Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    João Pereira

    26.01.14

    Caro anónimo, se sabe de algum caso que envolva um estabelecimento público de educação, tem meios à sua disposição para fazer a sua denúncia.

    Se não tem, deixe de opinar, de forma camuflada, porque anónima, sobre aquilo que não sabe.

    Não são as Escolas Públicas que mereceram a atenção de mais de 100 agentes da Polícia Judiciária.

    Não foram as Escola Públicas que foram acusadas de múltiplas e contínuas ilegalidades.

    Não são os profissionais da Escola Pública que ostentam carros topo-de-gama, nem têm uma vida de luxo.

    Não são as Escolas Públicas que viram o seu nome associado a corrupção, branqueamento de capitais e enriquecimento ilícito.

    Há leis em Portugal, vivemos em democracia, que se cumpra a lei e que sejam punidos os criminosos.

    Repito: se sabe de algum caso, denuncie, mas faça-o de cabeça erguida, não se refugie no "anónimo"...
  • Ao longo da história, as instituições geridas pelo Estado cometeram irregularidades; e as escolas também. Mas não se compare a dimensão, francamente. Há organismos do Estado (na saúde, nas obras públicas, etc) que têm sido criminalizados por corrupção. Mas são orçamentos que nada têm a ver com as escolas do não superior.

    Ainda há semanas se mediatizou uma busca parecida, embora de menor dimensão, na saúde. Tenho ideia que a instituição se chama SANFIL e que se financia no Estado e em seguros de saúde; é uma espécie de cooperativa também.

    Fazer estas acusações ao abrigo do anonimato, e sem referir o nome das instituições, não acrescenta credibilidade; pelo contrário.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.