Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Pessoas não são alfinetes

30.01.24

 

Captura de ecrã 2024-01-30, às 14.43.42 (1).png

A propósito da seguinte passagem no meu último texto no Público, - "eliminação da valoração de escolas e professores baseada no absurdo dos resultados dos grupos de alunos deverem melhorar todos os anos" -, um comentador interessado discordou e pediu-me uma explicação.

Disse-lhe mais ou menos isto: imagine um professor que tem uma turma de 9º ano. Por que razão é que essa turma tem que ter uma média de resultados superior a outra do mesmo ano que leccionou no ano anterior e assim sucessivamente? Pense um bocado. E isso aplica-se à valoração de escolas e por aí fora. Imagino que deve ser difícil perceber, com um raciocínio simples, os equívocos dos fundamentos de toda uma tragédia.

Acrescentei: as turmas são todas diferentes, até do mesmo ano de escolaridade; e há tantas variáveis a influenciar climas, aprendizagens e resultados, que é por isso que é tão difícil e complexo avaliar o desempenho dos professores. O que existe em Portugal é uma aberração só possível na caricatura de uma social-democracia. A média das classificações que um professor atribui a uma turma, ou a várias do mesmo ano de escolaridade, não tem que subir todos os anos. Até pode descer. A lógica da avaliação na economia e na gestão empresarial (subidas do crescimento económico e dos lucros) foi aplicada tragicamente à educação. Até o pai do liberalismo, Adam Smith (2010:80), em Riqueza das Nações, F. C. Gulbenkian, alertou "que pessoas não são alfinetes".

E lembrei-me de Jorge de Sena e da frase que colei na imagem.