Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

as outras frentes do mercado escolar

05.02.14
        A lógica de mercado instalou-se de vez no sistema escolar, a ideologia vigente privilegia a privatização e desconfia de tudo o que é público. Para além disso, os quadros comunitários de apoio proporcionam a comprovada chuva de milhões associada ao melhor posicionamento para o acesso.   A escolarização dos jovens sem o ensino secundário (a nova escolaridade obrigatória) não é bem vista pela direita que governa; é uma constatação implícita e explícita.  

do mau perder e das obsessões

01.07.13
        Decidi-me pela SIC para o telejornal da noite da demissão de Vitor Gaspar. Apanhei com o cronista Tavares do Expresso (quase que me arrependi) e com o inefável anti-PPPs-e-demais-biliões-de-corrupção, Gomes Ferreira. Já os conhecia, dos tempos lurditas d´oiro, com um básico registo anti-professores. Não me admirei que tivessem colocado as greves dos professores no epicentro da demissão do dia, embora divergissem na importância da acção executiva do (...)

50%, vejam lá

19.12.11
    A economia é das ciências menos exactas e, como a História não se repete de forma literal, todos devem estar disponíveis para aprender com os novos tempos e preparados para encontrar caminhos. Há dados portugueses preocupantes. Como diz hoje Vítor Bento, "(...)Desde 1995, porém, o Rendimento Disponível, em (...)

divertamo-nos, apesar de tudo

01.11.11
        O actual primeiro-ministro, antes de anunciar os cortes dos subsídios aos funcionários públicos, usou o seguinte paliativo: o sector privado vai ter mais meia-hora de trabalho diário. Foi um bocado cómico, convenhamos.   Passados uns dias, ontem para ser preciso, os patrões e os sindicatos consideraram a medida irrelevante e passaram as horas da reunião da concertação social à volta do assunto, apesar da agenda estar recheada e de esse ser apenas o primeiro (...)

dos outros

27.03.11
      Para contar os nossos ês já não chegam os dedos de uma mão. Ao eduquês vieram associar-se o economês, o justicês e por aí fora. É uma praga de linguagem bem pensante e sedutora que inferniza a sociedade.   O bullshit também se instalou nos nosso comentadores encartados como se viu nos últimos dias a propósito da avaliação de professores. Como nada sabem sobre o que acontece (...)

sofreguidão de poder

04.01.11
      Pode ler aqui o texto integral. Discordo, em grande parte, da prosa deste economista, mas tem uma frase sobre a gestão escolar que ilustra bem o estado a que chegou o poder nas escolas.   "(...) Burocratas da Direcção Regional de Educação, políticos da câmara municipal ou (...)

façamos o pino

08.10.10
    Que o mundo ocidental está de pernas para o ar era ponto assente. Que os economistas andam tontos era dado adquirido. Mas ler que afinal os salário em vez de cortes devem levar aumentos é que já começa a atingir a raia do desconhecido. É que há quem, e apenas no espaço de uma semana, sentencie com essas contradições. Será por causa da "inevitabilidade" dos cortes ter de tocar a todos?