Em busca do pensamento livre.

Quarta-feira, 22.03.17

 

 

 

1118363

Cópia de 1118363

 

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 15:54 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 06.05.16

 

 

 

O que se diria se as escolas públicas usassem alunos em manifestações? Usar crianças em manifestações escolares é mais uma evidência da descida de nível através do mercado escolar.



publicado por paulo prudêncio às 19:31 | link do post | comentar | ver comentários (19) | partilhar

Segunda-feira, 18.04.16

 

 

 

Nem quero acreditar que a ideia do Despacho Normativo n.º 1-H/2016, quando refere “(...)a permanência destes alunos na turma em pelo menos 60% do tempo curricular(...)”, é "forçar" a inclusão. Ou seja: o legislador acha que os alunos, com educação especial, que frequentam as turmas regulares em menos de 60% do tempo o fazem porque a organização os exclui? Se assim acha, é um péssimo sinal.



publicado por paulo prudêncio às 18:42 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 02.05.15

 

 

 

 

Já li algumas coisas sobre a desnivelada opinião de Pulido Valente, ontem no Público, a propósito da candidatura de Sampaio da Nóvoa. Jorge Luis Borges incluiria o pedaço da ira na História Universal da Infâmia, mas seria apenas por inspiração: a redacção seria, naturalmente, de outra qualidade. Mas reparem na foto da edição impressa (está fiel ao original, talvez até melhor): os editores do jornal encontrariam coisa melhor em meia-dúzia de segundos, mas a escolha de Pulido Valente mistura a inveja e a mesquinhez, mascaradas como desprezo, tão próprias das figuras menores. Não é de todo surpreendente, já que o cronista opinador tem oscilações enigmáticas. Há uma direita irada com Sampaio da Nóvoa e isso é um bom sinal para a candidatura por muito que lhe custe ler coisas destas. A cólera tem "Degradação" como título e começa assim: "Não percebe António Nóvoa que a sua própria candidatura é o mais grave e humilhante sinal da “degradação da nossa vida pública”?(...)"

 

IMG_1871.JPG

 

 



publicado por paulo prudêncio às 11:35 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Quinta-feira, 19.03.15

 

 

 

"O professor faz uma visita de estudo, ou uma saída do desporto escolar, com os seus alunos e tem de apresentar um papel com o carimbo do destinatário para comprovar a realização da acção". O que escrevi acontece em escolas públicas portuguesas e sou franco que nem queria acreditar. Este clima de desconfiança é fatal e devia ser proibido por lei.



publicado por paulo prudêncio às 22:32 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Domingo, 02.03.14

 

 

 

 

 

O ministro Rui Machete desconhece o estatuto da Guiné Equatorial no âmbito da corrupção e dos regimes ditatoriais? Que proteja os negócios do costume, mas que não argumente com a confiança na palavra desses governantes. Por falar em confiança na palavra, era interessante um referendo à confiança dos portugueses na palavra deste ministro.

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 17:25 | link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar

Segunda-feira, 24.02.14

 

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 10:00 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sábado, 15.02.14

 

 

 

Dá ideia que o ex-ministro das finanças e da meteorologia nunca tinha lidado com os interesses dos aparelhos partidários.

 

Depois, confessa: os tecnopolíticos não incluem as pessoas nas folhas excel.

 

 

 

Página 14 da revista do Expresso de 15 de Fevereiro de 2014

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 12:30 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Sexta-feira, 15.11.13

 

 

 

 

Pesei bem o título e podia usar os substantivos do costume como humilhação e vergonha.

 

Como se tinha previsto, a já longa alienação vigente vexa diariamente os professores. Desta vez é a prova de avaliação para os professores contratados.

 

São os telejornais que abrem com o assunto ou os jornais diários que incluem o tema em primeira página e ainda estamos nos primeiros episódios do desmiolo. Um enjoo difícil de suportar.

 

Por outro lado, nas redes sociais tropeça-se com os justos apelos à não comparência ou com graves, e também justos, apontares de dedo a quem aceite corrigir as ditas. Um desvario e um movimento uniformemente descendente para a profissionalidade dos professores. Dá ideia que a tutela, e quem os "spina", lá consegue instituir a miséria e virar professores contra professores. O medo, e o medo de ter medo, corporiza a planeada dilaceração da atmosfera relacional e profissional.

 

Este tipo de vexame é cíclico. Foi assim com os professores titulares, com a entrega de objectivos individuais no modelo de avaliação mais insano que se conheceu, com a aceitação de cargos de avaliadores, com as primeiras participações no modelo de gestão e por aí fora. São anos a fio de uma negatividade que parece não ter fim.

 



publicado por paulo prudêncio às 15:59 | link do post | comentar | ver comentários (8) | partilhar

Quinta-feira, 31.10.13

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A lição de Filosofia de Manuel Maria Carrilho



 

Várias gerações, sobretudo depois de o positivismo do séc. XIX se ter afirmado no campo do pensamento, entenderam que a educação, a ciência, a cultura e o conhecimento em geral tornariam as pessoas e as sociedades melhores. A cada conquista educacional, mais uma luz brilharia sobre as trevas. O mal não era algo em si mesmo, como de certa forma defendera Santo Agostinho, mas a consequência da rarefação do bem.

Mais tarde, sobretudo com a II Guerra Mundial, os trabalhos de Hannah Arendt e romances como o de Primo Levi ('Se Isto é um homem') colocaram o mal noutro domínio. Haveria nele uma banalidade, uma possibilidade aberta a qualquer homem. Recentemente, as teorias sobre a convicção, em que trabalhou afincadamente talvez o melhor filósofo português dos últimos 50 anos e precocemente falecido Fernando Gil (irmão do também filósofo José Gil), voltaram a recentrar a questão: por que motivo duas pessoas com a mesma formação e a mesma vivência geram convicções e comportamentos diferentes? Fernando Gil, com quem tive o privilégio de privar, por via do também já falecido comum amigo José Gabriel Viegas (que foi crítico literário no Expresso), fazia-nos e fazia-se várias vezes esta pergunta. O seu livro a 'A Convicção' (de 2000, infelizmente mais conhecido em França) ensaia também respostas a esta pergunta.

Ora Manuel Maria Carrilho é filósofo, tendo sido aliás colega de Fernando Gil como professor na Universidade Nova e ultimamente adversários no campo das ideias. Carrilho também é doutorado em Filosofia, e como Gil também está traduzido em francês. Vem de famílias com conhecimentos e rendimentos elevados (o seu pai foi Governador Civil de Viseu e Presidente da Câmara da cidade). É um favorecido. Conhece o bem e o mal, há muito que deveria estar num estado civilizacional avançado. E, no entanto, as coisas que vai dizendo da sua ex-mulher Bárbara Guimarães (independentemente das razões que possam assistir a qualquer dos lados) são próprias de um primitivo ignaro. São lamentáveis.

Qualquer casal desavindo tem os seus exageros, mas ninguém tem o direito de arrastar publicamente o nome do outro (dos pais do outro - avós de seus próprios filhos) pela lama. Ninguém tem o direito de dizer o que ele disse sobre a vida íntima da ex-mulher. E ele, filósofo, ex-deputado, ex-ministro da Cultura, ex-embaixador, sabe bem a distinção entre o bem e o mal. Opta pelo mal, provando que este também é banal, demonstrando que existe a possibilidade de ele se inscrever em pessoas por mais demãos de camadas de verniz tenham em cima. A lição de Filosofia de Carrilho é que os nossos antepassados podem estar errados. Podem não bastar a civilização e o conhecimento para um homem (ou uma sociedade) praticar o bem.

Cada ser tem as suas possibilidades abertas e o livre arbítrio de escolher um caminho. O caminho de Carrilho, mais do que condenável é lastimoso. Apenas merece aquela compaixão devida aos que já estão condenados por crimes graves.






publicado por paulo prudêncio às 12:32 | link do post | comentar | ver comentários (10) | partilhar

Sexta-feira, 04.10.13

 

 

 

 

 

 

 

Os cortes a eito e o armazenamento de alunos nas salas de aula empurram os alunos da educação especial para fora do sistema. Só por desconhecimento se pode responsabilizar as escolas. Por isso, o MEC e o Governo estão sem argumentos para se defenderem das graves acusações. Não é difícil perceber que sem condições humanas de apoio, os alunos da educação especial sentem uma insuportável exclusão.

 

É evidente que conhecemos a indignidade antiga que impede uma distribuição equilibrada dos alunos de educação especial por um conjunto de escolas da mesma rede escolar concelhia ou intermunicipal. É provável que essa chico-espertice prevaleça em alguns lugares. Mas o que é denunciado por esta associação era de todo impensável.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 19:12 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

 

Todos os dias, ou quase, este indivíduo está envolvido numa qualquer actividade de sei lá o quê. É impressionante. Mas o mais impressionante é que continua a exercer um cargo governativo beneficiando do silêncio do denominado arco governativo. Andamos a brincar à democracia e estamos há muito avisados que com coisas sérias não se deve brincar assim tanto.









publicado por paulo prudêncio às 15:02 | link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar

Quinta-feira, 03.10.13

 

 

 

Recebi por email, devidamente identificado, com pedido de divulgação.

 

 

"Ministério da Educação nega mobilidade por doença a doentes oncológicos

E nem sequer justifica ...

"Indeferimento que, em clara violação dos artigos 124º e 125º do CPA, não se encontra minimamente fundamentado e foi proferido sem se dar aos candidatos a possibilidade de se pronunciaram previamente à decisão." (Recurso de uma professora)

Em suma, são vários os casos de indeferimento e até agora, mais de 20 dias passados após recurso de alguns docentes, nenhuma resposta.
Que não se repita o que já aconteceu..."







publicado por paulo prudêncio às 10:00 | link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar

Sexta-feira, 06.09.13

 

 

 

No rescaldo de mais uma das cíclicas catástrofes, lá aparecem os repetidos discursos de que nada foi feito após a anterior e que nos leva a concluir: será assim depois da próxima.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 23:03 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 31.07.13

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 09:19 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 06.05.13

 

 

 

 

 

 

 

Começam amanhã os exames do 4º ano e os alunos terão de assinar uma declaração garantido que não têm consigo telemóveis ou outro equipamento de comunicação. O MEC parece que desvaloriza. A notícia já tem três dias e nem me apetecia fazer um post para um assunto tão desmiolado. Mesmo que se volte atrás e qualquer que seja o argumentário, é mais um sinal de uma sociedade que está gravemente doente.

 

O mau centralismo que se evidencia nas sucessivas paranóias à volta dos exames não foi implodido e continua pujante e triunfante.



publicado por paulo prudêncio às 13:18 | link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar

Segunda-feira, 18.03.13

 

 

 

 

 

 



Rescisões amigáveis: são 213 mil os funcionários públicos menos qualificados

 

"Passos Coelho confirmou que o programa de rescisões vai começar pelos assistentes técnicos e operacionais, mas não avançou com números. No final de 2012, havia mais de 213 mil funcionários nestas funções.(...)"

 

 

Conheço bem o sistema escolar e está mais do que comprovada a gritante incompetência administrativa do MEC no tratamento da informação. É natural que se chegue a esta altura com um sistema administrativo em aguda entropia e que quem continue a sofrer com isso sejam os profissionais das escolas.

 

Aliás, tem sido sempre assim como se certifica neste post que escrevi em 11 de Fevereiro de 2011 e que intitulei como "Sem Voz".

 

 

"Alunos, professores e encarregados de Educação são actores com voz. Todavia, as escolas também se erguem por força da acção de uma pequena legião sem palavra: os assistentes administrativos e os assistentes operacionais (outrora designados por auxiliares de acção educativa; há até quem diga, que a mudança de nome lhes deu um super-poder tal que desempenham o papel de três dos que tinham a anterior designação).

 

Nem adianta chamarem-me populista por causa deste post. As inúmeras pessoas com essas funções que comigo privaram ao longo de anos podem vir aqui acusar-me; os outros não.

 

Estes actores do universo escolar não têm voz. Os sindicatos, mesmo os que têm mais sócios, defenderam uma proposta insana para os professores: um prémio pecuniário anual aos professores que se destacassem em cada escola ou agrupamento. O que me traz aqui é um acto da mesma família.

 

Belisque-se. Fique a saber que há escolas e agrupamentos no sistema público escolar de Portugal, que atribuíram, em pleno 2010, um 15º mês de salário aos dois assistentes operacionais que mais se destacaram. É só imaginar o efeito devastador que este cinismo manipulador tem no curto e no médio prazos na atmosfera relacional. Este tipo de políticas colocaram as democracias nos limites da sobrevivência. Estamos a insistir na construção de um sistema que urge derrubar e que empurra as pessoas para coisas destas."



publicado por paulo prudêncio às 16:18 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 13.03.13

 

 

 

 

Mas esta malta, do para além da troika, aplica uns modelos salpicados de radicalismo ideológico, que arrasaram com as classes média e baixa, e não lhes acontece nada? Não se demitem? Gaspar diz que só vai ao parlamento a 5 de Abril dar satisfações da 7ª avaliação e o Catroga vem agora dizer que o Governo precisa de dois anos para atingir os 3% de défice.

 

É evidente, e comparando com os últimos dois anos, que isto são notícias melhores para quem está a sofrer (sim, há milhares de pessoas a sofrerem com as políticas para além da troika). Mas estas coisas não devem ser brincadeiras de adolescentes que ainda por cima estavam cheios de certezas e que respondiam muuuuuito devagar, e de forma jocosa, a quem duvidava. O mínimo era a demissão. As pessoas dadas à soberba são sempre vocacionadas para o disparate.



publicado por paulo prudêncio às 16:38 | link do post | comentar | ver comentários (8) | partilhar

Quarta-feira, 06.03.13

 

 

 

Passos Coelho, "firme e resiliente", segue algumas sugestões: a de João Salgueiro que alvitrou a limpeza das matas para motivar os desempregados, a de alguém que acha que os portugueses até "aguentam" muito mais e ainda a de outra pessoa que defende que comer bifes todos os dias é despesismo. Depois admirem-se.



publicado por paulo prudêncio às 17:53 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 05.03.13

 

 

Recebi por email a referência a um vídeo que pretende promover o turismo em Portugal. Um vídeo oficial, digamos assim. Nem queria acreditar no modo como nos olhamos oficialmente e na imagem que queremos passar para quem nos visita. Lembrei-me do "canalizador polaco". São muitos os que dizem que a nossa bancarrota é, em primeiro lugar, moral e devem ter razão.

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 18:58 | link do post | comentar | ver comentários (7) | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Um tempo cheio de contradições.
Sinal dos tempos...
A sério?! Obrigado.
É um óptimo sinal.
tanto pode ser América como Portugal...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

bartoon

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
17 comentários
11 comentários
10 comentários
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676