Em busca do pensamento livre.

Sexta-feira, 29.01.16

 

 

 

Na génese da accountability está uma "nova" gestão dos serviços públicos que tem como alicerce o controlo dos sujeitos, que nada tem de novidade e que muito nos diz sobre a actualidade.

 

"O que havia de tão novo nestes projectos de docilidade que interessava tanto o século XVIII? Havia a escala do controlo: era uma questão não de tratar o corpo, num grupo, "por atacado", como se se tratasse de uma unidade indissociável, mas de trabalhá-lo "a retalho", individualmente, de sobre ele exercer uma coerção subtil, de obter domínio sobre ele ao nível do próprio mecanismo - movimentos, gestos, atitudes, rapidez: um poder infinitesimal sobre o corpo activo. Depois havia o objecto do controlo: não eram ou não mais eram os elementos significadores do comportamento ou a linguagem do corpo, mas a economia, a eficiência de movimentos, a sua organização interna; a única cerimónia verdadeiramente importante é a do exercício. Por último, há a modalidade: implica uma coerção ininterrupta e constante, a supervisão do processo da actividade e não tanto o seu resultado, e é exercida de acordo com uma codificação que reparta, tão proximamente quanto possível, tempo, espaço, movimento. Estes métodos, que tornaram possível o controlo meticuloso do corpo, que asseguraram a sujeição constante das suas forças e lhes impuseram uma relação de docilidade-utilidade, poderão ser chamados de "disciplinas".(...)"


Jardine (2007:57),
Foucault e Educação.

 

image.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 11:35 | link do post | comentar | partilhar

Quinta-feira, 28.01.16

 

 

 

 

"(...)Interessante é ver o enorme contraste entre os resultados das esquerdas inovadoras e das esquerdas conservadoras. Enquanto aquelas - esquerda do PS e BE - averbaram ganhos significativos, estas - o PS neoliberal e o PCP ortodoxo - registaram perdas claríssimas. E estas, infelizmente, foram suficientes para anular, a favor da direita, os ganhos obtidos.(...)". O que leu é parte de um texto de José Sarmento Ferreira no facebook e é bem elucidativo da confusão à esquerda se olharmos a partir das políticas educativas da última década. Resumamos para este formato: as confessadas políticas educativas neoliberais (as tais Novas Políticas de Gestão Pública que tinham como bandeira a accountability) foram aplicadas pelo "grupo" de Lurdes Rodrigues (penso que coordenado por Vieira da Silva), que está em pleno com o actual Governo, mas que já foram condenadas por Costa. Se havia quem "ouvisse", embora sem acção visível, os professores durante a tragédia socrática, era a ala "segurista" que está à direita dos "socratistas" (que são agora "costistas") e que negou Nóvoa votando em Marcelo. Basta googlar por Nóvoa e por dois conceitos que este reforçou recentemente, "O regresso dos professores" e "Escola transbordante", para se concluir que quase todos poderiam votar em Sampaio da Nóvoa com excepção dos neoliberais ainda não arrependidos (os convictos devem ficar descontinuados da esquerda europeia). Se estudarmos outras áreas encontramos desorientações semelhantes. Já agora, e pensando no BE inovador e nas presidenciais, não percebo o que festejam tão efusivamente.

 

cartoon_ID1001.jpg

 



publicado por paulo prudêncio às 17:15 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 18.11.15

 

 

 

 

Na génese da propalada accountability está uma "nova" gestão dos serviços públicos que tem como alicerce o controlo dos sujeitos, que nada tem de novidade e que tudo nos diz sobre os caminhos silenciosos do totalitarismo.


"O que havia de tão novo nestes projectos de docilidade que interessava tanto o século XVIII? Havia a escala do controlo: era uma questão não de tratar o corpo, num grupo, "por atacado", como se se tratasse de uma unidade indissociável, mas de trabalhá-lo "a retalho", individualmente, de sobre ele exercer uma coerção subtil, de obter domínio sobre ele ao nível do próprio mecanismo - movimentos, gestos, atitudes, rapidez: um poder infinitesimal sobre o corpo activo. Depois havia o objecto do controlo: não eram ou não mais eram os elementos significadores do comportamento ou a linguagem do corpo, mas a economia, a eficiência de movimentos, a sua organização interna; a única cerimónia verdadeiramente importante é a do exercício. Por último, há a modalidade: implica uma coerção ininterrupta e constante, a supervisão do processo da actividade e não tanto o seu resultado, e é exercida de acordo com uma codificação que reparta, tão proximamente quanto possível, tempo, espaço, movimento. Estes métodos, que tornaram possível o controlo meticuloso do corpo, que asseguraram a sujeição constante das suas forças e lhes impuseram uma relação de docilidade-utilidade, poderão ser chamados de "disciplinas".(...)"

 

 

Jardine (2007:57),

Foucault e Educação.

 



publicado por paulo prudêncio às 09:32 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 30.09.15

 

 

 

Não é rigoroso, e é até pior do que isso, generalizar a ideia: não querem é ser avaliados.

 

Como a "prestação de contas" foi a expressão-chave mais repetida no que levamos de milénio pelos que a exigiam aos outros, o esmagamento das classes média e baixa usou essa formatação burocrática em clima de totalidade enquanto a classe de casino se movimentava na libertada engenharia financeira. Foram poucos os que resistiram (não queriam ser avaliados, claro), e não era mesmo nada fácil, e sofreram com isso. 

 

As administrações públicas foram alvos semelhantes às empresas, com uma analogia mais evidente com as de grande escala. A avaliação de desempenho burocrática, com fuga aos "olhos nos olhos", foi o método de controle escolhido que se transformou em "tormento". Está comprovado que os processos administrativos de avaliação não introduziram aumentos na produtividade. A robotização, que consegue, grosso modo, que uma pessoa produza o mesmo que três é uma discussão cada vez mais presente e aumentam as vozes que "exigem" aos robots descontos para a segurança social. Mas isso já é tergiversar e nada tem a ver com a avaliação burocrática.

 

Por outro lado, a redução de salários foi um objectivo plenamente conseguido; mas não foi o único aspecto negativo.

 

A democracia foi desaparecendo das organizações. A possibilidade da pergunta de proximidade foi substituída pela burocracia numa engrenagem diabólica que favoreceu o controle como método relacionado com o temor. A atmosfera relacional intoxicou-se e a produção reduziu-se desde logo pelo tempo gasto em registos repetidos e inúteis pomposamente designados pelo vocabulário da má burocracia. As organizações abandonaram os ideais de inovação e simplificação e deram lugar ao controle mútuo das pessoas. A cooperação foi substituída pela obsessão individualista associada aos fenómenos mais conhecidos do mundo do trabalho actual: desesperança, saturação, fuga, burnout out e medicação excessiva e sem controle.

 

accountability.jpeg

 



publicado por paulo prudêncio às 14:31 | link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar

Terça-feira, 17.03.15

 

 

 

Pode consultar aqui o projecto de intervenção que acompanhou a minha mais recente candidatura no âmbito da gestão escolar.



publicado por paulo prudêncio às 12:55 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Quarta-feira, 25.02.15

 

 

 

 

A guerra aos professores, confessada por António Costa do PS, foi declarada em 2006 e prossegue. Tem tido picos. Nuno Crato perpetrou o mais elevado e sairá ao nível de Lurdes Rodrigues.

 

Do primeiro dia de aulas de 2006/07 até ontem, leccionei 2976 aulas a 1176 alunos (não contabilizei as inúmeras substituições).

 

Como sou sempre o primeiro a chegar à aula (e com os alunos da puberdade a preparação do espaço nos intervalos, se existirem, ajuda muito) e o último a sair (na minha disciplina a eficiência tem, desde sempre e também nestes mais de 30 anos de professor, uma relação directa com a eficácia e não é uma qualquer epifania tardia), organizei 94310 minutos e meio da actividades lectivas como tempo potencial de aprendizagem. Durante esse tempo, seleccionei exercícios critério das seguintes unidades didácticas: atletismo (872), basquetebol (1213), dança moderna (24), exploração da natureza (22), futebol (979), ginástica (2051), jogos pré-desportivos com inclusão do andebol e do badminton (570), natação (55) e voleibol (950).

 

Estou a obter informação num software que criei para a gestão das aulas e para a avaliação dos alunos.

 

Os relatórios ficam à distância de um clique e da necessidade de informação para apoio à tomada de decisões. Podia divulgar as notas que dei, o tempo dos exercícios critério de cada unidade didáctica, o número de raparigas e rapazes, os anos de nascimento e por aí fora. Não estou a usar folhas excel nem calculadoras. É quase uma década com lançamento de dados em todas as aulas.

 

E é interessante olhar para o que é que os atacantes dos professores fizeram nos domínios da organização e da gestão escolar nesse período. Era importante que esses beligerantes prestassem contas no domínio da eliminação da hiperburocratização, analógica e digital, com que inundaram as escolas e que não tergiversassem com simulações de autonomia no regime mais do mesmo desta vez disfarçada de municipalização rumo à sacrossanta privatização. Aliás, há três certezas sobre o desempenho do mainstream: parou no século passado, é avesso a procedimentos que dão mesmo trabalho e que produzem conhecimento e lançou o país no estado em que estamos.

 

Captura de Tela 2015-02-24 às 20.40.09.png

Parte do layout do sumário dos projectos de aula - base de dados construída em filemaker. 



publicado por paulo prudêncio às 09:01 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quinta-feira, 05.02.15

 

 

 

Philippe Legrain deu há menos de um ano uma entrevista arrasadora ao Público. O antigo conselheiro económico de Durão Barroso foi coerente e tecnicamente fundamentado ao desmontar a destruição produzida pela troika e acentuada pelo Governo português. Desconstruiu a teoria, que o Governo português fomentou e implementou, que nos dilacerou e que nos colocou como "criminosos" que mereciam um castigo.

 

Os portugueses foram uma fonte de receita para um sector financeiro corrupto, como estamos fartos de saber. É impensável que desta vez não haja uma qualquer accountability para os políticos que passaram o tempo a acusar os outros de falta de responsabilidade profissional, de preguiça e de gastarem em excesso. É bom que haja alguma memória.

 

entre1.png

entre2.png

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 10:25 | link do post | comentar | partilhar

Quarta-feira, 17.12.14

 

 

 

Na génese da propalada accountability está uma "nova" gestão dos serviços públicos que tem como alicerce o controlo dos sujeitos, que nada tem de novidade e que tudo nos diz sobre os caminhos silenciosos do totalitarismo.

 

"O que havia de tão novo nestes projectos de docilidade que interessava tanto o século XVIII? Havia a escala do controlo: era uma questão não de tratar o corpo, num grupo, "por atacado", como se se tratasse de uma unidade indissociável, mas de trabalhá-lo "a retalho", individualmente, de sobre ele exercer uma coerção subtil, de obter domínio sobre ele ao nível do próprio mecanismo - movimentos, gestos, atitudes, rapidez: um poder infinitesimal sobre o corpo activo. Depois havia o objecto do controlo: não eram ou não mais eram os elementos significadores do comportamento ou a linguagem do corpo, mas a economia, a eficiência de movimentos, a sua organização interna; a única cerimónia verdadeiramente importante é a do exercício. Por último, há a modalidade: implica uma coerção ininterrupta e constante, a supervisão do processo da actividade e não tanto o seu resultado, e é exercida de acordo com uma codificação que reparta, tão proximamente quanto possível, tempo, espaço, movimento. Estes métodos, que tornaram possível o controlo meticuloso do corpo, que asseguraram a sujeição constante das suas forças e lhes impuseram uma relação de docilidade-utilidade, poderão ser chamados de "disciplinas".(...)"

 


Jardine (2007:57), Foucault e Educação.

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 20:40 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 10.11.14

 

 

 

Não tenho qualquer preconceito contra o liberalismo e daria a "mão à palmatória" se encontrasse motivos; até aos neoliberais. Desde há muito que percebi que os liberais excessivos não se devem confundir com Adam Smith. São egoístas, conservadores no pior dos sentidos, oligarcas na primeira oportunidade, algo oportunistas e contrários a qualquer elevador social; dissimulam muito, mas não conseguem esconder o preconceito.

 

Veja-se o vale tudo da maioria que governa no caso PT. Os excessos do neoliberalismo eliminaram a Golden Share (é do tempo em que eram, com orgulho e fanatismo, além da troika) e permitiram o caso Rio Forte. Em desespero de causa, viram-se para o capital outrora corrupto de Isabel dos Santos.

 

E repare-se na propalada prestação de contas. Crato não se demite, a malta do Citius também não e o economista que, ao que consta, não pode falar em público depois do almoço continua "ministro das cervejas". Os ultraliberais são ultra irresponsáveis, adeptos das lapas-no-poder e pouco escrupulosos com um valor que não lhes é precioso: a democracia.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 12:28 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Domingo, 07.09.14

 

 

 

Em 2005, os cerca de 195.000 professores (cerca de 160.000 nas escolas públicas e de 35.000 nas cooperativas e nos privados) dos ensinos básico e secundário eram considerados os primeiros "responsáveis" pela dívida pública que estava em 90,7 mil milhões de euros (cerca de 60% do PIB).

 

Nem dez anos depois, esses professores são cerca de 130.000 (cerca de 100.000 nas escolas públicas e de 30.000 nas cooperativas financiadas pelo Estado e nos privados pagos pelos "clientes").

 

Sabe-se que a dívida pública voltou a subir e que andará perto dos 135% do PIB. Mais do dobro (em milhares de milhões de euros) em relação a 2005, enquanto os professores foram "dizimados".

 

Desfeita a agenda "tudo está mal nas escolas públicas", aguarda-se a prestação de contas de quem arruinou o país.

 



publicado por paulo prudêncio às 18:36 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Sexta-feira, 18.07.14

 

 

 

 

A falta de prestação de contas tem sempre um efeito de retorno; mesmo que simulado.

 

Há uma constante no que levamos de milénio: os políticos sociais-democratas, socialistas de terceira via e neoliberais associados aos colunistas económicos seguiram os ultraliberais do poder económico, acusaram os grupos profissionais a abater de não prestarem contas e de serem grandes despesistas. Como panaceia, os políticos em exercício ou em estado de campanha eleitoral montaram ardilosos monstros burocráticos para avaliar o desempenho e exigir accountability (como gostavam de repetir).

 

Perante a hecatombe de 2007 e uma vez escancarada a corrupção que perpetravam ou apoiavam como ideologia liberal (santa ingenuidade ou serventia oportunista), situaram-se longe da responsabilidade.

 

Há tempos foi Durão Barroso a abandonar o barco para ver se continua a navegar; numa aparente contradição, não se coibiu de culpar o BPN, o BPP e as PPP's como quem não tem qualquer conta a prestar; nem política. É uma festa.

 

Mas o mais risível já tem três dias: César das Neves, esse economista mais friedmaniano do que qualquer habitante de Chicago, profetiza o "BES como o maior escândalo financeiro da história de Portugal". Talvez fosse bom que alguém lhe explicasse que os "salgados-lusitanos" são uns meninos de coro ao pé dos congéneres norte-americanos, alemães (sim, alemães) e franceses para que C. Neves não entre em depressão. Claro que neste caso há sempre que considerar a humana história dos ratos e dos navios.

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 17:57 | link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar

Quinta-feira, 03.07.14

 

 

 

 

 

 

 

Chega. O caso GES/BES/PT/OI é bem demonstrativo do que se passou durante décadas à mesa do orçamento e como a corrupção sugou o país. Os do costume estão a pagar os desvarios e os beligerantes continuam a passar pelos pingos da chuva. A bancocracia, e as respectivas e seculares famílias, tomaram conta da democracia e construíram um monopolismo predador (enquanto continua, por exemplo, o gritante fecho de escolas).

 

Não partilho do basismo anti-EUA, mas vou reconhecendo a conclusão de Joseph Stiglitza corrupção ao estilo norte-americano tomou conta da Europa.

 

"O secretário da Justiça dos Estados Unidos, Eric Holder, revelou que estão na fase final processos criminais contra grandes instituições financeiras que no passado tiveram comportamentos que violaram as leis que se aplicam ao sistema.(...)". A revelação pode ser mais uma qualquer coreografia, mas prefiro que seja um sinal de esperança. As instituições financeiras que estão a arruinar as democracias, também em Portugal onde os banqueiros estão em vias de prisão ou de prescrição de crimes, têm de ser combatidas também pelo poder político. É uma espécie de salvação para que se evite uma guerra com proporções inimagináveis.

 

Há tempos fomos confrontados com a situação profissional de Vítor Gaspar no FMI: "(...)Vítor Gaspar vai receber um salário de 23 mil euros mensais isentos de impostos no Fundo Monetário Internacional (FMI). O ex-ministro das Finanças, que fará 54 anos em Novembro, pode pedir a pré-reforma após trabalhar três anos nesta instituição, segundo os estatutos da mesma.(...)Se o ex-ministro não optar pela pré-reforma, terá aos 65 anos direito à pensão completa que corresponde a 70 % do salário.(...)".

 

É bom que se sublinhe que o FMI é financiado pelos Estados; pelos nossos impostos, portanto. Foi assim que o poder financeiro aprisionou o poder político. Nos últimos anos conhecemos inúmeros casos semelhantes a este de Gaspar, percebemos como fizeram escola e como nos empurraram para o estado em que estamos colocando em causa até uma das maiores conquistas civilizacionais: o estado social. Podemos imaginar o que se passa nos EUA e na Europa. Os orçamentos que sustentam Washington e o eixo Bruxelas/Estrasburgo são denunciados como obscenos pela mais elementar sensatez em qualquer latitude.

 

Denunciar estas delapidações das finanças dos Estados não é inveja. A inveja existe, mas não tem as costas tão largas assim.

 

Philippe Legrain deu uma entrevista arrasadora ao Público que também ajudou a explicar o que estou a defender. O antigo conselheiro económico de Durão Barroso foi coerente e tecnicamente fundamentado ao desmontar a destruição produzida pela troika e acentuada pelo Governo português. Desconstruiu a narrativa, que o Governo português fomentou e implementou, que nos dilacerou e que colocou os do costume como "criminosos" que mereciam um castigo.

 

Os portugueses foram uma fonte de receita para um sector financeiro corrupto, como também estamos fartos de saber. É impensável que desta vez não haja uma qualquer accountability para os políticos que passaram o tempo a acusar os outros de falta de responsabilidade profissional, de preguiça e de gastarem em excesso.

 

Até Silva Lopes, antigo governador do Banco de Portugal e economista, apontou a corrupção como o "problema" português e reconheceu os progressos na Educação. Esta retórica é recorrente em algumas consciências do mainstream, mas a receita é sempre a mesma: corte nos do costume, desinvestimento na Educação por desgaste das "elites", coitadas, e redução da classe média para que os bancos corruptos (estou a pesar bem a escrita) mantenham a prescrição e a impunidade.

 

 

 

 

Já usei parte deste texto noutros posts.



publicado por paulo prudêncio às 19:06 | link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar

Quinta-feira, 29.05.14

 

 

 

 

Olhando a partir do sistema escolar e desenvolvendo um raciocínio indutivo, comprova-se que um Governo em Portugal ainda tem alguma margem para tomar decisões não condicionadas pelo euro e por tudo o que o envolve.

 

Mesmo durante os três anos de protectorado, existiram decisões fundamentadas no radicalismo ideológico a que não foi indiferente a composição do Governo. Basta lermos o guião da reforma do Estado para percebermos que o CDS deu corpo ao pior do ensino dito privado. Ou seja, o partido que elegeu um deputado europeu, e que valerá menos de 4% dos votos, é quem "pensa" a Educação e isso só é possível porque existiu a demissão escolar do PSD e o trágico legado do PS Lurditas D´Oiro.

 

E é também isso que se jogará no futuro do PS. Quem vencer esta contenda, que se espera rápida e civilizada, terá de ter uma qualquer inspiração à "Renzi Italiano" ("uma esquerda que reaprendeu a vencer") e demarcar-se de vez do legado "educativo" dos Governos de Sócrates que consistiu na destruição da profissionalidade dos grupos mais numerosos através da retórica do accountability (para os outros) que dilacerou as atmosferas relacionais no eixo central do sucesso de quaisquer políticas: a dignidade das pessoas.

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 17:41 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 12.05.14

 

 

 

 

Philippe Legrain deu ontem uma entrevista arrasadora ao Público. O antigo conselheiro económico de Durão Barroso foi coerente e tecnicamente fundamentado ao desmontar a destruição produzida pela troika e acentuada pelo Governo português. Desconstruiu a narrativa, que o Governo português fomentou e implementou, que nos dilacerou e que nos colocou como "criminosos" que mereciam um castigo.

 

Os portugueses foram uma fonte de receita para um sector financeiro corrupto, como estamos fartos de saber. É impensável que desta vez não haja uma qualquer accountability para os políticos que passaram o tempo a acusar os outros de falta de responsabilidade profissional, de preguiça e de gastarem em excesso.

 

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 09:28 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Terça-feira, 01.04.14

 

 

 

 

 

Essa coisa da falta de prestação de contas tem sempre um efeito boomerang a que nem a Comissão Europeia escapa.

 

Há uma constante no que levamos de milénio: os políticos em exercício de cargos seguiram os ultraliberais do poder económico e acusaram os grupos profissionais a abater de não prestarem contas e de serem grandes despesistas. Como panaceia, montaram ardilosos monstros burocráticos para avaliar o desempenho e exigir accountability (como gostavam de repetir).

 

Perante a hecatombe de 2007 e uma vez escancarada a corrupção que perpetravam ou apoiavam, situam-se longe da responsabilidade. Há dias foi Durão Barroso a abandonar o barco para ver se continua a navegar; numa aparente contradição, não se coibiu de culpar o BPN, o BPP e as PPP's como quem não tem qualquer conta a prestar; nem política. Agora mandata a Comissão Europeia para proibir Portugal de usar fundos estruturais para estradas. É uma festa. Barroso quer convencer os marcianos que nada tem a ver com a fuga europeia para a frente em 2008, através de despesa descontrolada, nem com tantos episódios do género; anteriores e posteriores.

 

 

 

 

 

 

 Se esta notícia for mentira de 1 de Abril, o post não carecerá de actualização.

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 17:37 | link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar

Segunda-feira, 03.03.14

 

 

 

 

Em 2005, os cerca de 195.000 professores (cerca de 160.000 nas escolas públicas e 35.000 nas cooperativas e nos privados) dos ensinos básico e secundário eram considerados os primeiros "responsáveis" pela dívida pública que estava em 90,7 mil milhões de euros (cerca de 60% do PIB).

 

Nem dez anos depois, esses professores são cerca de 130.000 (cerca de 100.000 nas escolas públicas e 30.000 nas cooperativas financiadas pelo Estado e nos privados pagos pelos "clientes").

 

Hoje soube-se que a dívida pública voltou a subir cerca de 4000 milhões de euros face ao mês anterior. A dívida pública passa para 217,306 mil milhões de euros e andará perto dos 130% do PIB. Mais do dobro em relação a 2005 enquanto os ditos professores foram "dizimados" para um número que é quase metade do apurado nessa altura. Desfeita a agenda "tudo está mal nas escolas públicas", aguarda-se a prestação de contas de quem arruinou o país.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 15:13 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Domingo, 08.09.13

 

 

 

Apesar das muletas e dos cuidados com a contratura muscular (diagnóstico quase definitivo), não faltei ontem ao convite para falar do processo de ensino em Educação Física que denominei como "modelo tridimensional". Foi uma manhã muito bem passada, acompanhado pela atenção dos meus colegas e do director do CFAE-Oeste. O convite mais agradável é sempre o que é feito por pares.

 

Já lá vão cerca de oito anos que fiz a última intervenção do género para professores de Educação Física. A designação que escolhi até pode ser algo enigmática, mas a intenção foi abordar o processo de ensino, até ao detalhe do controle informacional de cada aula nas diversas metodologias, englobado numa geometria que inclui duas variáveis indissociáveis: a escola como organização e os sistemas de informação. A ideia de geometria variável é simples: a abordagem das variáveis não sai do triângulo e sem essa dimensão abrangente qualquer dos vértices entra em crise, em entropia ou torna-se quase inútil.

 

Apresento alguns dos slides que ilustram um breve resumo.

 

 

 

 

 

Fiz uma abordagem às três dimensões (mais aprofundada, naturalmente, no processo de ensino), cumprindo a ideia inicial: focar cada uma delas sempre em ligação com as outras duas (umas vezes mais com uma, outras vezes mais com outra).

 

 

 

Escolhi as três ideias seguintes para terminar a primeira análise teórica do processo de ensino. 

 

 

Detalhei três metodologias do processo de ensino em EDF: por blocos, por etapas e misto. Apresentei, de forma sucinta, um sub-programa que comecei a construir em 1993 e que explica as opções didácticas a partir dos programas em vigor. Salientei, no slide seguinte, um parágrafo deste subprograma que me parece lapidar.

 

 

Terminei com uma citação de George Steiner.

 

 

 

Apresentei, com se vê na imagem seguinte e de forma sucinta, uma base de dados (FileMaker) que comecei a construir em 1995 e que permite controlar o processo de ensino, também em tempo real, através daquilo que vulgarmente se designa por plano de aula.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 16:30 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quinta-feira, 13.06.13

 

 

 

 

Mas não foi este Governo que se exibiu por ter "orientado" o inenarrável relatório FMI que determinava a execução de ainda mais cortes a eito no sistema escolar? Não foi este Governo que se exibiu por estar para além da troika, e do FMI, e por ter dado carta branca a esse incompreendido CEO, qual Steve Jobs de Campolide, que ia transportar o sistema escolar para o mundo moderno das metas e dos achamentos curriculares na rota de Singapura e da Coreia do Sul onde os disciplinados alunos são enquadrados em turmas de cinco dezenas?

 

E estão agora à "estalada" uns como os outros e apontam o dedo ao FMI? O que é feito do Borges, do Moedas, do Barroso, do Meteorologista, do derrubador de modelos-kafkianos e dessa plêiade de financeiros do outro mundo? Tinham tantas certezas e perante a tragédia não prestam contas?



publicado por paulo prudêncio às 13:33 | link do post | comentar | ver comentários (6) | partilhar

Domingo, 26.05.13

 

 

 

 

 

 

 

 

Andará por aí amanhã um especialista norte-americano, convidado pelo MEC, a dizer que os professores devem ser responsabilizados pelo desempenho dos alunos. É um investigador oriundo da força aérea, e com passagem pelo MIT na área da economia, que acha que se o professor for eficiente pode ter turmas grandes e que deve ser avaliado pelos resultados dos alunos.

 

Fui oficial "Comando" (não voluntário, note-se bem) e dei instrução militar (aulas em regime de monólogo) a uma "companhia" ao mesmo tempo. Eram uns trezentos militares e escuso-me de caracterizar os critérios disciplinares subjacentes. Não piavam, apenas gemiam (isto é literal). Era um jovem adulto e ainda bem que não nos pagavam pelos resultados dos alunos.

 

Estas discussões redundantes já cansam um bocado. Sem sequer estar em causa a discussão sobre os critérios de eficiência no âmbito da docimologia, remeto-me para este algoritmo que começa assim: "A história dos sistemas escolares evidencia: sociedades com mais ambição escolar e com meios económicos que a sustentem atingem taxas mais elevadas de sucesso escolar.(...)"

 

A mesma edição do Público tem duas notícias, uma na online outra na impressa, sobre famílias com filhos em idade escolar (e cada vez são em maior número com estas características). O paradoxo das prioridades de MEC até arrepia. Mais valia convidarem especialistas em aulas no Bangladesh, com todo o respeito pela população desse país que nem conheço.

 

Na online diz assim:

 

 

 

 

 

Na impressa diz assim (dois filhos menores em idade escolar):

 

 



publicado por paulo prudêncio às 19:30 | link do post | comentar | ver comentários (18) | partilhar

Sexta-feira, 22.02.13

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 11:20 | link do post | comentar | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Mas mais do que isso, se o GOVERNO NÃO TEM INTENÇÕ...
Obrigado António Duarte. Claro que dou. Vai em mui...
Excelente!Vou, se me dás licença, "roubar"...
E se a dívida não baixa...
Já não digo nada sobre os processos paralelos.
Só em juros da dívida ronda os 23 milhões/dia!
Sim, Paulo, concordo. É mesmo insaciável!Desconfio...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

bartoon

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
Um projecto (livro) para gerir Escolas Portuguesas agrupadas
De Paulo Prudêncio