as (...)

os professores foram silenciados durante a troika?

25.07.15
      Os professores desencadearam a luta mais difícil (Junho de 2012) da última década com uma impopular greve a exames do 12º ano e a todas as avaliações de final de ano. Não teve o impacto mediático das grandes manifestações (há hoje, e até em 2012, menos professores, 100 mil, do que os que se manifestaram em 2008,140 mil de 170 mil), mas atingiu objectivos de forma mais precisa. Se não o tivessem feito, mais de 10 mil professores dos quadros seriam empurrados para uma (...)