Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Repita-se

03.03.23, Paulo Prudêncio

Captura de ecrã 2023-03-03, às 12.56.02.png

Os profissionais da Administração Pública recuperaram os 7 anos de serviço congelados no período de 2011 a 2017. Para além disso, todos, com excepção dos professores, já tinham recuperado os 2 anos e 4 meses dos congelamentos anteriores a 2011. 

Por outro lado, os professores têm quotas nos 10 escalões e são os únicos com vagas (e logo em dois: e escalões). Nas regiões autónomas está tudo recuperado.

Na maior parte das carreiras, o tempo em cada escalão é de 10 anos. O Governo fez as contas assim: se em 10 recuperaram 7 anos, equivale a 70%; logo, aplicaram aos professores 70% de um módulo - que é de 4 anos mas não os favorece na comparação dos índices remuneratórios - o que representou os tais 2 anos, 9 meses e 18 dias já recuperados. É injusto e inaceitável.

Portanto, os professores têm que recuperar - do período entre 2005 e 2017 - 6 anos, 6 meses e 23 dias de tempo (mais o tempo perdido em transições entre estruturas de carreira e nos escalões em que aguardam vaga para progredirem (4.º e 6.º)).

O investimento imediato (quanto mais faseado) bruto na recuperação total exigirá cerca de 300 milhões de euros e um aumento da massa salarial de cerca de 3% nos próximos 3 anos. Mas como quem se reforma será substituído por professores em início de carreira (ou por um qualquer ChatGPT), estima-se que a redução da massa salarial actual atinja uns 7% ou mais até ao final da década. São valores perfeitamente viáveis, mesmo para um orçamento do estado que desistiu de vez da escola pública.

Nota: dos mais de 6% em percentagem do PIB na mudança de milénio, já vamos em 2,9%. Aliás, desde essa data já encerraram cerca de 10.000 escolas (num universo de 15.000) o que muito contribuiu para o despovoamento do interior do país.

 

 
 

4 comentários

Comentar post