Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

A Esquerda (que inclui a social-democracia) e a Psiquiatria

25.09.22
A esquerda (que inclui a social-democracia) inebriou-se com o "tudo deve obedecer à lógica de mercado", menos os monopólios que garantem poder ilimitado às oligarquias que gravitam na esfera dos governos. Deixou-se seduzir por ideias meritocráticas do género SIADAP. Promoveu-se o desalento, a desmobilização, a anti-cooperação e a incapacidade para apontar caminhos alternativos. A democracia dá trabalho e a esquerda (que inclui a social-democracia) seguiu o trajecto mais (...)

Do Histórico Da Fuga A Ser Professor

07.12.21
  Desconfiança nos professores, burocracia, carreira, avaliação, experimentação pedagógica não estruturada, gestão, aposentação, alunos por turma, horários com mais turmas e mais inutilidades, inflação de projectos, educação a tempo inteiro na escola e uma legião de professores com um único objectivo para salvar a dignidade mínima: que a qualidade das aulas não se afaste muito do período normal de energia. Só quem nunca leccionou uns anos é que confundirá o que (...)

Os Professores Estão Noutra Fila

03.06.21
  Post de 9 de Dezembro de 2018. Os professores são sensatos. Nunca exigiram retroactivos (mais de 8 mil milhões de euros) e até a recuperação do tempo de serviço (600 milhões nas contas inflacionadas) admitiu um faseamento. Os professores, e não só, não exigem retroactivos, mas fartam-se de pagar retroactivamente. Explico-me. O crescimento económico não é a "maré enchente que subirá todos os barcos" porque a riqueza acumulada numa minoria não é taxada, nem (...)

Em Vão

06.03.19
      Macron, aflito e inspirado no desenho do Quino, inscreve "o renascer europeu" para transformar a Europa num pólo de "liberdade, protecção e progresso" (LPP). A Europa perdeu esse espaço porque ficou refém dos mercados financeiros. Cada vez mais europeus esperam pelo comboio LPP; em vão. Em 2016, Joseph Stiglitz antecipou: "não é correcto chamar de populista um candidato que diz preocupar-se com os 90% de pessoas que um governo deixou para trás. Não é merecedor de (...)