Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

uma colectividade pacífica de revoltados

24.07.13
            E é sempre tempo de repetirmos pedaços muito acertados.       «É um fenómeno curioso: o país ergue-se indignado, moureja o dia inteiro indignado, come, bebe e diverte-se indignado, mas não passa disto. Falta-lhe o romantismo cívico da agressão. Somos, socialmente, uma colectividade pacífica de revoltados.» Miguel Torga (1907-1995)

da agressão cívica

17.01.12
          Encontrei aqui esta passagem intemporal para o universo português:   É um fenómeno curioso: o país ergue-se indignado, moureja o dia inteiro indignado, come, bebe e diverte-se indignado, mas não passa disto. Falta-lhe o romantismo cívico da agressão. Somos, (...)

em certas horas

12.08.11
    "Não lhe pude valer com as minhas palavras, e, desgraçadamente, só tinha palavras para lhe dar. Tudo quanto disse soava a falso. E o cancro que a roía era verdadeiro. Que pobres nós somos em certas horas! Horas malditas, em que a nossa própria vida confiada é uma afronta às vidas já sem esperança."   Miguel Torga, Diário XV (1990:13)

do momento

06.08.11
    Passei os últimos dias por Trás-os-Montes a ler Miguel Torga. Cruzei-me com uma passagem lapidar.   "Coimbra, 1 de Abril de 1987 - São úteis, às vezes, certos abalos sísmicos morais. Fazem aparecer fontes de afectividade límpida nos mais áridos desertos humanos."   Diário XV (1990:13)

quantos seremos?

21.03.11
          Não sei quantos seremos, mas que importa?! Um só que fosse, e já valia a pena Aqui, no mundo, alguém que se condena A não ser conivente Na farsa do presente Posta em cena!   Não podemos mudar a hora da chegada, Nem talvez a mais certa, A da partida. Mas podemos fazer a descoberta Do que presta E não presta Nesta vida.   E o que não presta é isto, esta mentira Quotidiana. Esta comédia desumana E triste, Que cobre de soturna maldição A própria indignação Qu (...)