Em busca do pensamento livre.

Quinta-feira, 13.12.18

 

 

 

 

 

Captura de Tela 2017-08-21 às 11.37.55

 

Rembrandt van Rijn, The Anatomy Lesson of Dr Nicolaes Tulp, 1632

Foi com este célebre quadro que Rembrandt se apresentou, e se afirmou, em Amesterdam. Para além de outros detalhes, os alunos deixaram de estar alinhados e o olhar divergia: para o professor, para o livro aberto, para o objecto de estudo e até para a "objectiva". E claro: todos estavam iluminados.

Museu Mauritshuis, Haia,

2ª edição



publicado por paulo prudêncio às 12:41 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 09.12.18

 

 

Os professores são sensatos. Nunca exigiram retroactivos (mais de 8 mil milhões de euros) e até a recuperação do tempo de serviço (600 milhões nas contas inflacionadas) admitiu um faseamento. Os professores, e não só, não exigem retroactivos, mas fartam-se de pagar retroactivamente. Explico-me.

O crescimento económico não é a "maré enchente que subirá todos os barcos" porque a riqueza acumulada numa minoria não é taxada, nem redistribuída, e acentua as desigualdades. Os governos não têm força para contrariar o neoliberalismo vigente; e há os que o promovem. A história da distribuição da riqueza é política. Não se reduz a mecanismos puramente económicos. Lê-se em dois clássicos: "Riqueza das Nações" de Adam Smith e "O capital no século XXI" de Thomas Piketti. A economia não é independente da filosofia moral e política e tem na actualidade uma agravante: "Quanto mais os mercados invadem esferas não económicas da vida, mais se vêem enredados em questões morais.(...)".

A história recente inscreve o triunfo do liberalismo de Milton Friedman (fora de Keynes, Adam Smith ou Stuart Mill), que derivou para um neoliberalismo branqueador de poderes não eleitos e que não prestam contas. A desregulação dos impostos (década de 90 do século XX), inspirada na visão optimista de que os grandes financeiros exerciam melhor a responsabilidade social do que os estados, "deslegitimou-se". O capital em offshores não tem fim e só a crise de 2008 - e os processos "leaks" -, fez tremer a predação. O que resta aos governos? Taxar, com impostos directos e indirectos, e gerar uma imprevisível revolta. As classes médias fartam-se de pagar a "impagável" dívida e os juros que "consomem" os orçamentos dos estados.

O norte-americano Joseph Stiglitz, Nobel da economia (2001), foi taxativo em 2009: há uma luta de classes derivada da corrupção ao estilo da pátria do neoliberalismo (a sua). Se a conjugarmos com o sistemático "varrer para debaixo do tapete das pequenas e das grandes corrupções", temos a explicação para a perigosa crise das democracias ocidentais.

Afinal, a verdade é como no desenho do Quino: os professores, e não só, não estão na fila para receber retroactivos e reconhecem a fila a quem se fartam de pagar retroactivamente.

 

Desenho do Quino,

em "Não me grite" da série "Humor com humor se paga".

 

Nota: é evidente que há dois fenómenos paralelos: a globalização (e a mudança do eixo da riqueza do Atlântico para o Pacífico) e a quarta indústria (automatização e robotização).

18847512_Zr92O



publicado por paulo prudêncio às 15:42 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Terça-feira, 09.10.18

 

 

 

A história da distribuição da riqueza é política. Não se reduz a mecanismos puramente económicos. Lê-se em dois clássicos: a "Riqueza das Nações" de Adam Smith ou "O capital no século XXI" de Thomas Piketti. Sempre foi questionável a noção de que a economia é uma ciência independente da filosofia moral e política. A foto, e a sua história, remete-nos para a complexidade do problema: há sempre uns quantos que aspiram enriquecer à custa do trabalho dos outros e o difícil, e belo, exercício democrático consiste em contrariar a natureza humana. Michael Sandel, em "O que o dinheiro não pode comprar", coloca a questão actual assim:

"Quanto mais os mercados invadem esferas não económicas da vida, mais se vêem enredados em questões morais.(...)Se algumas pessoas gostam de ópera e outras de combates de cães ou lutas na lama, precisamos de facto de nos abster de tecer juízos morais e atribuir peso igual a essas preferências no cálculo utilitarista?(...)Quando os mercados corroem normas não mercantis, o economista (ou qualquer outra pessoa) tem de decidir se isso representa uma perda que deveria preocupar-nos.(...)"

 

Daí à importância das redes públicas de escolas, como um valor inquestionável das democracias, vai um pequeno passo. Será, contudo, insuficiente, se permitirmos que os mercados invadam desde cedo a vida escolar.

 

Lewis Hine foi um fotógrafo, um dos primeiros, comprometido com a denúncia das condições de trabalho. A foto (Cotton Mill Girl) é de 1908 e foi seleccionada pela "Time como uma das 100 fotografias mais influentes da história".

 

30773668930_2da09a7078

 



publicado por paulo prudêncio às 16:30 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 14.09.18

 

 

 

Os órgãos de comunicação social (OCS) usam títulos "pouco rigorosos" para captar audiências ou servir agendas (veja-se o recente caso OCDE). Mas não são só os OCS. Os programas escolares, e de outras áreas, obviamente, caem em algo semelhante no uso mediático. Por exemplo: títulos que incluam Sucesso Escolar, Inclusão ou Flexibilidade Curricular, são, desde logo, irrefutáveis. Mesmo quem desconheça os conteúdos, usará politicamente os "troféus" ou, no caso das oposições, silenciará o contraditório.

A história mostra que há programas com resultados opostos ao enunciado em título. Há um erro comprovado numa asserção elementar: as condições de todos os intervenientes. A inclusão ou o sucesso escolar, por exemplo, têm de se projectar com preocupações nas condições de realização de alunos, professores e outros profissionais.

Há história e explicações suficientes para não se repetirem erros. A revolução francesa introduziu o conceito de igualdade numa fase em que terminava a 1ª revolução industrial. Nos séculos seguintes, e duas revoluções industriais depois, percebeu-se que o conceito não se aplica à escolaridade de crianças e jovens. Ou seja, os alunos não são "iguais", na hierarquia da maioria das decisões e escolhas pedagógicas, aos professores (e, noutro nível, aos pais e encarregados de educação); e a democracia, e a anti-tirania, digamos assim, exige que assim seja. A 4ª revolução industrial em curso, e a generalização do uso das tecnologias, afirma uma certeza: são as pessoas que vão fazer a diferença. Mas a maré de incertezas volta a dar espaço aos que confundem papéis escolares e deitam por terra as melhores intenções. As decisões, e nos diversos níveis, desses desconhecedoras da história (e da história da pedagogia) reforçam os estudos recentes que antevêem resultados que podem oscilar entre extremos (do muito positivo ao caótico).

 

IMG_1600

 Estacionamento público de bicicletas.

Amesterdão.



publicado por paulo prudêncio às 16:04 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 09.09.18

 

 

 

Decorre mais uma tentativa de institucionalizar a antiga interdisciplinaridade. Não há nada de novo, nem sequer no universo vocabular. Há quase um século que a "escola" percebeu essa necessidade. Se compararmos com as recentes "reformas" anteriores - 1992 (área-escola) ou 1998 (área de projecto) - esta é menos "ousada" por receios financeiros. Esperava-se que se aprendesse com as componentes críticas anteriores: hiperburocracia, consubstanciada em inutilidades informacionais, e reuniões de agenda repetida. Mas teme-se que não. Por exemplo, as "aprendizagens essenciais" (uma competência macro que, a exemplo dos programas ou provas nacionais, tem indicadores que reduzem o grau de imprecisão e generalidade no país) não são localizáveis. São aprendizagens essenciais (e não, por exemplo, alternativas) exactamente por isso. Desde logo, um aluno pode mudar de escola sem ter de recomeçar um qualquer ciclo de escolaridade. A publicitação das "aprendizagens essenciais" é feita exclusivamente no site do Ministério da Educação e a operacionalização na gestão dos programas. A localização dos critérios e instrumentos de avaliação nem sequer pode ser muito diferenciada para as "aprendizagens essenciais". Iniciar um processo de construção de modelos de "aprendizagens essenciais" por agrupamento, escola, ano, disciplina, turma e alunos (recorrendo, em regra, às infernais grelhas e porta-folhas) é uma evidência, e uma inutilidade, a caminho da entropia informacional e um contributo essencial para o "burnout" dos profissionais. As experiências anteriores foram conclusivas: as variáveis inovadoras determinantes não se centram tanto no ensino ou nas didácticas, mas no domínio da organização e gestão e na relação com os sistemas de informação.

 

IMG_1768

 Nemo Science Museum. Amesterdam.

 



publicado por paulo prudêncio às 13:47 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 04.09.18

 

 

 

 

IMG_0552

 



publicado por paulo prudêncio às 12:56 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 03.09.18

 

 

 

IMG_0527

 



publicado por paulo prudêncio às 12:56 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 02.09.18

 

 

 

 

IMG_0533

 



publicado por paulo prudêncio às 11:52 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 01.09.18

 

 

 

IMG_0554

 



publicado por paulo prudêncio às 16:14 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 31.08.18

 

 

 

 

 

IMG_2852

 

Cabo de S.Vicente. Sagres. Agosto de 2018.



publicado por paulo prudêncio às 10:23 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 30.08.18

 

 

 

IMG_0962

 

Pôr-do-sol. Sagres. Agosto de 2018.



publicado por paulo prudêncio às 10:06 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 29.08.18

 

 

Há uma dicotomia no aproveitamento europeu dos impérios: Grécia, Itália, Espanha e Portugal (nem todos na mesma escala) não mantiveram muitas das riquezas materiais até à actualidade; pelo contrário, Holanda, Bélgica, Noruega, Reino Unido, Suécia, Alemanha e França (e ainda a Suiça e o Luxemburgo) mantêm os domínios essenciais. E não basta olhar para a bandeira das multinacionais europeias bem sucedidas. Há ainda negócios de biliões que passam pela energia e existem interesses fundamentais no ouro e nos diamantes (até nos de sangue). É também isso que o eurogrupo não deve esquecer quando analisa as políticas de austeridade e as acusações de despesismo dos povos do sul. Aliás, a bandeira portuguesa, hasteada no ponto mais setentrional da Europa, é um bom ponto de partida histórico que Centeno não desconhecerá.

 

IMG_0958

Sagres. Agosto de 2018.

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 10:53 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 28.08.18

 

 

 

 

IMG_2681

 

Foz Coa. Agosto 2018.



publicado por paulo prudêncio às 11:09 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 27.08.18

 

 

 

IMG_2752

 

Agosto 2018.

 



publicado por paulo prudêncio às 10:44 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 26.08.18

 

 

 

IMG_2469

 

Agosto 2018.

 



publicado por paulo prudêncio às 10:37 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 25.08.18

 

 

 

 

IMG_2070.JPG

 

IMG_2071.JPG

 

 Albertina museum. Viena.



publicado por paulo prudêncio às 10:49 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 24.08.18

 

 

 

 

IMG_0181.jpg



publicado por paulo prudêncio às 10:44 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 23.08.18

 

 

 

 

14971025_E4p8p



publicado por paulo prudêncio às 10:38 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 17.08.18

 

 

 

 

James Jacques Tissot, Dublin, Agosto de 2013.

 



publicado por paulo prudêncio às 10:44 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 16.08.18

 

 

 

 

 

 

 

Celestino Mudaulane (Moçambique). "O mundo dos contrastes".

Exposição "Artistas comprometidos? Talvez".

Fundação Calouste Gulbenkian, Agosto de 2014.



publicado por paulo prudêncio às 10:33 | link do post | comentar | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Obrigado António Duarte. Claro que dou. Vai em mui...
Excelente!Vou, se me dás licença, "roubar"...
E se a dívida não baixa...
Já não digo nada sobre os processos paralelos.
Só em juros da dívida ronda os 23 milhões/dia!
Sim, Paulo, concordo. É mesmo insaciável!Desconfio...
Esvaziar ainda mais, Carlos? Mas sim: o neoliberal...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

bartoon

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
Um projecto (livro) para gerir Escolas Portuguesas agrupadas
De Paulo Prudêncio