Em busca do pensamento livre.
Terça-feira, 5 de Junho de 2018

 

 

 

O Governo argumenta com a avaliação para eliminar tempo de serviço (o ministro da educação recuperou o discurso das finanças, SE do emprego público, de Outubro de 2017). É inaceitável. São razões financeiras e ponto final. Se não existe financiamento, não se aplique a supressão apenas aos professores e negoceie-se. É difícil? Nunca ouvi dizer que a democracia não é exigente. O Governo diz que exclui por causa dos pontos. Diz o Governo que nas outras carreiras se obtém um ponto por ano até ao necessário à mudança de categoria e que nos professores é por menção qualitativa. Neste contexto, a distinção é uma falácia destinada à manipulação mediática. A menção é obtida, com quotas, numa escala de 0 a 10 pontos (por exemplo: 7.51 pontos é bom e 8.53 pontos é muito bom) e a mudança de categoria acontece também ao fim de x anos (algumas categorias obedecem a vagas). Era preferível o Governo pedir desculpa aos professores por os excluir como os anteriores e dizer a verdade: os professores são muitos.

Importa sublinhar, e prevendo já o argumentário habitual do "arremesso ao professor", que a sucessão de "reformas estruturais" deixou o Estado, e a sociedade, sem norte e a avaliação do desempenho é um espelho: no Estado (SIADAP) é um fingimento e em 95% das empresas não existe.

 

41841793304_f16753de1e

 

Imagem: Página 13 da edição impressa do Público de 15 de Fevereiro de 2014.

O estudo que concluiu que a avaliação do desempenho não era praticada em 95% das empresas foi publicado uma semana antes, salvo erro.

Os sindicatos de professores usaram, e bem, o argumento.



publicado por paulo prudêncio às 09:46 | link do post | comentar | partilhar

2 comentários:
De mario silva a 6 de Junho de 2018 às 00:00
Sabendo que milhares de milhões foram oferecidos aos grupos económicos sob variadas formas e outros tantos estão na forja para serem despejados nos bancos, claro que agora o dinheiro é retirado a outros serviços públicos.
O debate parlamentar já mostrou qual a posição dos partidos na putativa ILC: reprovação.
Está criado o ambiente para a revisão da carreira, estabelecendo definitivamente a proletarização da profissão; a quantidade de candidaturas no concurso, mostra que existe muita gente disposta a trabalhar sem perspetivas, numa atitude de pura sobrevivência, aproveitando-se o governo desta desvalorização social, usando a tática ‘se-não-estás-satisfeito-existem-muitos-para-entrar-no-teu-lugar’ (o ministério da saúde está a fazer a mesma estratégia com os médicos, com a alteração das vagas para a especialidade).
A discussão sobre a progressão está ‘coxa’ porque, mesmo na melhor das hipóteses, só um grupo de profs seria beneficiado com a solução da recuperação do tempo de serviço, deixando um outro grupo estagnado ad eternum por causa das vagas de acesso ao 5º e 7º escalões; este assunto é provavelmente o mais critico na carreira profissional mas não será objeto de alteração.
A carreira docente como existiu só será usufruída por uma minoria mais grisalha, estando definida para a maioria que ainda subsiste, uma carreira que terá como topo o 6º escalão.
O ano de 2008 ficará na história da educação como o ‘turning point’ da carreira profissional, que conduziu a uma degradação sócio-económica irreversível.


De paulo prudêncio a 6 de Junho de 2018 às 16:18
É bem possível que assim seja. É muito triste mesmo.


comentar post

Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Enfim.Contudo, é bom recordar que fervilha a contr...
o jornal Público hoje noticiava que o PCP 'acha-be...
São muitos e a avaliação blá, blá, blá :)
Nem mais. Era interessante uma discussão pública s...
Nem mais. 20340 :)
o PR em relação a outros casos (médicos, enfermeir...
Mas a avaliação não ser por pontos revelou-se desv...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676