Em busca do pensamento livre.
Domingo, 26 de Janeiro de 2014

 

 

 

 

 

A peça do "I" apresenta detalhes do caso Grupo GPS que ainda não tinha lido na comunicação social. "(...)O i sabe que os relatórios da Inspecção-Geral de Educação e Ciência (IGEC) sobre os colégios GPS deram pistas essenciais ao trabalho dos investigadores que na passada terça-feira conduziram mais de duas dezenas de buscas pelo Centro do país. As seis auditorias, recorde-se, traçaram um retrato arrasador dos estabelecimentos de ensino particular financiados pelo Estado para garantirem ensino gratuito a alunos que supostamente não teriam lugar na rede pública.(...)".

 

É interessante que se refira que "(...)As despesas com professores, ao que o i apurou, acabariam por contar para o cálculo - quanto mais altas fossem, maiores os benefícios.(...)". É evidente que esta constatação é referente ao período 2004/2010, que parece que foi muito investigado, e quando o valor pago pelo Estado não tinha a turma como referência.

 

Em 2005, quando participei, em Lisboa, pela última vez numa reunião da rede escolar das Caldas da Rainha como PCE da EBI de Santo Onofre, alertei para a ilegalidade de um dos colégios e para o problema de "horários zero" que iria provocar no médio prazo. Está documentado aqui. Os representantes do Grupo GPS, presentes na reunião, declaram que "absorveriam" esses "horários zero" e que quanto mais elevado fosse o escalão de vencimento do professor mais interessante a situação se tornava. Estranhei. Não conheço um professor com "horário zero" que tenha leccionado nessas instituições. Dizem-me que nos primeiros anos de funcionamento as escolas das cooperativas de ensino convidavam professores dos escalões mais elevados para regimes de acumulação em tarefas de coordenação sem componente lectiva.

 

 

Mas o melhor é ler a peça.

 

 

 

 

 



publicado por paulo prudêncio às 17:30 | link do post | comentar | partilhar

8 comentários:
De Rute Castro a 26 de Janeiro de 2014 às 19:30
Ui ui ui, começo a perceber muita coisa do polvo local e dos silêncios...


De Vanda Machado a 26 de Janeiro de 2014 às 19:37
O Polvo vai tecendo a teia nos partidos para os calar. Usa o mesmo esquema com as famílias influentes.


De anónimo a 26 de Janeiro de 2014 às 19:45
Cada cavadela sua minhoca. Irra, que ganda confusão.


De Alice Alves a 26 de Janeiro de 2014 às 19:46
GATUNAGEM!!!


De João Pereira a 26 de Janeiro de 2014 às 22:01
Nem mais, Vanda Machado...

É ver as "transferências" entre partidos... Numa eleição à direita, agora mais à laranja...

Haja dinheiro...


De João Pereira a 26 de Janeiro de 2014 às 21:57
Também me lembro de ouvir um autarca referir, por várias vezes, que havia a ideia de colocar os professores caldenses em "horário-zero" a trabalharem no ensino particular... agora, percebo o interesse da altura.

No entanto, não passou da ideia. Será porque os professores do ensino público não se "moldavam" ao espírito do privado? Do género, comiam e não se calavam?

Ah, pois...


De Vanda Machado a 26 de Janeiro de 2014 às 22:25
Nem mais João Pereira. A páginas tantas, era mais rentável ter professores baratos porque pagavam à turma. Lá se foram os "horário-zero". O polvo usa o mesmo esquema no país e nas cidades onde está implantado, é o escol GPS.


De paulo prudêncio a 26 de Janeiro de 2014 às 22:37
Enfim. Veremos os próximos episódios.


comentar post

Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Obrigado António Duarte. Claro que dou. Vai em mui...
Excelente!Vou, se me dás licença, "roubar"...
E se a dívida não baixa...
Já não digo nada sobre os processos paralelos.
Só em juros da dívida ronda os 23 milhões/dia!
Sim, Paulo, concordo. É mesmo insaciável!Desconfio...
Esvaziar ainda mais, Carlos? Mas sim: o neoliberal...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

bartoon

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
Um projecto (livro) para gerir Escolas Portuguesas agrupadas
De Paulo Prudêncio