Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

das agências de raiting (as AR)

21.12.17
        Quando as AR baixaram as classificações de Portugal, muitos consideraram-nas, e bem, instrumentos da ideologia política responsável pelo aumento das desigualdades. Ou seja, enquanto uns viam as AR ao serviço dos 1%, das multinacionais e dos offshores, outros defendiam a sua existência. Nesta fase, os primeiros elogiam as contas do país e os segundos perderam voz.  Na selva financeira vigente, Portugal recuperará alguma soberania se reduzir a dívida e (...)

obviamente que é a política

12.10.15
          Uma democracia exige respeito pela legalidade, neste caso pela letra e pelo espírito da constituição, que inclui os resultados eleitorais. A PàF teve mais votos (duvida-se que o PSD o conseguisse sem coligação, mas isso agora é secundário) ficou longe da maioria de deputados e o PR reuniu de imediato com Passos Coelho. Antes do acto eleitoral, o PR anunciou que "exigia" uma maioria estável de governo, os líderes dos partidos tradicionalmente com mais votos (...)

das crenças e de outras coisas mais

26.07.14
          Impressionaram-me os masoquistas da classe média que defenderam os corruptos (estou a pesar bem a escrita), e os seus serviçais, convencidos que eram liberais de direita ou de uma qualquer terceira via. E nesse grupo incluíram-se muitos professores. É claro que a coberto da ingenuidade navegou muito oportunismo.   Já ninguém duvida que "o verdadeiro objectivo dos "planos de resgate" foi salvar bancos" (...)

da euforia com a saída da troika à vitimização com o tribunal constitucional

02.06.14
      Ainda há semanas a maioria que apoia o Governo, e considere-se aí a Comissão Europeia e os restantes componentes da troika com as agências de raiting e afins à mistura, tecia laudos à tal saída limpa numa mistificação que se resumia a campanha eleitoral. Ficámos a saber que Portugal já ia com uma almofada financeira de milhares de milhões (15 mil?) até finais de 2015.   Os chumbos do TC vieram colocar em causa (...)

mas é novidade?

02.12.13
      O que vai ler a seguir exige que se pergunte: e as pessoas? E a tal de prestação de contas?   A "Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA) detectou falhas graves nas três maiores agências de rating — Standard & Poor's, Moody’s e Fitch —, que avaliam o risco da dívida soberana dos países da União Europeia,(...)" e que influenciaram as trágicas políticas de austeridade em curso. Se associarmos a isto a célebre falha no modelo excel (...)