Em busca do pensamento livre.

Quarta-feira, 24.10.18

 

 

 

Há assuntos que só com sentido de humor: "Ministro recua e adia problema das reformas para próxima legislatura".



publicado por paulo prudêncio às 18:10 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 18.10.18

 

 

 

No caso dos professores, nada de substancial se altera com as mudanças de geometria parlamentar no suporte dos governos. Nem sequer a hiperburocracia ou a dimensão civilizada e democrática das organizações. Mas passemos à frente.

Conclui-se que, afinal, o "Governo endurece regras para reforma antecipada". Enquanto se sucede o rol de mentidos e desmentidos de todos os universos parlamentares, anuncia-se que a "recuperação integral do tempo de serviço dos professores na Madeira começa a 1 de Janeiro". Quem viu as declarações dos partidos que suportam o Governo durante a saga OE2019, sorri com uma frase que ouvi por aí (mais ou menos assim, claro): "Enquanto a maltinha da escola Robles joga às ultrapassagens com a trupe dos fumos da margem sul, os dos olhinhos só para as Raríssimas cortam nos do costume e "emprestam" aos bancos".



publicado por paulo prudêncio às 12:44 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 14.10.18

 

 

 

Está muito longe de ser o "fim do corte nas pensões antecipadas". Só se reformará neste regime quem for alvo das indecências que levam ao desespero. O que termina para algumas situações é o corte de 14.5% do factor de sustentabilidade (FS). Mas mantém-se o corte de 0,5% por mês até aos 66 anos e meio. Ou seja: quem fizer 60 anos com 40 anos de descontos reforma-se sem os 14.5% do FS, mas tem um corte de 39,5% dos tais 0,5% por mês. Fala-se numa personalização do cálculo das reformas antecipadas que pode transformar tempo de descontos além dos 40 anos em idade. Mas fala-se. E mesmo isso é insuficiente. O factor de sustentabilidade foi um excesso do tempo da troika e já devia ter caído. O resto também deve mudar e está intocável.



publicado por paulo prudêncio às 16:55 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Sexta-feira, 14.09.18

 

 

 

Os órgãos de comunicação social (OCS) usam títulos "pouco rigorosos" para captar audiências ou servir agendas (veja-se o recente caso OCDE). Mas não são só os OCS. Os programas escolares, e de outras áreas, obviamente, caem em algo semelhante no uso mediático. Por exemplo: títulos que incluam Sucesso Escolar, Inclusão ou Flexibilidade Curricular, são, desde logo, irrefutáveis. Mesmo quem desconheça os conteúdos, usará politicamente os "troféus" ou, no caso das oposições, silenciará o contraditório.

A história mostra que há programas com resultados opostos ao enunciado em título. Há um erro comprovado numa asserção elementar: as condições de todos os intervenientes. A inclusão ou o sucesso escolar, por exemplo, têm de se projectar com preocupações nas condições de realização de alunos, professores e outros profissionais.

Há história e explicações suficientes para não se repetirem erros. A revolução francesa introduziu o conceito de igualdade numa fase em que terminava a 1ª revolução industrial. Nos séculos seguintes, e duas revoluções industriais depois, percebeu-se que o conceito não se aplica à escolaridade de crianças e jovens. Ou seja, os alunos não são "iguais", na hierarquia da maioria das decisões e escolhas pedagógicas, aos professores (e, noutro nível, aos pais e encarregados de educação); e a democracia, e a anti-tirania, digamos assim, exige que assim seja. A 4ª revolução industrial em curso, e a generalização do uso das tecnologias, afirma uma certeza: são as pessoas que vão fazer a diferença. Mas a maré de incertezas volta a dar espaço aos que confundem papéis escolares e deitam por terra as melhores intenções. As decisões, e nos diversos níveis, desses desconhecedoras da história (e da história da pedagogia) reforçam os estudos recentes que antevêem resultados que podem oscilar entre extremos (do muito positivo ao caótico).

 

IMG_1600

 Estacionamento público de bicicletas.

Amesterdão.



publicado por paulo prudêncio às 16:04 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 20.07.18

 

 

 

 

Fui parar a uma entrevista de Agosto de 2016 de quem coordenou o perfil do aluno no final do 12º ano.

 

Lembrei-me deste post.

 

Começa assim:  

 

A febre reformista no sistema escolar em Portugal não é nova: é mesmo imparável. O que é engraçado, e com o passar do tempo, é que vemos recuperar ideias antigas como se de grandes novidades se tratassem. Parece um percurso circular.

Escrevia, algures em 1998, uns textos para uma revista sobre educação e o coordenador pediu-me que inscrevesse algumas ideias sobre o assunto. Lembrei-me dos remédios. Fui ler a literatura do “Benuron” - medicamento para todas as dores e para todas as maleitas gripais e constipais - peguei no seu modelo organizativo e fui andando. Foi uma noite bem passada. Quase 16 anos depois, e aproveitando as competências do blogue, publico-as de novo. Só dois detalhes antes de começar: se em 1998 era possível este grau de má burocracia e eduquês, não é de admirar que com mais 17 anos intensivos isto tivesse chegado a este estado.

 

Republico apenas o perfil do aluno. Para os restantes medicamentos terá que ir ao original no link referido.

 

0000s43c.jpeg

 

 

Perfil do aluno. 

Registo da patente: equipa coordenadora dos programas escolares na reforma Roberto Carneiro em 1989. 

Composição: registo preciso e rigoroso do estado do produto aluno somados x anos de laboração. 

Indicações terapêuticas: impede desvios acentuados nos complexos processos de apreciação global dos alunos; facilita a criação de mecanismos rigorosos de análise transversal do desempenho de humanos sujeitos ao agressivo contexto escolar. 

Contra-indicações: pode provocar ligeiras dores de cabeça quando verificada a sua articulação com os programas escolares das disciplinas dos anos terminais de ciclo. 

Precauções especiais de utilização: não deve ser aplicado a alunos muito curiosos nem aos que se posicionem de frente ou de costas. 

Prazo de validade: um ciclo escolar, precisamente.



publicado por paulo prudêncio às 14:25 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 06.07.18

 

 

 

É importante centrar a discussão. A recuperação de todo o tempo de serviço não é um exigência dos professores: é um direito. O faseamento da recuperação é um princípio aceitável que deve ser aplicado a toda a administração central como aconteceu com os cortes. Já a idade para a aposentação conjugada com o tempo de serviço requer programas específicos dentro da administração central, uma vez que se reconhecem os corpos especiais. E os professores, como é de reconhecimento geral, exercem uma actividade em que a energia é vital. Leccionar com mais de 60 anos e com mais de 36 anos de serviço é uma "impossibilidade" e é nesses casos que se deve estudar a troca da recuperação de tempo de serviço por tempo para a aposentação de modo a acelerar processos em regime voluntário. Já agora, e tomando como outro exemplo os escalões com vagas (essa injustiça), recuperar o tempo de serviço tem de eliminar essa barreira artificial.



publicado por paulo prudêncio às 00:02 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Terça-feira, 08.05.18

 

 

 

Há todo o universo organizacional que cria apreensão no regresso da flexibilidade curricular. Não são as questões didácticas ou científicas. É a má burocracia. Existe o medo da repetição. Na anterior experiência (de 1998 a 2012), generalizou-se um inferno burocrático. Em regra, multiplicaram-se reuniões de agenda repetida com inutilidades informacionais. Pelo contrário, os exemplos bem sucedidos documentados investiram em sistemas de informação associados à simplificação de procedimentos e aos climas organizacionais. 

A burocracia escolar é crescente. É irrefutável. Existem causas. Desde logo, a ausência da "(...)novel investigação que se preocupa com a gestão escolar propriamente dita e com os sistemas de informação, numa lógica que tenta ultrapassar dois territórios que, e segundo Barroso (2005), têm ocupado o universo da Administração Educacional: o das Ciências da Educação e o das Ciências da Administração e Gestão.(...)"

Numa recente, e muito boa, entrevista sobre burnout com o título "A forma como hoje trabalhamos é muito disfuncional", José Soares dá um bom exemplo: "(...)Costumo fazer um questionário [nas empresas onde é consultor] e é verdadeiramente impressionante a forma como as pessoas classificam o custo-benefício das reuniões. Perde-se muito tempo. Não começam a horas, têm objectivos pouco claros, há gente que é convocada que não está lá a fazer nada. No final, os colaboradores perguntam: o que é que estive aqui a fazer?(...)

 

meeting

 

 



publicado por paulo prudêncio às 16:31 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 16.03.18
 

 



A febre reformista no sistema escolar em Portugal não é nova: é mesmo imparável. O que é engraçado, e com o passar do tempo, é que vemos recuperar ideias antigas como se fossem novidades. Parece um percurso circular.

Escrevia, algures em 1998, uns textos para uma revista sobre educação e o coordenador pediu-me que inscrevesse algumas ideias sobre reformas. Lembrei-me dos remédios. Fui ler a literatura do “Benuron” - medicamento para todas as dores e para todas as maleitas gripais e constipais - peguei no seu modelo organizativo e fui andando. Foi uma noite bem passada. 20 anos depois, e aproveitando as competências do blogue, publico-as de novo.
 
 

Ciclo preparatório.

Registo da patente: início da década de 70 com a reforma Veiga Simão. 

Composição: dois anos de escolaridade.

Indicações terapêuticas: preparar a brusca transição entre a escola primária e a escola secundária.

Contra-indicações: não são conhecidas.

Precauções especiais de utilização: devido ao seu autorizado sucesso, tem tendência para se arrastar aos ciclos antecedentes ou precedentes.

Prazo de validade: apesar da sua constante mudança de nome não tem prazo de validade.


Interdisciplinaridade.


Registo da patente: acredita-se que teve início da década de 80, mas sem registo da patente devido à provisoriedade dos diversos governos de então.

Composição: a plenitude dos saberes integrados.

Indicações terapêuticas: eliminar todos os bloqueios que impedem a comunicação entre os diversos saberes.

Contra-indicações: o seu tempo de eficácia é cirúrgico (julga-se que o medicamento é desconhecido por quem se dedica a fazer programas escolares).

Precauções especiais de utilização: quando utilizada de forma demasiado optimista pode provocar sérias indigestões aos alunos de todos os escalões etários.

Prazo de validade: resiste a várias intempéries; provoca inúmeros seminários e colóquios sobre a problemática dos prefixos, inter, trans, pluri e multi?; rapidamente pode mudar de nome e transformar-se, ainda, em algo compulsivamente quase obrigatório (área escola) ou mesmo obrigatório (área de projecto).



Pedagogia não directiva.

Registo da patente: registada pelo psicoterapeuta Carl Rogers, apenas começou a ser falada em Portugal após a reforma Veiga Simão. 

Composição: relações plenas e empáticas.

Indicações terapêuticas: elimina conflitos e contradições e dispõe para a aprendizagem como nenhuma outra corrente pedagógica.

Contra-indicações: só pode ser aplicada a um aluno de cada vez;

Precauções especiais de utilização: quando aplicada a mais do que um aluno tem consequências desastrosas, entra-se e sai-se da sala de aula sem se perceber onde estava o do(c)ente;

Prazo de validade: é utilizada todos os dias pelos menos atentos à validade dos medicamentos, mas o autor declinou a responsabilidade no acto de registo da patente.




Magistercentrismo.

Registo da patente: as suas origens perdem-se nas memórias do tempo; em Portugal teve os maiores laudos doutrinários durante o Salazarismo.

Composição: relações inexistentes entre o mestre e os outros.

Indicações terapêuticas: alimenta a inquestionável e douta sabedoria do mestre; ideal para memorizar os afluentes dos rios ultramarinos e os inúmeros apeadeiros dos caminhos de ferro dos continentes e das ilhas adjacentes.

Contra-indicações: não recomendado para estados de patologia democrática.

Precauções especiais de utilização: deve administrar-se nos trajes mais cinzentos e formais e nunca, mas nunca, o administrador deve abdicar do ar mais austero e sisudo.

Prazo de validade: desconhecido.





Plano da turma.

Registo da patente: equipa coordenadora dos programas escolares na reforma Roberto Carneiro em 1989.

Composição: plano miraculoso que descreve o que foi ensinado.

Indicações terapêuticas: permite a cada docente conhecer, necessariamente, o que foi ensinado, no ano imediatamente anterior, em cada uma das disciplinas;

Contra-indicações: provoca a desflorestação do país e a entropia no sistema das arrecadações das secretarias escolares ao produzir 3 biliões 430 milhões 348 mil e 986 folhas de papel de relatórios pedagógicos.

Precauções especiais de utilização: deve administrar-se em dois parágrafos com oito palavras cada um. Prazo de validade: 24 horas.



Autonomia e gestão das escolas.


Registo da patente: equipa do Ministério da Educação conduzida pelo Ministro Marçal Grilo.

Composição: sistema complexo de órgãos de decisão.

Indicações terapêuticas: estabelece regimes democráticos eficientes e plenamente participados, em que a repetição das agendas das reuniões consagra o seguinte princípio pedagógico: repetir para aprender; respeitando a posologia e tomado de forma consistente, transforma qualquer escola num espaço organizativo verdadeiramente português: muitos patamares de decisão com órgãos e mais órgãos convenientemente dispersos;

Contra-indicações: em estabelecimentos de ensino com menos de 1000 docentes, 300 não docentes e 10000 alunos, tende a tornar-se num processo em que as mesmas pessoas encontram-se vezes sem conta para discutir os mesmos assuntos.

Precauções especiais de utilização: sempre que se verifiquem as contra-indicações indicadas, todos devem fazer, o mais possível, de conta.

Prazo de validade: depende da capacidade de resistência às doenças.




Gestão flexível dos currículos.

Registo da patente: equipa do Ministério da Educação conduzida pelo Ministro Marçal Grilo.

Composição: sistema complexo que pretende reduzir o número de aulas dos alunos.

Indicações terapêuticas: a sua principal finalidade terapêutica é permitir aos alunos o estudo acompanhado e, finalmente, realizar projectos com integração de saberes.

Contra-indicações: para respeitar o aforismo lusitano, em que o que se faz em dois anos pode-se fazer em três ou em quatro, este medicamento inclui as disciplinas todas nos anos todos (a saber, sequência disciplinar), nem que seja com uma aula semanal por disciplina.

Precauções especiais de utilização: tomada em doses elevadas, pode obrigar alunos dos 2º e 3º ciclos a terem que frequentar aulas nocturnas para completarem todo o currículo flexível.

Prazo de validade: espera-se a eternidade considerando o seu carácter flexível.




Avaliação contínua.

Registo da patente: foi registada, em 1974, por Gilbert de Landsheere, docente de docimologia na Universidade de Liége; era correcto defendê-la em Portugal a partir de 1976.

Composição: sistema composto, entre outros, por diversos momentos e tipos de avaliação .

Indicações terapêuticas: a sua principal finalidade terapêutica é garantir solidez a todo o edifício escolar; garante aos docentes horas e mais horas de trabalho.

Contra-indicações: medicamento concebido para eliminar os exames escolares sujeita, no entanto, - e na maioria das vezes - os alunos a frequentes exames mensais em todas as disciplinas dos currículos;

Precauções especiais de utilização: respeitada na integra a posologia pode provocar curvas de Gauss de valor médio infinito.

Prazo de validade: como não foi concebida para ser aplicada nos diversos sistemas escolares também não se estabeleceu o prazo de validade.




Taxonomias.

Registo da patente: taxonomia do domínio cognitivo registada por Bloom em 1948; taxonomia do domínio psicomotor registada por Harrow em 1972; taxonomia do domínio afectivo registada por Krathwohl em 1966; a sua divulgação em Portugal ocorreu, principalmente, a partir de 1976.

Composição: listagem hierarquizada dos comportamentos humanos.

Indicações terapêuticas: ilumina a prática docente reforçando a arrumação dos alunos em gavetas (em linguagem científica, níveis de aprendizagem).

Contra-indicações: à sua medicação deve ser associada um anti-depressivo, pois os medicados perdem-se nas listagens hierarquizadas, porque na maioria das vezes é necessário um ano lectivo para caracterizar um só aluno.

Precauções especiais de utilização: transforma-se facilmente em dogma e origina autênticas perturbações na percepção docente, ou seja, os docentes esquecem-se com facilidade da presença dos alunos.

Prazo de validade: não passou da fase de laboratório.




Objectivos.


Registo da patente: Viviane e Gilbert de Landsheere em 1976; em Portugal divulgou-se no mesmo ano.

Composição: listagens de indicadores, digo, de conteúdos, digo de competências, apresentadas com a conjugação do verbo no imperativo, digo, no presente do indicativo, digo, no pretérito perfeito do indicativo.

Indicações terapêuticas: ordena a prática docente, clarifica o que tem que ser ensinado e elimina o que tem que ser aprendido.

Contra-indicações: pode provocar sobredosagem se tomado em associação com concorrentes ou derivados (por exemplo - conteúdos, indicadores, competências, gerais, específicos, terminais, operacionais, iniciais...).

Precauções especiais de utilização: se não está muito seguro não o utilize.

Prazo de validade: três séculos e 23 dias.




Propedêutico.

Registo da patente: VII Governo Constitucional Português em 1978.

Composição: conteúdos multimédia da idade média.

Indicações terapêuticas: entretém os jovens enquanto as universidades não abrem; prepara os jovens para o século XXI.

Contra-indicações: tomado sem vigilância médica, pode provocar alterações filogenéticas; nessas circunstâncias, alguns jovens podem começar a indiciar o nascimento de uma pequena cauda ou sentirem pequenas saliências no topo da cabeça que, nos casos testados, se supõe serem umas intrigantes antenas.

Precauções especiais de utilização: exige a máxima concentração e implica a utilização de televisores sem comando à distância.

Prazo de validade: três anos, salvo seja.





Desenvolvimento pessoal e social (DPS).


Registo da patente: equipa coordenadora dos programas escolares na reforma Roberto Carneiro em 1989.

Composição: 3 mg de creme de flores de harmonia, 4 mg de extractos de pétalas de entendimento e 3 ml de soluto de sódio de resolução de todos os problemas.

Indicações terapêuticas: desenvolve os jovens pessoal e socialmente; prepara os jovens para a sua vida pessoal e social; ajuda os jovens a encarar o futuro, quer na vertente pessoal quer na vertente social; e é, ainda, totalmente eficaz no desenvolvimento pessoal e social dos jovens com problemas;

Contra-indicações: pode provocar sérias perturbações na normal e abençoada aplicação da concordata.

Precauções especiais de utilização: não pode ser utilizado em alternativa à educação moral e religiosa católica.

Prazo de validade: 50 minutos.




Escola cultural.


Registo da patente: não tem a patente registada, mas podemos considerar o ano de 1984 como o momento da sua divulgação em Portugal.

Composição: práticas culturais intensivas; hábitos culturais com elevado grau de contágio; resumos concentrados do manual "“tudo é cultura". 

Indicações terapêuticas: estimula, de forma irreversível, os apetites culturais de toda uma nação em apenas meia geração; estimula a ideia que a produção cultural requer apenas 10 por cento de esforço e 90 por cento de inspiração;

Contra-indicações: cria a sensação de que tudo é mesmo cultura; tomado nas doses certas, pode provocar, anos depois, o aparecimento de incómodas erupções cutâneas com o nome científico de músicas de uma nota só (outros investigadores optaram pela denominação pimba”).

Precauções especiais de utilização: só pode ser vendido mediante receita médica; só deve ser receitado após, o suposto utilizador, ter frequentado 254 colóquios, 367 seminários e ter obtido 196,45 unidades de crédito devidamente certificadas pelo conselho científico de uma qualquer faculdade da universidade técnica de Lisboa.

Prazo de validade: não se chegou a estabelecer.




Sociometria.

Registo da patente:
os estudos nesta área foram iniciados por Northway em 1967 e introduzidos em Portugal em 1972.

Composição: matrizes sociométricas, gráficos sociométricos, diagramas sociométricos, sociogramas sociométricos, folhas pautadas sociométricas e canetas sociométricas.

Indicações terapêuticas: indica, com clareza, qual é o aluno em que o docente se deve apoiar em momentos de aperto; permite conduzir à porta de saída os alunos problemáticos, com a certeza antecipada da popularidade do seu (docente) gesto.

Contra-indicações: para o tratamento dos dados são necessários conhecimentos básicos de mecânica quântica.

Precauções especiais de utilização: em humanos dos 0 aos 18 anos tem que ser feita uma verificação horária considerando as naturais oscilações das suas preferências.

Prazo de validade: com toda a segurança, meia hora.





Créditos.

Composição: três folhas A4 devidamente encadernadas, sendo a primeira destinada à capa e a última preenchida pelas unidades de crédito devidamente certificadas.

Indicações terapêuticas: estimula o desempenho escolar dos docentes; justifica as avultadas despesas com os diversos programas de formação contínua financiados pela Europa dos quinze.

Contra-indicações: não é recomendado a docentes exigentes e ou insatisfeitos;

Precauções especiais de utilização: devido ao grande volume de matérias docimológicas nele contidas, exige-se a sua apresentação, impreterivelmente, 60 dias antes do fim do prazo de validade.

Prazo de validade: um escalão.




Perfil do aluno.

Registo da patente:
equipa coordenadora dos programas escolares na reforma Roberto Carneiro em 1989.

Composição: registo preciso e rigoroso do estado do produto aluno somados x anos de laboração.

Indicações terapêuticas: impede desvios acentuados nos complexos processos de apreciação global dos alunos; facilita a criação de mecanismos rigorosos de análise transversal do desempenho de humanos sujeitos ao agressivo contexto escolar.

Contra-indicações: pode provocar ligeiras dores de cabeça quando verificada a sua articulação com os programas escolares das disciplinas dos anos terminais de ciclo.

Precauções especiais de utilização:
não deve ser aplicado a alunos muito curiosos nem aos que se posicionem de frente ou de costas.

Prazo de validade: um ciclo escolar, precisamente.


publicado por paulo prudêncio às 20:03 | link do post | comentar | ver comentários (53) | partilhar

Domingo, 11.03.18

 

 

 

 

Imagine-se (num registo humorado, obviamente) um professor com 64 anos de idade e 41 anos de serviço. Terá direito à reforma, sem penalização acrescida, daqui por dois anos e mais qualquer coisa. Se vingar a proposta que substitui o tempo congelado (cerca de 7 anos) por tempo para a reforma, terá 71 anos de idade e 48 anos de serviço. Se esperar mais dois anos, atingirá 50 anos de serviço aos 73 anos de idade. Com tanta generosidade, ainda receberá uma pensão equivalente à presença de um semestre num conselho de administração de uma grande empresa pública ou da CGD.

 

funniest-construction-mista-3

 



publicado por paulo prudêncio às 14:54 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 17.01.18

 

 

 

Enviado às Redacções das Televisões

 



publicado por paulo prudêncio às 09:42 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 21.10.17

 

 

 

37800237882_c2ecb6b51d

  

@máriosilva



publicado por paulo prudêncio às 15:37 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quinta-feira, 07.09.17

 

 

 

 

"O número de professores que requereu a reforma é o mais baixo de sempre", concluía-se novamente num debate radiofónico. Repitamos: a causa está identificada: a idade da reforma está nos 66 anos com penalizações indecorosas nas antecipações, num grupo profissional que se reformava entre os 56 e os 58 (52 no pré-escolar e 1º ciclo) com 35 anos de serviço.

Como a degradação da carreira está inamovível - congelamentos, componente não lectiva em modo inútil, "legislês" nas reduções por idade, mais turmas com mais alunos em horários ao minuto, hiperburocracia, concursos com injustiças e horários zero -, temos os professores à beira de um ataque de nervos (há muitas escolas em que os mais jovens têm mais de 40 ou 50 anos de idade) quando se aproxima outro recomeço.

 

esperar sentado

 Imagem obtida na internet

sem referência ao autor

 

2ª edição



publicado por paulo prudêncio às 10:12 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Domingo, 27.08.17

 

 

 

 

"Nunca tão poucos professores pediram a reforma", concluía a TSF. As causas estão identificadas: aumento da idade da reforma para os 66 anos de idade com indecentes penalizações para as reformas antecipadas, num grupo profissional que se reformava entre os 56 e os 58 (52 no pré-escolar e 1º ciclo) e com 35 anos de serviço. E devemos acrescentar a degradação do estatuto da carreira docente: congelamentos, componente não lectiva preenchida por inutilidades, "legislês" nas reduções lectivas por idade, mais turmas com mais alunos em horários ao minuto, hiperburocracia e espectro de horário zero. Resultado: temos um corpo docente à beira de um ataque de nervos (há inúmeras escolas em que os mais jovens têm mais de 40 ou 50 anos de idade) quando se aproxima outro recomeço.



publicado por paulo prudêncio às 11:39 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 30.03.17

 

 

Educação: A Reforma Permanente



publicado por paulo prudêncio às 12:56 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 28.03.17

 

 

 

Para além da incerteza nas vantagens para as aprendizagens, há todo o universo organizacional que cria apreensão. A má burocracia é uma espécie de bactéria que retira energia vital aos professores. Existe o medo da repetição. Na anterior experiência de gestão flexível, generalizou-se um inferno burocrático resultante de uma coligação fatal para a organização das escolas: excessos das ciências da educação cruzados com atavismos das ciências da administração. Em regra, multiplicaram-se as reuniões de agenda repetida e as inutilidades informacionais. Os exemplos bem sucedidos nessa recente experiência investiram, acima de tudo, em sistemas de informação associados à simplificação de procedimentos e aos climas organizacionais democráticos. Não é tudo, mas é fundamental.

Os sucessivos Governos aumentaram a burocracia escolar. É irrefutável. Existem causas, nem sempre identificadas, que provocaram o estado de sítio organizativo neste sistema centralizado. Desde logo, porque não existe uma combinação moderna entre as duas ciências referidas.

Não se vislumbra um qualquer sinal da "(...)novel investigação que se preocupa com a gestão escolar propriamente dita e com os seus sistemas de informação, numa lógica que tenta ultrapassar dois territórios que, e segundo Barroso (2005), têm ocupado o universo da Administração Educacional: o das Ciências da Educação e o das Ciências da Administração e Gestão.(...)Não é possível identificar escolas de gestão escolar. Apesar destas instituições serem, Grade (2008), uma das organizações mais estudadas, inscrevemos um estado de desconhecimento quanto aos modelos de gestão. Existem opções quanto à forma como as redes de escolas se estruturam, mas o reconhecimento da singularidade organizacional das instituições é um espaço de investigação que dá os primeiros passos."

Dá ideia que Paula Rego prognosticou a apreensão (a omnipresença do fantasma) no tríptico "família" integrado na exposição "o velho visita o novo".

 

image

 

Paula Rego.

Tríptico "Família".

Exposição "old meets new".

Casa das Histórias Paula Rego.

Cascais.

 



publicado por paulo prudêncio às 17:26 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 16.01.17

 

 

 

Petição:

Reforma aos 60 anos e 36 anos de serviço para professores



publicado por paulo prudêncio às 10:41 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quinta-feira, 20.10.16

 

 

19349978_g26tb

 

A notícia do Expresso de 12 de Março de 2016 sublinhava que a Finlândia era "um país sem exames nem inspecção, em que as mudanças só aconteciam de 10 em 10 anos, em que todos participavam na discussão e em que a expressão-chave era a confiança nos professores".

E é isto. 

Por cá é a indisciplina escolar, a desconfiança enraizada, a inabilidade na educação, a sociedade ausente, a escola a tempo inteiro, a discussão à volta de mais ou menos prova para "disciplinar" crianças, as avaliações externas centradas na produção de papelada medida às resmas e a "apatia" na participação democrática. O que levamos de milénio (onde ministros se acharam providenciais e plenipotenciários) instituiu o modismo taylorista, exportado pelos EUA para o Japão no inicio do século passado. Acrescentaram-se programas informáticos de empresas comerciais a dirigir modelos organizacionais. E depois, queremos mais mobilização e menos "saturação, exaustão e fuga" (burnout).



publicado por paulo prudêncio às 21:06 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 08.10.16

 

 

 

Currículo, Programas, Reformas



publicado por paulo prudêncio às 12:20 | link do post | comentar | ver comentários (8) | partilhar

Domingo, 02.10.16

 

 

 

A "supressão do futuro" (nada se sabe do amanhã) é uma exigência do discurso político sério. É tão rigoroso afirmar que dentro de quarenta anos não haverá pensões de reforma como prometer para o mesmo tempo uma pensão vitalícia à nascença. Vivemos a "absolutização do presente". Portanto, a ocupação mediática com a possível falência das pensões serve uma agenda política que pretende acentuar as desigualdades a favor dos tais 1%. O desconhecimento do futuro explica a "tolerância" estratégica até dos mais "religiosos" que pode ser lida como a "impossibilidade" de não ceder ao discurso dominante.

 

falcias-e-sofismas-6-638

 



publicado por paulo prudêncio às 16:06 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 25.09.16

 

 

 

 

Quando leio divergências entre o Governo e a Comissão Europeia (ou o FMI) "sobre o que consta dos relatórios", (o Ministro Vieira da Silva desmente a comissão por causa das reformas em Portugal) lembro-me muitas vezes do "Pensar, Depressa e Devagar" do Nobel da economia (2002) Daniel Kahneman (2011:91). "Se 5 máquinas levam 5 minutos para fazer 5 peças, quanto tempo 100 máquinas levariam para fazer 100 peças? 100 ou 5 minutos? E se num lago há uma mancha de nenúfares que todos os dias duplica o tamanho e leva 48 dias a cobrir o lago inteiro, quanto tempo levaria a cobrir metade do lago? 24 ou 47 dias?" (tem os resultados no fim do post). Pediram a 40 estudantes de Princeton para responderem. Como pode ler na obra citada, os que leram os exercícios em folhas menos legíveis acertaram muito mais porque, diz o autor, aumentaram as funções cognitivas. Já ontem usei este exemplo e hoje publico uma imagem com duas rectas iguais que, à primeira vista, parecem diferentes por causa do sentido das setas o que terá também uma forte relação com o assunto do post.

 

Resultados: 5 e 47.

14241226_KZkfQ

 

Daniel Kahneman (2011:39), "Pensar, Depressa e Devagar",

Temas e Debates, Círculo de Leitores, Lisboa.



publicado por paulo prudêncio às 16:12 | link do post | comentar | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
O Paulo sabera que o Salazar foi eleito o maior Po...
Esta e uma eleicao parcial para deputado no parlam...
https://www.publico.pt/2012/06/25/mundo/noticia/he...
https://www.publico.pt/2015/04/13/mundo/noticia/jo...
Só aqui e não encontro mais referências https://co...
Obrigado. Mas não li mal. Já tento confirmar. Mas ...
Leu mal. O Fidesz de Orban governa todos os condad...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

bartoon

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676