Em busca do pensamento livre.

Sábado, 06.10.18

 

 

 

A generalidade dos professores está descrente, agastada ou radicalizada. Como alguém disse, "só os alunos dão ânimo aos professores". Há mais de uma década que é assim. A mediatização abre com greves, manifestações, vigílias ou protestos pontuais e é intervalada por analistas, jornalistas, comentadores, tudólogos e dirigentes políticos que se entretêm no "arremesso ao professor". Quando se prova que mentiram, nada é reposto. É uma devassa inigualável.

Até quem não é professor conhece o consenso sobre a recuperação do tempo de serviço (justa mas "impossível") e reconhece os factos: em Outubro de 2017 uma greve terminou com um acordo parlamentar que incluiria no OE 2018 a recuperação faseada de todo o tempo de serviço. Como os professores são muitos ("a recuperação total impediria o tacitamente acordado com os restantes, e menos numerosos, corpos especiais", declarou um político distraído) os 9 anos e tal passaram a 2 e qualquer coisa. As longas greves às avaliações de Julho de 2018 foram suspensas por uma comissão técnica paritária que apuraria o financiamento exacto. O zero de apuramento passou à estória, mas decretou-se uma semana de greves para Outubro de 2018 com uma manifestação no final (quilómetros a fio para quem devia descansar) para nada acontecer. Isto já é o mainstream a gozar e, às tantas, haverá quem se sinta traído com o "apagão" acordado nas prolongadas, e "invisíveis", negociações noutros patamares. Por isso, é óbvia a descrença, o agastamento e a radicalização. Sublinhe-se que o tempo de serviço é a face mais visível das componentes críticas (algumas nem sequer são financeiras) mais profundas silenciadas pelo Governo e pela maioria parlamentar.

Nota: cansa a obscuridade na composição da plataforma sindical. Se o tal arremesso é também contra os do costume, estranha-se a ausência de escrutínio aos pequenos sindicatos com "mais dirigentes do que sócios". Em regra, esses dirigentes não põem, há décadas, os pés numa sala de aula, poucas pessoas nas escolas os conhecem e "concertam" as negociações. É uma venialidade premiada. São factos conhecidos por todos os intervenientes e com "desconhecimento" mediático.

 

33657730603_a63b85c6ef

  Faces, Picasso



publicado por paulo prudêncio às 17:00 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 05.10.18

 

 

 

Decorre, em Lisboa, mais uma grande manifestação de professores. Há mais de uma década que os professores lutam contra a precarização da sua profissionalidade. Desta vez, coincide com o Dia do Professor.

 

17464375_stW5N

 



publicado por paulo prudêncio às 17:20 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 04.10.18

 

 

Basta passar pelos grupos de professores nas redes sociais para constatar a subida da radicalização. Salienta-se o extremar de posições de pessoas ligadas à FNE (claro que há excepções e muitos casos de coerência nas posições) ou aos partidos agora na oposição. Os outrora horrorizados com grevistas, rasgam vestes e manifestam ira. Há quase uma década que não se assistia a este pico radical dos professores com esse pensamento político. Aliás, quem acusa a Fenprof de dominar as escolas tem aqui um irrefutável contraditório. Quem, como é o caso deste blogue, já passou por tantos picos de contestação desde 2004, conhece bem o leque de posições, silêncios, iras e omissões. Mas o melhor é ler: Greve dos professores no Norte deve chegar aos 85%, diz FNE: “Em crescendo desde 1 de outubro”



publicado por paulo prudêncio às 12:59 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 01.10.18

 

 

 

Dá ideia que a negociação do orçamento passa por um aumento simbólico dos funcionários públicos. Será assim porque é ano eleitoral. O orçamento tem que ser aprovado e os cálculos eleitorais estão ao rubro. A oportunista oposição está à espreita. É demasiado mais do mesmo. Os funcionários públicos não mereciam mais este ónus junto do bullshit mediático. Entretanto, "Greve de professores. 75% de adesão e muitos alunos sem aulas em Lisboa, Setúbal e Santarém.".



publicado por paulo prudêncio às 18:25 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 27.09.18

 

 

 

Não sei o suficiente sobre a saga dos taxistas para ter opinião. Mas registei uma espécie de analogia com a recente greve dos professores às avaliações: a sensação de que o Governo adoptou a mesma táctica: "vamos vencê-los pelo cansaço". Tenho pena que o Governo não consiga fazer melhor e também registo o silêncio cúmplice de todas as forças parlamentares. Nuns casos pelo conhecido oportunismo, noutros por pusilanimidade.



publicado por paulo prudêncio às 17:31 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Quarta-feira, 25.07.18

 

 

 

É este o resultado da comissão técnica? É isto que têm para dizer depois destas greves? Os sindicatos dizem que o Governo não tem dados rigorosos? Li várias notícias e concluí: a mesa negocial está em-estado-de-fingimento (ou a gozar?) e depois admira-se com a radicalização vigente com tendência a agravar-se. O Expresso apresenta o problema assim "Proposta para recuperar dois anos e 9 meses de tempo de serviço custa 180 milhões de euros. No final da reunião sobre os custos do descongelamento e da recuperação de tempo de serviço, o Governo voltou a reafirmar as suas contas e os sindicatos mantiveram as suas dúvidas.(...)Negociação política só em Setembro.(...)".



publicado por paulo prudêncio às 17:51 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 12.07.18

 

 

 

 

Capturar

 

Antero



publicado por paulo prudêncio às 09:43 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 11.07.18

 

 

 

Após um mês de desgastantes greves e de quase um ano a ouvir que "não há dinheiro" (no início era a falácia do "não querem ser avaliados"), Governo e Plataforma de Sindicatos decidem esperar que "uma comissão técnica faça as contas" à recuperação do tempo de serviço?

Não, não é o 1 de Abril. É pior. É a traquitana do estado. Ainda há um mês, o blogue Assistente Técnico, no post "Palhaçada este controlo e monitorização das progressões... baseados em upload de ficheiros EXCEL!", fez um retrato de leitura obrigatória. Os serviços centrais do ME, e não é apenas pelas mais de vinte plataformas digitais quando uma seria moderno e razoável, têm serviços decisivos a viver há muito em derivas info-excluídas onde as redes com ficheiros excel são um modo de vida com estes resultados. E ninguém da mesa negocial se demite perante estas vicissitudes?

 



publicado por paulo prudêncio às 21:13 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

 

 

 

"Mudar de maioria governativa implica trocar 4.000 empregos. Mas as máquinas têm ainda mais do que isso espalhado pelo país." Quando ontem ouvi que aumentaram os recibos verdes e que o acréscimo se deve "aos empregos partidários como formadores do IEFP e às avenças nas autarquias" (muito no espírito Tutti-Frutti), não só relacionei o acontecimento com os "4.000 empregos" como percebi o silêncio da generalidade dos partidos. Mas achei boa a sugestão de trocar anos de serviço dos professores por estes financiamentos todos. Pelo menos, o argumento financeiro esgotava-se.

É um pequeno contributo para a summit que ocorrerá esta tarde. Estava para repetir o português arcaico do título, "cimeira", mas dei-lhe um ar digital para ser positivo.



publicado por paulo prudêncio às 14:46 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 09.07.18

 

 

O Governo e a plataforma de sindicatos de professores estão, desde 3 de Julho de 2018, em aturada reflexão para a reunião, de 11 de Julho de 2018, convocada por um executivo de agenda sobrelotadíssima. Os membros da mesa negocial passarão os próximos dois dias em exercícios de consultoria enquanto os professores contabilizam mais de trinta dias de greve aos conselhos de turma.



publicado por paulo prudêncio às 13:47 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 06.07.18

 

 

 

Impressiona a resistência dos professores. Assim de repente, já estarei perto da 20ª reunião de conselho de turma não realizada por greve e leio que há quem vá na 54ª. E no meio de tudo isto, a mesa negocial decidiu convocar (o executivo, como é evidente) a 3 de Julho uma reunião para 11 de Julho. É inclassificável que se espere oito dias por uma reunião imperativa. Dá ideia que o Governo não percebe que esta situação deixará marcas irreparáveis; ou, como alguém disse, "não se aprende com a história".



publicado por paulo prudêncio às 11:06 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Terça-feira, 03.07.18

 

 

 

A situação é de pré-caos e as greves estão a ser duras e a deixar clivagens e marcas de difícil reparação. É, portanto, estranho que se pretenda reunir apenas daqui a oito dias. E depois admiramo-nos que os estudos do burnout apresentem conclusões que nos deviam envergonhar.



publicado por paulo prudêncio às 22:13 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 28.06.18

 

 

 

Estava nos EUA, mas já terá chegado. Embora haja jogo na Rússia, no sábado, já houve tempo para a selfie.



publicado por paulo prudêncio às 23:37 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 27.06.18

 

 

 

Há muito que se conhece o imperativo da alteração da idade reforma dos professores. A SE Alexandra Leitão declarou hoje, ao que saiba pela primeira vez publicamente, numa entrevista ao Público - que tem um título que escolhi para o do post - : Uma coisa é despachar processos a uma mesa e outra é dar aulas a crianças." Ou seja, os professores são reconhecidos, obviamente, como corpo especial.

Há dias, terminei assim um post sobre a posição do executivo na contenda com os professores: "Agora, terá de ser célere e inteligente numa solução salvífica para as faces". 

Ou seja, há cerca de um ano que as negociações efectivas, e com publicitação dos detalhes, deviam ter começado. Não foi assim e a situação agravou-se. A mesa negocial perdeu o controle. Dá ideia que os professores andam a ser moeda de troca na concertação social, entre os partidos da geringonça, com o PSD e o PR. Mas não basta discursar sobre os milhares de professores que já deviam estar reformados, que não aumentam a massa salarial com a recuperação de tempo de serviço e que até o podem converter em créditos para a aposentação. É necessário que isso se concretize numa proposta. Por outro lado, há outros milhares de professores que estão entre o 1º e o 8º escalões que devem recuperar, mesmo com faseamento, os anos em discussão. Já se percebeu que não são os milhões de euros divulgados; muito longe disso. E há ainda um imperativo final: esta greve é dura. Que ninguém duvide disso nem o menospreze. É impressionante o grau de adesão. Merece, repito, que a mesa negocial, por iniciativa do executivo, seja célere e inteligente numa solução salvífica para as faces e que se decida algo de importante até ao final da semana.



publicado por paulo prudêncio às 18:38 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 26.06.18

 

 

 

A situação é grave para a democracia e para a educação. O colégio arbitral decidiu por unanimidade. Considerando a sua composição, a plataforma de sindicatos fica novamente numa posição muito difícil (como aconteceu há dias com a surpreendente rejeição do PCP em relação à ILC). Há uma certeza: a não recuperação do tempo de serviço colocou os professores no limite da paciência e a saturação traduziu-se na forte adesão às greves. A radicalização de posições cresceu e agudizou-se. Se existe uma contenda jurídica e uma discussão financeira, também há uma vertente política e eleitoral. É por isso que falar de vitórias (só vejo perdedores neste clima de desesperança), é não só precipitado como desconhecedor do estado do sistema.



publicado por paulo prudêncio às 22:07 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

 

 

 

Falta perceber quais serão exactamente os serviços mínimos (está em actualização).

 

"Perante a greve dos professores às avaliações, o colégio arbitral decretou esta terça-feira os serviços mínimos para os Exames Nacionais do 9.º, 11º e 12.º anos, apurou a SIC.

Através de um comunicado, o Ministério da Educação da conta da decisão do Colégio Arbitral e adianta que os conselhos de turma relativos ao 9.º, 11.º e 12.º anos terão de ser realizados até 5 de julho, "a fim de emitirem a avaliação interna final".

O colégio arbitral foi criado devido à falta de acordo entre sindicatos e Governo.

A greve dos docentes às avaliações começou no início de junho e está a afetar mais de 30 mil estudantes do secundário, que ainda não sabem que notas os professores vão atribuir.

O habitual é que os alunos prestem provas depois de serem dadas as classificações dadas pelos professores, e com base nessa nota (interna) se apresentem, ou não, a exame.

Os exames estão a decorrer desde dia 18 de junho, e 23% dos alunos não sabem que notas foram atribuídas."

 

Adenda às 18h57:

 

36259853_2022327757841185_8445059757353467904_n

 

 



publicado por paulo prudêncio às 17:56 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Sexta-feira, 15.06.18

 

 

 

greve_desconto-no-salário

 

 



publicado por paulo prudêncio às 18:03 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 19.05.18

 

 

 

"Sindicatos admitem avançar para greve em época de exames.

Milhares de professores de todo o país estão concentrados na Praça Marquês de Pombal, em Lisboa, reivindicando direitos laborais.

Os professores querem também um regime especial de aposentação, ao fim de 36 anos de serviço, uma revisão dos horários de trabalho no que diz respeito ao que é considerado componente lectiva e não lectiva e medidas que combatam o desgaste causado pela profissão.

Caso o governo não ouça as reivindicações, os sindicatos admitem a realização de uma greve em época de provas nacionais, como disse à agência Lusa o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, em vésperas da manifestação."



publicado por paulo prudêncio às 18:28 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 16.02.18

 

 

 

 

17186327_5CtI9

Antero



publicado por paulo prudêncio às 13:44 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 20.11.17

 

 

 

 

Os professores são muitos (57% da administração central), ficam mais à mão em termos financeiros e ponto final; o resto é ruído. O Governo excluiu os professores e estes reagiram. Um Governo democrático negoceia, corrige e procura uma solução digna enquadrada na política financeira e orçamental. Os professores (99 mil do quadro contra 145 mil em 2006) estão no lugar cimeiro dos cortes na administração pública. Não reivindicam 9 mil milhões de retroactivos, quantia equivalente à autorização do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira para os pagamentos antecipados ao FMI - 9.400 milhões, 60% do empréstimo - ou a quase metade da ajuda à banca. Mas isso, os mediáticos irritados silenciam. Nem sequer estudam o resultado salarial dos descongelamentos ou comparam os detalhes das carreiras. Aliás, um dos mais benevolentes insinuou, no decadente eixo-do-mal, que os professores deviam ter rejeitado, veja-se bem, os cortes a eito e apagou o momento mais difícil que ocorreu em Junho de 2013.


Quando se percebeu a exclusão dos professores, surgiram novos geringonceiros dos sítios mais improváveis. Regressaram à base com o andar da carruagem. O livro "On bullshit”" ("Conversa da treta", na tradução), do filósofo americano Harry Frankfurt, explica o fenómeno irritadiço. O “bullshit é mais ameaçador para a verdade do que a mentira e é objecto de uma estranha tolerância. Aumentou muito porque se exige opinião sobre tudo, mesmo sobre o que não se sabe. O mundo dos media constitui um inigualável caldo de cultura “bullshit“”. A coisa está tão no fundo, que num debate na televisão pública - com o nome sintomático, "O último apaga a luz" - um interruptor (googlei a ficha técnica e tem Deus como último nome) foi taxativo: "os professores são miseráveis".

 

televisao-ruido-branco

 Imagem encontrada na internet
sem referência ao autor



publicado por paulo prudêncio às 11:04 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Até pode ser uma explicação: anos a fio na "selva"...
Até pode ser uma explicação: anos a fio na "selva"...
Uma descida grave.
Também de Singapura vêm outras boas iniciativas:ht...
Também aqui se realça Singapura por boas razões:ht...
tempos que têm os ingredientes para os 'trumps'/'b...
Não conhecia essa situação.
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

bartoon

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676