Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

PISA e Repetições

03.12.19
  Temos aí o PISA 2018. E, numa primeira análise, repitamos: uma população mais escolarizada e menos pobre vai reduzindo, naturalmente, o insucesso e abandono escolares e melhorando os resultados em testes internacionais como o PISA.  Quando a sociedade estagna, as oscilações são, em regra, pequenas. É também o caso português. A partir da última década do século XX fomos diminuindo a pobreza e aumentando a escolaridade. Os resultados no PISA, por exemplo, melhoraram (...)

Só há 20 Professores no Escalão Máximo?

26.11.19
  O relatório anual do Conselho Nacional de Educação conclui, com os dados da imagem, que só havia 0,02% (20 para 100 mil?) de professores no escalão máximo. Estranha-se. Este escalão registou, por lei, zero professores durante anos a fio. Começou a receber professores com os descongelamentos. E só recebeu 20 em qualquer altura inicial? É "impossível". Bem sei que "dava jeito" à justa defesa dos professores. Mas o número seria 0% ou numa percentagem, no mínimo, de uns 4 a 5 (...)

Sublinhados

20.11.19
  Quem analisa criticamente a lei da inclusão ou o fim das reprovações é, desde logo, objecto de uma acusação: não é progressista e discorda da igualdade de oportunidades. Esse risco é subalterno se a intolerância vier duma ala mais clubista. Mas o assunto será diferente se tem origem no legislador ou em quem o influencia directamente. É precisamente por isso que se temem maiorias absolutas de um partido. Como sugeriu o PM, as máquinas partidárias são imprevisíveis e (...)

A Reprovação como Distracção

17.11.19
  Uma população mais escolarizada e menos pobre vai reduzindo, naturalmente, o insucesso e abandono escolares. É também o caso português. Contudo, e infelizmente, ainda registamos quase 35% dos alunos a necessitarem de 10 ou 11 anos para concluírem os 9 primeiros anos de escolaridade (nada de incomum na regulação dos sistemas massificados; e sublinhe-se o paralelismo com a Bélgica, o Luxemburgo ou a Espanha), apesar de se reconhecer à escola portuguesa, a primeira da Europa no "faz- (...)

Enquanto isso, Assiste-se ao Empobrecimento de Escolas e Hospitais Públicos

13.11.19
O que pode ler neste post são factos e tendências que traçam realidades que, a médio e longo prazos, empobrecerão os serviços públicos num país com duas velocidades: escolas e hospitais para ricos e para pobres. Enquanto a mediatização diária expõe um panorama desolador e indisfarçável nas escolas e hospitais públicos, os privados das mesmas áreas florescem. Por exemplo, o Hospital da Luz, privado e gerido por um grupo chinês, aumentou em grande e moderníssima escala a (...)

Dos Assistentes Operacionais nas Escolas

12.11.19
  Ontem, o ministro da Educação declarou a incompetência das escolas nos atrasos na contratação de assistentes operacionais; é estranho que só tenha sido contraditado "oficialmente" por sindicados. Hoje, o Ministério da Educação publica uma nota em que se compromete a acelerar a substituição de assistentes operacionais sem culpar as escolas. É uma espécie de jogo de sombras que atinge os limites num exercício que vai fragilizando os serviços públicos até que uma (...)

Do Dever de Indignação

10.11.19
    O último "prós e contras" abriu com o testemunho de um professor: "já fui agredido sete vezes". Para além da coragem, não é difícil imaginar a brutalidade que um depoimento destes acarreta. Pelo que percebi, e com excepção da moderadora, não se registou a solidariedade ao agredido que estava presente e que até fez mais do que uma intervenção. Ao que saiba (e é seguro dizê-lo propositadamente quase uma semana depois), o Governo não emitiu uma nota indignada e (...)

Motivação e Infantilização

08.11.19
  Pelo que se vai lendo, os professores do ensino superior queixam-se da infantilização dos alunos na relação com uma ideia: “não é o professor que tem de motivar”. Dizia-me há dias um colega desse grau de ensino: "tive que pedir desculpa, mas não recebi os encarregados de educação. O aluno tinha 21 anos e frequentava o 3º ano da licenciatura. Confirmei posteriormente o que justificou a recusa e fiquei sem qualquer problema de consciência". Para este estado de coisas, (...)