Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

começou no "país de tanga"

11.04.14
          Os cortes a eito na escola pública começaram com o Governo do "país de tanga" e não pararam. Durão Barroso deu corpo à agenda de "tudo está mal na escola pública" e os sociólogos, acompanhados de eduqueses I e II (como é o caso de Crato), perpetraram uma engenharia social que os tornou estrelas financeiras para a malta ultraliberal onde se incluem socialistas de terceira via e sociais-democratas desmemoriados ou com passagem oculta pelo BPN.   Os professores do (...)

são uns destemidos

24.07.12
      Portugal já encerrou, desde 2005, 3720 escolas porque temos uns decisores políticos "reformistas" e "destemidos". Agora temos Nuno Crato a negar tudo o que defendeu sobre o fecho de escolas. Mas este ministro existe?   É impressionante como o sistema escolar português público, que, a par do sistema de saúde, tem indicadores de excelência iguais ao que de melhor existe, é apenas defendido a sério pelos professores. Existe um ou outro deputado que o faz com (...)

cantina

28.02.11
      Ver um telejornal num canal generalista até é um bom treino para os tempos que teimam em continuar. Isabel Alçada declarou o encerramento de escolas que não tenham cantina, entre outras vallências. Adequado. O nome feminino significa o lugar onde se fornecem refeições aos trabalhadores da mesma empresa, estabelecimento, fábrica, quartel ou a instituição de (...)

terraplenagem

16.10.10
    Os mega-agrupamentos e o fecho de escolas também foram orçamentados. Sem qualquer evidência de poupança no primeiro problema e com sérias dúvidas na eficácia anti-despesista do segundo, a terraplenagem na história das escolas públicas movimenta-se de novo. É espantoso como o partido do governo se quer apresentar como o arauto (...)

despovoamento

18.08.10
        O tempo encarregar-se-á de explicar a justeza da decisão de encerramento a eito de escolas de primeiro ciclo. Nalguns casos, e com a substituição na mesma área geográfica por centros escolares mais bem equipados, parece-me incontestável. O que é desde logo motivo de apreensão é sabermos de crianças que passam a percorrer várias dezenas de quilómetros diários para chegarem (...)