Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

da realpolitik e das presidenciais - 2

28.01.16
        "(...)Interessante é ver o enorme contraste entre os resultados das esquerdas inovadoras e das esquerdas conservadoras. Enquanto aquelas - esquerda do PS e BE - averbaram ganhos significativos, estas - o PS neoliberal e o PCP ortodoxo - registaram perdas claríssimas. E estas, infelizmente, foram suficientes para anular, a favor da direita, os ganhos obtidos.(...)". O que leu é parte de um texto de José Sarmento Ferreira no facebook e é bem elucidativo da confusão à (...)

da realpolitik e das presidenciais - 1

27.01.16
      Independentemente do efeito eucalipto à direita provocado por Marcelo, era expectável uma segunda volta. Não aconteceu por 2,5%, se tanto. Por muitas análises que se façam, há uma responsabilidade objectiva do PS nesse facto. Maria de Belém, com todo o direito a candidatar-se, obviamente, surgiu aos olhos dos eleitores como a anti-costistas apoiada pelos "seguristas" (digamos assim, porque não sei se esses legados existem). Partiu com 16 ou 17% e finalizou com 4%. Para (...)

afinal, não é a Alemanha quem decide?

06.11.15
      Helmut Kohl chegou a chanceler na mesma situação de António Costa. A sua força partidária (CDU com CSU) foi segunda nas eleições, os vencedores (SPD mais FDP) governavam, Kohl quebrou o arco, escandalizou a Europa e formou Governo com o pequeno partido (FDP) da coligação vencedora. "Golpe de Estado" mais maquiavélico é difícil. Às tantas, a syrizada Merkel (que é do mesmo partido que Kohl, mas com escola na RDA) avisou Passos que era melhor amarrar o irrevogável na P (...)

não é bonito

03.11.15
        Não é bonito ver socialistas à "pedrada". Resumindo: Costa leva com Sócrates, Vara, Grupo Lena, Freeport, PPP´s e afins e Assis e Seguro com tecnoforma, submarinos, Relvas, Maria de Belém e BES, Duarte Lima e BPN e por aí fora. Há esperança? Alguma. Desde logo se o próximo Governo for apoiado, pela primeira vez, por forças políticas exteriores a este arco da governação (os próprios teimam em mudar a designação para arco da corrupção). Há um dado adquirido (...)

Syriza e Podemos "esvaziam" socialistas gregos e espanhóis

26.01.15
      O Syriza "esvaziou" o PASOK e o Podemos poderá fazer o mesmo ao PSOE. O que era impensável nem há cinco anos, tornou-se uma realidade: os socialistas do Sul da Europa arriscam-se, quando muito, ao lugar de parceiro mais pequeno nas coligações da esquerda que quer governar.   E em Portugal? Apesar da pulverização da esquerda equivalente ao Syriza, os últimos governos do PS cometeram os mesmos erros: ultraliberalismo e corrupção. Mas mais: olhando a partir da (...)

costa denunciou uma guerra aos professores

27.06.14
      "(...)O ciclo do meu mandato foi muito longo. E a própria ideia de avaliação teve um percurso. Acho que a questão mais crítica no caso dos professores são as suas consequências. Mas toda a mudança que se fez no Estatuto da Carreira Docente (ECD) não posso dizer que a tenha feito contra os professores ou sem os professores, ou até sem a auscultação de outras forças políticas. Foi um processo muito mais negociado do que no final parecia ter sido, envolvendo até o (...)

dos duelos e das lutas pelo poder

23.06.14
        Foi por acaso que li "A competição em Nietzsche", de F. Nietzsche, editado pela Vega, Lisboa, 2003, numa fase em que um dos maiores partidos políticos portugueses desenvolve um duelo. A luta pelo poder parece evidenciar detalhes já estudados, naturalmente.   Na página 57 do livro citado, encontramos uma defesa da competição: "(...) (...)