Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

há mesmo uma alternativa na Educação?

09.06.15

 

 

 

Conhece-se o programa do PS e as linhas gerais da coligação de direita. A interrogação é simples: há uma alternativa que vai para além da ideologia do tratado orçamental ou continuaremos a aplicar as medidas para além da troika? Na Educação abusou-se da segunda asserção nos últimos quatro anos e a história dirá o quanto pagámos pelo erro. É importante que se sublinhe que na Educação, como noutras áreas, há muito radicalismo ideológico que foi aplicado por simpatia com os cortes orçamentais a eito (Passos aconselhou os jovens professores à emigração para o Brasil e Angola e bem pode agora falar em mitos urbanos).

 

Objectivamente, o PS apresenta o fim dos exames do 4º ano, o regresso das "novas oportunidades" e uma impressão de fim do desmiolo avaliativo, que inventou, dos professores e não diz uma linha sobre o modelo único de gestão, sobre os alunos por turma, sobre os brutais cortes curriculares ou sobre a sobrecarga nos horários, ao minuto, dos professores.

 

Mas mais: se a maioria regressa com as "escolas independentes" inspiradas nas ideias falidas do modelo sueco, o PS não contradiz e apresenta-se como continuador da partidocracia (nesta semana, de 50000 professores votantes, 43437 votaram não à municipalização, tal é o desastre do amiguismo e do compadrio) que tem ajudado a destruir o ambiente democrático na organização das escolas. Também não há uma linha sobre o ensino dito privado.

 

O PS refere o inferno burocrático, aponta o simplexII, mas nada concretiza na Educação. E os professores assistiram durante o positivo simplexI ao aumento monstruoso da burocracia nas escolas através dos nomeados por Sócrates para o MEC e que agora parecem influenciar o futuro. E a interrogação volta a ser óbvia: há uma alternativa na Educação?

12 comentários

Comentar post