Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Dos top performers e do fim da história

04.05.14

 

 

 

 

Já tropeçamos com o uso inchado da designação Top Performers (melhores desempenhos) e o futuro da classificação parece arrebatador como selo de qualidade infinita. Ainda há meses, e a propósito da subida de Portugal no PISA, um dos SE do MEC referia a obra dos nossos Top Performers que nos colocava algures no anelar Saturno.

 

Os Top Perfomers com significado no mercado total (TPSMT) fazem constar que dedicam horas e exclusividade ao treino intensivíssimo de operações lógicas: chegar vertiginosamente ao resultado é o desafio da vida. Há já quem associe o brutal preço da desigualdade ao desempenho insensível e de casino a um género de TPSMT como produto do mercado e da meritocracia (e, obviamente, também da falsificação), outrora os supra dos TPSMT; e não há na crítica qualquer menosprezo pelo esforço e pelo estudo livre e empenhado, apenas se olha para o estado do mundo e para a importância da insubstituível dimensão plural da humanidade.

 

O fim-de-semana encheu as primeiras páginas dos jornais com a batota dos privados nas notas de acesso ao ensino superior. Há quem advogue a escolha dos alunos pelas escolas do ensino superior (talvez agora, e com a ubiquidade da crise, os superiores se dêem ao trabalho) e se atenue a prevalência do mercado neste domínio tão determinante para as desigualdades.

 

Quem anda no terreno não se surpreendeu com as conclusões do estudo. São conhecidas e inúmeras as ficções. É conhecida a história do jovem que não aguentou e desabafou junto da antiga professora da escola pública: "O meu 20 a matemática no exame do 12º ano feito no colégio estava todo no quadro. Por favor, nunca diga que fui eu quem contou". É uma história arrepiante, relativamente recente e que compromete uma série de actores; o peso na consciência do infractor deixa marcas. Ficção ou não, este género de narrativa é vulgar. É todo um estado a que chegámos, que não pode ser ignorado e que exige medidas.

 

Estamos cansados de ouvir que "dos fracos não reza a história" como caminho para a meritocracia aplicada aos filhos dos outros. Este anuncio do fim da história é pouco rigoroso. Até na selva, e mesmo considerando as necessidades da cadeia alimentar, a cooperação é um valor precioso para a sobrevivência, para a superação do mal e para a felicidade da espécie.

 

 

 

 

Primeira página do Expresso.

 

 

 

Primeira página do Público.

 

 

 

 

 

3 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Lúcio

    05.05.14

    Esse critério resolveria o problema que o estudo levanta (...e que já toda a gente conhecia), mas poderia colocar outro: um excelente e meritório aluno pode "ser infeliz" durante duas horas (nem todos os dias da nossa vida são por nós controláveis; acontece, por exemplo, estarmos com dor de dentes). Por outro lado, pode potenciar o "relaxe" na prestação anual (ou plurianual) com efeitos perversos para o próprio ensino e para o trabalho dos professores - "Para quê estudar e trabalhar durante 10 meses se posso resolver (... ou perder) tudo em duas horas?".
    Em todo o caso, as universidades deveriam introduzir um elemento de ponderação que elas próprias controlassem. Prova interna de acesso? Talvez, ainda que logisticamente muito complicado. Também as fiz; eram três - mas numa década em que os candidatos eram bem menos que agora, reconheço.
  • Concordo. Contar apenas a nota do exame é ainda mais injusto. Há imensos países onde são as universidades que escolhem os alunos.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.