Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

O Expresso antecipa-se?

31.12.17
      Parece que o PR vetará, diz o Expresso, a lei de financiamento dos partidos. Percebe-se. Os aparelhos partidários não andam com boas contas e é sensato o veto à ausência de limite para os donativos. Mas as "más contas" que se alastraram pelo país incluem a sobreposição dos interesses dos aparelhos e isso é demasiado visível. Como alguém dizia num debate na RTP3, "a justiça e a lei são desprezadas, mesmo em casos de dolo cometidos por personagens que sirvam os aparelhos

dos jotas carreiristas

19.04.15
        Concordo com Sobrinho Simões:   "(...)apostaria(...)na extinção dos jotas e na desprofissionalização dos políticos(...)".   A partidocracia capturou o Estado central mas também as autarquias. Penso que o mais nefasto a nível local é a acumulação de duas ausências nos jotas carreiristas: profissão fora da política e escritos. Como alguém disse, já nem se trata de pedir uns papers "científicos". A exigência mínima são uns escritos com objectivos que possam (...)

partidocracia tomou conta do país

16.03.15
      A notícia refere-se aos serviços centrais e é "natural" que assim seja. Mas se percorrermos o país, a partidocracia local prevalece com as cores mais variadas. Os partidos são essenciais à democracia, só que a partidocracia é provocada pelo caderno de encargos partidário que atingiu a totalidade das decisões supostamente concursais ou de colégios eleitorais. Está instalado um sistema que gera medo. A principal missão de um próximo Governo - para além da pobreza, do (...)

da mosca e do cheque-ensino

26.02.14
          (Primeira edição em 9 de Setembro de 2013)     Quem disser que os comités centrais dos partidos do memorando da troika têm reuniões frequentes desde a assinatura (ou até antes disso) para tratarem de "altos" assuntos do Estado, não poderá ser classificado como gerador de uma teoria da conspiração. É natural que essas reuniões aconteçam, é natural que sejam secretas e é também natural que alguns consensos se estabeleçam aí. É natural também que as (...)

alternativas

14.04.13
        Com a forma como nos podemos informar na actualidade, a guerra colonial não duraria três meses, foi mais ou menos isto que disse Manuel Alegre na sua entrevista à revista que acompanha o Público de Domingo. É realmente impressionante a forma como a informação e a comunicação evoluíram nas últimas décadas.   A mesma revista insere um crónica interessante de Vítor Belanciano que colei no post. Destaquei o lead porque é mesmo muito pertinente.   Se olharmos para (...)