Em busca do pensamento livre.

Quinta-feira, 19.07.18

 

 

 

É justa a iniciativa de cidadania activa que visa a recuperação do tempo de serviço. Sublinhe-se que o direito abandou a visão positivista do primado absoluto da lei para integrar uma concepção mais moderna: "um ir e vir constante entre a norma e o caso". As fontes dos juízes continuam a ser as normas, mas também a jurisprudência e a jurisprudência dogmática (ou doutrina). A quebra de contratos administrativos (por exemplo, a "eliminação" de tempo de serviço) por parte do Estado em "domínios considerados com omissão de procedimentos" (DOCP) enquadra-se nessa discussão. Há um sobreaquecimento de posições derivado a dois fenómenos: tratamento diferente do Estado nos contratos DOCP com os fortes (olhe-se para o recente Pavalorem/BPN/carros topo de gama) e alegada corrupção e degradação ética de actores fundamentais da democracia. Apesar de tudo, os promotores destas iniciativas de cidadãos mantêm a argumentação no essencial se não a deslocarem para a contenda partidária que tantas vezes prejudica a força da razão. É disto, na minha modesta opinião, que o país precisa a começar pelos actores partidários.

 

Já usei alguns argumentos noutros posts.



publicado por paulo prudêncio às 19:55 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 18.07.18

 

 

 

Foi em Fevereiro de 2014 que se mediatizou a Parvalorem.SA, criada para "nacionalizar" o BPN, por causa da intenção de venda dos Miró. Como o nome sugeriu, foi uma espécie de "façamos os populares de parvos". Quatro anos depois, nada mudou: "Estado atribui carros topo de gama a 23 ex-gestores do BPN. A empresa pública Parvalorem atribuiu a um grupo de altos quadros da empresa, ex-responsáveis do antigo BPN, 23 “viaturas familiares” topo de gama, a quem paga ainda o combustível até 300 euros por mês, bem como seguros e parques de estacionamento."

 

16571445_Rq4ho

Antero



publicado por paulo prudêncio às 15:58 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 14.07.18

 

 

 

 

1275787

Cópia de 1275787

 

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 16:02 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 12.07.18

 

 

 

 

Capturar

 

Antero



publicado por paulo prudêncio às 09:43 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 23.06.18

 

 

 

 

 

Captura de Tela 2018-06-23 às 11.21.53

Cópia de Captura de Tela 2018-06-23 às 11.21.53

  

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 11:23 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 06.06.18

 

 

 

Só numa sociedade doente, e que se ausenta da educação, é que as provas de aferição (como acontecia com as provas finais) das crianças abrem telejornais e fazem primeiras páginas. E não é apenas a mediatização dos resultados que nos caracteriza como uma sociedade desinformada. O que mais entristece é a "impossibilidade" de estabilizar calendários, universos a testar e finalidade das provas. Se o fizéssemos, cresceríamos como sociedade e não fazíamos tão má figura.

 

18436488_b4n2E

 



publicado por paulo prudêncio às 15:24 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 04.06.18

 

 

 

 

1263742

 

Cópia de 1263742

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 09:27 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Domingo, 27.05.18

 

 

 

 

1261922

Cópia de 1261922

 

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 14:47 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sábado, 12.05.18

 

 

 

 

1256226

Cópia de 1256226

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 19:27 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sábado, 05.05.18

 

 

 

 

1246148

Cópia de 1246148

  

Luís Afonso

 

PS: Os professores da escola pública (PEC) têm memória e registam a hipocrisia que se passeia neste momento de implosão. Recordam-se do período 2005-2008. O desporto nacional preferido era malhar nos PEC. Aliás, o primeiro-ministro da altura sentia que era o "chefe que a direita gostaria de ter". Era apoiado pela direita, pela generalidade da opinião publicada e por alguns "privados" escolares e afins. Os socialistas terceira via ou neoliberais organizavam a festa. Só depois da crise financeira é que o apoio mudou porque os cortes começaram a ser transversais. É que para além das questões da justiça, existiu a política e a aplaudida obstinação para cortar a eito nos interesses instalados e apontar os gestores do BES, PT e por aí fora, como os exemplos de empreendedorismo e prestação de contas.



publicado por paulo prudêncio às 13:50 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 30.04.18

 

 

 

1226238

Cópia de 1226238

  

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 10:32 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Domingo, 29.04.18

 

 

 

É justa a iniciativa de cidadania activa que visa a recuperação do tempo de serviço, como é justa a luta em relação às regras dos concursos de Agosto de 2017 que originaram a contenda constitucional entre o Governo e o Parlamento. Sublinhe-se que o direito abandou a visão positivista do primado absoluto da lei para integrar uma concepção mais moderna: "um ir e vir constante entre a norma e o caso". As fontes dos juízes continuam a ser as normas, mas também a jurisprudência e a jurisprudência dogmática (ou doutrina). A quebra de contratos administrativos (por exemplo, a "eliminação" de tempo de serviço) por parte do Estado em "domínios considerados com omissão de procedimentos" (DOCP) enquadra-se nessa discussão. Há, obviamente, um sobreaquecimento de posições derivado a dois fenómenos: tratamento diferente do Estado nos contratos DOCP com os fortes e alegada corrupção e degradação ética de actores fundamentais da democracia. Apesar de tudo, os promotores destas importantes iniciativas (contagem de tempo de serviço e concursos justos) mantêm a argumentação no essencial e ganham força porque não a deslocam para as preferências partidárias que tantas vezes prejudicaram a força da razão. É disto, na minha modesta opinião, que o país precisa.

26483996069_d6c26afa80



publicado por paulo prudêncio às 10:04 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 12.04.18

 

 

 

 

1216278

Cópia de 1216278

  

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 12:03 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 24.03.18

 

 

 

 

Captura de Tela 2018-03-23 às 21.52.59

Cópia de Captura de Tela 2018-03-23 às 21.52.59

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 09:54 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 18.03.18

 

 

 

1210239

Cópia de 1210239

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 14:50 | link do post | comentar | partilhar

Sábado, 03.03.18

 

 

 

 

1205943

Cópia de 1205943

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 14:56 | link do post | comentar | partilhar

Domingo, 25.02.18

 

 

 

Rio inscreveu a educação no pacto e antecipou o texto: "o Governo reverteu tudo de Crato". Não é verdade. O Governo reverteu uma parte dos "privados" escolares, o concurso "BCE" dos professores e atenuou a obsessão métrica nos alunos mais pequenos. Portanto, uma pequeníssima parte. Falta reverter quase tudo, desde logo o retrocesso civilizacional do afunilamento curricular (ainda mais severo nos petizes). Ou seja, o PSD não pactua apenas o regresso da roda livre dos "privados" escolares, da "BCE" dos professores e da industria da medição quase à nascença. Rio quer mais. Pactuará as malfeitorias de Lurdes Rodrigues e o início da queda que a antecedeu, com David Justino a tecer o fio pactuante. Aliás, e olhando para o que existe, nem é preciso pactuar. Adopte-se a sábia prospecção do cartoonista nas últimas legislativas: óculos 3D para os eleitores verem eclipses antes de votar.

 

19176365_uYqiV

 Luís Afonso

 



publicado por paulo prudêncio às 15:15 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sábado, 24.02.18

 

 

 

"A formação da personalidade apoia-se na sua negação", é uma verdade educativa intemporal. Por mais que os destinatários reajam (e é bom que o façam), o "não" é desejado, necessário e útil.

Outra verdade prende-se com a necessidade do "não" escolar aos encarregados de educação (não educacional, organizacional e curricular, obviamente) e que a lógica do "cliente tem sempre razão" tem eliminado. É evidente que haverá encarregados de educação mais "tudólogos" ou necessitados da sensatez do não escolar, que confundem o "outro" com o "igual" na educação das crianças e jovens e que desvalorizam a importância destas questões para a saúde da democracia como sublinharam Hannah Arendt e muitos outros. A gravidade acentua-se se a desinformação atingir autoridades escolares.

 

3ª edição.

 

33111261482_9758d719a5

 

 



publicado por paulo prudêncio às 10:21 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 16.02.18

 

 

 

 

17186327_5CtI9

Antero



publicado por paulo prudêncio às 13:44 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 14.02.18

 

 

 

1201024

Cópia de 1201024

 

Luís Afonso



publicado por paulo prudêncio às 12:06 | link do post | comentar | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
errata ao meu comentário: "para quem se interessa"
Muito obrigado Mário Silva. É um bom comentário pa...
Não me parece que alguém saiba o que vai acontecer...
não são só os professores precários...Enquanto o M...
infelizmente, temo que essa instabilidade não surg...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676