Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

"Outros Números Epidémicos"

02.06.20

Contributo de Mário Silva:

"2020

1488

Nº de profs na lista de espera para subir ao 5º escalão

857

Nº de vagas para o 5º escalão

2348

Nº de profs na lista de espera para subir ao 7º escalão

1050

Nº de vagas para o 7º escalão

0

Nº de profs na lista de espera para subir ao 5º e 7º escalão nos Açores

Todos

Nº de profs com acesso ao 5º e 7º escalão na Madeira

Conclusões:

- se o ritmo de vagas se mantivesse igual ao deste ano, o último da lista tinha de esperar 2 anos e meio para subir de escalão

- como há flutuações, facilmente se compreende que em média, espera-se mais 4 a 5 anos para subir de escalão

- também facilmente se compreende que deste modo, a maioria dos profs vai chegar à idade da aposentação ainda no 6º escalão

- Há docentes de 1ª categoria e de 2ª categoria, e pelos vistos os primeiros trabalham nas ilhas...

A grande ironia, é que os professores são avaliados quantitativamente de forma normativa, com critérios de subjetividade suprema e com efeitos coercivos e penalizadores, sendo a avaliação formativa inexistente, o que é um enorme paradoxo, quando é exigido que, como avaliadores, estabeleçam critérios de avaliação para os alunos antagónicos àqueles a que são sujeitos como avaliados. Isto evidencia uma hipocrisia e cinismo dos dirigentes governamentais, que criaram um artificialismo para implementar o modelo da categorização dos professores em titulares e não titulares sugerido em 2008, discriminando negativamente a maioria dos docentes, condenando-os a um ‘congelamento’ remuneratório implícito."

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.