Em busca do pensamento livre.

Sábado, 30.06.18

 

 

 

"Palhaçada este controlo e monitorização das progressões... baseados em upload de ficheiros EXCEL!"



publicado por paulo prudêncio às 14:24 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 13.11.16

 

 

 

É o que não se pagou dos empréstimos. 40 mil milhões (na banca portuguesa) é cerca de 25% do PIB e o dobro da requalificação bancária; ou seja, poderá ser o verdadeiro valor da segunda variável.

 

19418919_DIqAq

 



publicado por paulo prudêncio às 19:20 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 25.10.16

 

 

 

A desqualificação do modo de escolher as direcções escolares é mais uma derrota para a herança de Lurdes Rodrigues (LR). O veredicto poderá acontecer com a vontade de alguns dos seus, outrora, correligionários. É reconhecida a desqualificação dos actuais Conselhos Gerais para promover concursos públicos seguidos de eleição. LR decidiu, em 2009, eliminar um modelo com avaliação positiva para controlar, a partir do poder central, os "indisciplinados" professores. Teve a oposição de muitas escolas, mas a oportunidade criou alinhados de última hora. 

 

Em 11 de Janeiro de 2012escrevi que "(...)mesmo entre nós, e no caso do sistema escolar, o arco governativo não descansou enquanto não eliminou o poder democrático das escolas substituindo-o por uma amálgama com tiques do PREC e da ditadura.(...)" Não foram necessários muitos anos para se perceber o erro grave, nomeadamente com a entrada nas escolas do pior da partidocracia local. É consensual para as organizações que estudam e avaliam a situação vigente: as direcções escolares devem ser eleitas, num processo devidamente escrutinado, por todos os que exercem funções nas escolas.

 

1102a

 

Antero



publicado por paulo prudêncio às 17:08 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 02.09.16

 

 

 

CGD não voltará a falir de imediato uma vez que chumbou nos testes de stress do BCE. Sempre que um banco português passou nestes testes, faliu na semana seguinte. O BES teve mesmo um excelente antes da necessidade de requalificação (o eufemismo dos média para as falências na alta finança que, como na imagem, jamais pisa a relva). Entretanto, a injecção de capital na CGD já serviu, garante a nova administração, de fármaco para o stress. Para o ano, a síndrome anual (um banco por ano desde 2008) deve atingir o Montepio.

 

16668411_hfKkl.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 15:26 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 12.06.16

 

 

 

Depois da falência generalizada, suportada pelos contribuintes, da banca privada (20 mil milhões em 8 anos), a "impossibilidade" de mais encenação incluiu a Caixa Geral de Depósitos (mais de 4 mil milhões só este ano). Mesmo sem pessimismos, é a confirmação da falência do sistema (espera-se que o regime sobreviva). Chega a ser caricato ouvir os comentaristas mais mediáticos; de uma ponta à outra do espectro ideológico. Parecem aflitos. E como é que chegámos aqui? Imparidades (escriturado (muito) superior ao executável) e dívidas "impossíveis" de pagar; coitados.

 

164549133.jpg



publicado por paulo prudêncio às 14:28 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sábado, 15.08.15

 

 

1ª edição em 11 de Janeiro de 2012.

 

 

 

Peso bem o que escrevo e recebi alguns emails a propósito deste post onde escrevi que "(...) mesmo entre nós, e no caso do sistema escolar, o arco-governativo não descansou enquanto não eliminou o poder democrático das escolas substituindo-o por uma amálgama com o pior do PREC e da ditadura de Salazar. (...)". Dizem-me que posso estar a exagerar na preocupação com o regresso a um passado que parecia arredado da possibilidade histórica e do futuro.

 

Se fizermos um exercício de memória, saberemos que no período que antecedeu o 25 de Abril de 1974 os directores das escolas eram nomeados pelo poder central e que a dificuldade no conhecimento das personagens no mais recôndito dos lugares era superada pela informação do partido único do regime: a União Nacional. A escolha que as graças determinassem recebia o mandato e a não limitação temporal do seu exercício.

 

Os mais distraídos devem saber que muitos dirigentes dos partidos que nos vão governando defendiam, e defendem, a nomeação pelo poder central dos directores escolares, após auscultação das estruturas locais do respectivo partido político, e que só se depositou a sua eleição nos actuais Conselhos Gerais porque o critério obedeceu à lógica experimentada pelo PREC (os extremos tocam-se), onde as populações se apropriaram do poder das instituições do estado numa prática que se revelou desqualificada e promotora da ausência de profissionalidade e de prestação de contas. Foi assim e já só estamos a um passo da plena realização.

 

No período que antecedeu a revolução dos cravos, a esmagadora maioria dos professores não pertencia aos quadros e não progredia na carreira. Os que conseguiam uma posição mais profissional ou obedeciam aos ditames do regime ou eram empurrados para uma situação censurada e de exclusão vinculativa. 

 

Existia uma obsessão com os denominados saberes essenciais. Esse empobrecimento civilizacional foi contrariado anos depois do 25 de Abril de 1974 e permitiu à sociedade portuguesa uma cavalgada impressionante na aproximação à sociedade da informação e do conhecimento que se veio a estabelecer.

 

Perante os factos, e podiam ser muitos mais, convenço-me que temos razões para temermos uma regressão civilizacional que abalará os alicerces da democracia. Se o argumento decisivo é a redução da despesa, importa questionar, como, de algum modo, se fez na altura, a razão que leva a neo-União-Nacional a não prescindir do desvario na gestão de fundações, de PPP´s ou da administração local. É que, e continuando a fazer paralelismos, não se percebe o que queremos quando afirmamos que o sistema escolar é uma prioridade nacional.

 



publicado por paulo prudêncio às 17:25 | link do post | comentar | ver comentários (16) | partilhar

Terça-feira, 02.12.14

 

 

 

 

Sim, acontece muitas vezes. Ainda no último domingo, Marcelo Rebelo de Sousa conjugou dois verbos para os resultados do ensino privado nos rankings dos exames: arrasaram; esmagaram. Como é um professor de direito, temos de baixar o grau para lá do inadmissível e já nada nos deve espantar. O político estava fora de si e terraplenava resultados escolares como quem comenta o "seu Braga".

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 20:51 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 08.11.13

 

 

 

 

 

Exigir à escola que obtenha a excelência nos resultados escolares e que inclua os "que não querem aprender" e os que escapam à "normalidade" é a verdadeira quadratura do círculo que se torna uma alucinação terrivelmente exclusiva no mercado puro e duro.


Nem os países mais desenvolvidos - os que, por exemplo, eliminaram o analfabetismo no século XIX - encontraram uma saída democrática na alucinação vigente. Ao que vamos sabendo, instituíram soluções exclusivas em busca de uma qualquer excelência que acabou sempre por esbarrar no alçapão do aumento das desigualdades de oportunidades.


Portugal já tem indicadores de exclusão escolar que aumentarão em sentido proporcional à alucinação descrita.


Deixámos de pensar.


Se uma turma ou escola tem em maioria os que "que não querem aprender", a lógica de mercado dos resultados escolares será implacável. Por outro lado, se uma turma ou escola tem em minoria "os que não querem aprender", será "inaceitável" a sua presença desestabilizadora e os responsáveis escolares defrontar-se-ão com dilemas e exigências inumanas. O confronto com a história dessa minoria deixará à alucinação vigente um único caminho: o aumento dos indicadores de exclusão escolar.


O fim-de-semana será preenchido pela discussão dos rankings das escolas portuguesas. Repetir-se-ão os argumentos no duelo público-privado. Nenhum dos factores descrito ganhará: nem os excelentes quando abandonarem o regime de condomínio privado e se confrontarem com o mundo real e muito menos os destinados à exclusão.


Bem sei que advogar o fim dos mecanismos de mercado puro e duro (que é diferente de avaliar com rigor organizações escolares onde se incluem os resultados escolares) é considerado pouco ambicioso e falho de modernidade. Haverá mesmo quem considere falho de empreendedorismo. Mas também sabemos que as sociedades mais avançadas foram sempre as que colocaram a inclusão (mas a inclusão desde o pré-escolar) no topo das prioridades porque perceberam que a diminuição das desigualdades é proporcional ao aumento das classe médias e que manutenção da paz e da prosperidade só se consegue em sociedades não alucinadas. Mas mais: qualquer sistema bem sucedido na formação de pessoas foi construído com bases alargadas.


Aos advogados da alucinação falta-lhes o contacto com o real. Portugal é, e escrevo-o com tristeza, cada vez mais um país com um sistema escolar em profundo estado de alucinação.





publicado por paulo prudêncio às 22:25 | link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar

Domingo, 20.01.13

 

 

 

Foi interessante regressar ao mundo mediático depois de um apagão de 24 horas e através da impressa do Público. Há muito tempo que não pegava num jornal sem notícias "desactualizadas" pela voracidade da informação.

 

Sorri com três destaques. Ricardo Salgado do BES, que se dizia ser o "dono" de Portugal, parece começar a apontar o dedo à banca que nos empurrou para o descalabro financeiro, Selassie do FMI demarca-se, como se esperava, do Governo e remete os 4 mil milhões e o relatório para as invenções ideológicas e radicais da PassosCoelho.SA e António Barreto da FMS parece apelar à revolução já ou daqui a um bocado. Veremos se o Governo passa a primavera ou se o bom povo português acaba por reeleger uma espécie de regresso ao Portugal pobre mas orgulhoso.

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 15:30 | link do post | comentar | ver comentários (7) | partilhar

Quarta-feira, 14.11.12

 

 

As boas intenções e a especulação financeira

 

 

Muito interessante a análise sobre compromissos de geometria variável.



publicado por paulo prudêncio às 16:17 | link do post | comentar | partilhar

 

 

Já lá vão mais de vinte anos com Cavaco Silva a implorar para que o deixem trabalhar: os resultados estão aí. Tenho a sensação que a sua economia doméstica está saudável.

Cavaco respeita greve mas está a trabalhar para futuro com mais emprego e crescimento

 

 



publicado por paulo prudêncio às 14:59 | link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar

Sábado, 16.06.12

 

 

 

Parece que o anterior ministro das finanças cumpria a máxima do acesso aos salões da "aristocracia" republicana: sê forte com os fracos e fraco com os fortes. Tenho ideia que, de tanto tocar com a testa no solo sem dobrar pelos joelhos, deve ter arranjado alguma hérnia discal.

 

Classificava como amendoins tudo o que se relacionava com benesses ilimitadas da oligarquia e tinha o contraponto nas despesas que "lhe interessavam" (representava o colectivo): cortes nos salários, e despedimentos, dos funcionários públicos e aumentos de impostos.

 

Agora aparece com ameaças adequadas à época euro 2012: a culpa é do sistema e o primeiro da coisanostra tem que ser definitivamente desmascarado. Dá vontade de lhe dizer: ó homem, desembuche que raio!

 

Teixeira dos Santos: "Importa saber quem beneficiou com o BPN"



publicado por paulo prudêncio às 18:27 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Segunda-feira, 11.06.12

 

 

O discurso que remetia para a função pública e para o estado social a fatia maior da responsabilidade pelo desequilíbrio das contas ficou desmontado com a situação espanhola.

 

Os gregos parece que estão fora de análise. O discurso oficial definia, e define, a coisa assim: os problemas da Irlanda eram causados por uma banca contaminada pelos produtos tóxicos norte-americanos, o problema português era principalmente do estado (o BPN, por exemplo, é suíço e dos offshores) e é por isso que estamos a ser alvo do mais elevado corte nos salários. O Governo português começa a patinar porque o caso espanhol desmonta os argumentos ultraliberais, e as palas ideológicas, do gerente Passos Coelho.

 

Não sei se Portugal "aguenta" mais um registo de inverdades.

 

 

Primeiro-ministro não afasta renegociações das condições de resgate com a União Europeia 

 

El Pais diz que Passos Coelho é "campeão da austeridade e das teses alemãs"

 



publicado por paulo prudêncio às 17:57 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 07.06.12

 

 

 

 

Quando se anunciam agregações de escolas num modelo inédito no mundo conhecido e que comprova o trauma de grandeza das elites lusitanas, quando nos preparamos para demonstrar que somos tão estratosféricos que metemos 30 alunos onde só cabem 22, quando andamos a despachar e a contra-despachar diariamente matrizes curriculares com meses de atraso, quando temos um ministro que se engana no algoritmo implosivo e liga às escolas o detonador que seria para o MEC, quando temos um SE Casanova que envergonhou o país numa prestação televisiva inadmissível para uma nação mesmo que troikada, os spins lembraram-se de dar eco a uma demonstração de  aritmética em que a utilização de siglas quer dar um ar sofisticado a uma ensandecida parolice organizacional.

 

O crédito horário das escolas foi criado em 1997 com a ideia de premiar em equivalente financeiro as escolas mais organizadas. Eram, salvo erro, 140 horas com a possibilidade de conversão financeira até 20. A coisa foi sendo apertada até ao zero. Foi também nessa altura que implodiram, e bem, as horas extraordinárias nos horários dos professores.

 

Os novos "iluminados" atribuem um tecto de 30 horas convertido em contratação de professores. Ou seja, passam a vida a anunciar que o MEC investe muito em pessoas e que nada sobra para o resto e quando uma escola consegue um bom índice de eficácia só pode contratar pessoas e não pode investir noutra coisa. A sério. Este país não tem remédio.

 

A sofisticação vigente descobre a roda mensalmente, como a seguir se traduz para senso comum:

 

CT = K x CAP EFI T e ponto final.
                                             
CT é o crédito de tempos lectivos.
K é a caracterização do conjunto de professores e corresponde à diferença do número de turmas (vezes 4, porque se fosse vezes 5 éramos troikados, ufa!!!!) menos o total de horas de redução ao abrigo do artigo 79º.
CAP (não, não é ainda o poder central a dizer quem vai governar umas 500 escolas que nasceram em 2012, e após a chegada de NC e JCA ao MEC, e depois da implosão) é a capacidade de gestão dos recursos (CAP = (CL) / (HSV – RCL)) e é o produto da divisão entre 2 valores, CL (componente lectiva atribuída) e a diferença entre HSV e RCL, ou seja, a diferença entre a componente lectiva para efeitos de processamento de vencimentos e o somatório das horas de redução da componente lectiva. Se CAP for superior a 100% (em Santo Onofre foi muito abaixo de zero e implodiu na mesma) o que traduz a existência de horas extraordinárias, o acréscimo é reduzido ao valor de 100%, baixando o valor da CAP (Capacidade de Gestão, ou eliminação, de Recursos).

 

O EFI (Indicador de Eficácia Educativa, uma brutal invenção com origem nas zonas caóticas do sistema escolar, e industrial, inglês), resulta da avaliação sumativa externa (exames) e corresponde ao maior de um dos 3 valores: a) avaliação sumativa externa; b) diferença entre a avaliação sumativa interna e externa; c) comparação da variação anual das classificações de exame com a variação anual nacional.


Os valores K e CAP são definidos pelo MISI com dados obtidos pelas escolas ou agrupamentos. O EFI é apurado no MISI em Agosto, coitados, para que a lógica yes minister se eternize.

 

O T, resulta do número de Turmas do 2º e 3º CEB que se supõem, acrescido do valor 1 por grupo de 10 turmas dos 2º e 3º CEB´s e Secundário que se supõem. A informação é apurada pela rede escolar, que a obtém no somatório dos diversos PDMs que, e ao contrário do que pensávamos e em nome do rigor, diz que somos 30 milhões numa lógica de organização territorial e imobiliária importada do MEC português ao longo da ultima década. Depois de 2004 e agravado com hecatombe de 2008, a rede escolar diz que somos 3 milhões para que as cooperativas de ensino aconcheguem os incompreendidos do imobiliário e dos offshores.


publicado por paulo prudêncio às 15:21 | link do post | comentar | ver comentários (14) | partilhar

Segunda-feira, 04.06.12

 

 

 

Matrizes curriculares - 3ª mudança em 8 dias



publicado por paulo prudêncio às 14:03 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 01.06.12

 

 

 

 

É evidente que Portugal tem feito progressos, como se constata em diversos indicadores, mas em matérias como a corrupção, o caciquismo, o tráfico de influências, o saque ao Estado e por aí fora, não saímos do registo denominado como terceiro mundo. É também evidente que a redução da classe média favorece os mais interessados no caos.

 

Cortes salariais põe Portugal a caminho do Terceiro Mundo

 

"Presidente do Conselho de Finanças Públicas, Teodora Cardoso, considera um erro os cortes salariais. E admite que os impostos podem descer dentro de cinco anos, se o país limpar as contas públicas.(...)"



publicado por paulo prudêncio às 11:58 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 31.05.12

 

 

 

Quando comecei a prestar atenção ao Goldman Sachs e à presença de António Borges, salvo erro em 2006 ou 2007, como um guru do trágico subpraime e putativo candidato instantâneo a primeiro-ministro de Portugal, sou franco: fiquei desconfiado e escrevi vários posts sobre o assunto, sempre com a sensação que podia estar a cair no registo de teoria da conspiração. Mas não. Hoje ninguém tem dúvidas e Portugal perderá muito com a presença do citado António Borges nas privatizações.

 



publicado por paulo prudêncio às 19:35 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Terça-feira, 29.05.12

 

 

O meu percurso profissional, em instituições públicas, privadas e de utilidade pública, ensinou-me a respeitar o que existe, a ser humilde perante procedimentos com história e que a inovação não é sinónimo de epifania e corresponde a trabalho e conhecimento do terreno.

 

Nao sei se será da educação em ambiente anglo-saxónico, se será da formação (sapiência e experiência) em treino desportivo ou se há alguma influência do código genético, o que sei é que percebi que era giro e fixe ter ideias ou achamentos mas acompanhadas do método e do tempo adequado para as desenvolver. Percebi cedo e não considero isso nada por aí além. Sensatez, digamos assim.

 

Não me surpreendem os relatos que vão me chegando das reuniões de rede escolar com elementos que representam o poder central: o desmiolo não é novo. Substituir o ensino ligado às tecnologias e afins pela pesca, agricultura e caça é uma ideia gira e até fixe. Mas exigir que, nesta altura do ano escolar que pressupõe variáveis estudadas e consolidadas, se encontrem respostas em exclusividade para a mudança é que já parece uma coisa demasiado impreparada, que é da família que nos empurrou para o estado em que estamos e que não é da responsabilidade da troika.



publicado por paulo prudêncio às 18:15 | link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar

Sábado, 26.05.12

 

 

Se era habitual a terraplenagem da história organizacional das escolas do não superior provocar um recomeço anual a partir de um patamar próximo do zero, nos últimos anos acentuou-se.

 

Agregações que implicam nomeações de CAP´s, nova estrutura curricular, alterações no modelo de gestão escolar e na rede escolar são variáveis que deviam estar resolvidas em Janeiro e que se tornaram o alvo preferencial dos "reformadores" iluminados.

 

Como estamos em finais de Maio e está tudo por fazer, a azáfama deve ter tomado conta do MEC e isso não augura bons resultados.

 

Informações sobre carga horária semanal causam confusão nas escolas



publicado por paulo prudêncio às 22:20 | link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar

Quinta-feira, 26.04.12

 

 

 

 

 

  

Banquete em 19 de Abril de 2012. 

 



publicado por paulo prudêncio às 23:02 | link do post | comentar | ver comentários (10) | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
A luta não terminou e deve ser levada para o quoti...
Boas, boas, boas, são mesmo as boas novas da Teres...
e entretanto vamos sendo brindados com esta grande...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
21 comentários
16 comentários
14 comentários
10 comentários
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676