Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

do fim dos "horários zero"

25.01.14

 

 

 

 

 

 

Declarações de um dos SE do MEC.

A referência está mais abaixo.

 

 

O poder vigente na quase totalidade do milénio (o primeiro ano e meio foi uma excepção), assumiu o discurso anti-escola e anti professor. Ou seja, o "tudo está mal na escola pública" era culpa dos professores e ponto final. Uma ala manifestou a desconfiança com burocracia infernal e a outra com processos disciplinares a eito e com "mais trabalho porque eles têm muito tempo livre" (e continuou o tal inferno agora digitalizado). Vivemos um período em que prevalece a ala mencionada em segundo lugar.

 

Sejamos objectivos: o despedimento em massa de professores nos últimos anos deveu-se aos cortes curriculares e ao aumento do número de alunos por turma. Os agrupamentos de escolas contribuíram em menor escala e a mobilidade especial acrescentou um valor residual ao corte da massa salarial. Uma dezena de assessores governamentais ultrapassa o valor obtido por essa mobilidade. Para além disso, os "horários zero" são o factor que mais desesperança cria no sistema. Terminar com esta saga e instituir uma distribuição de serviço docente racional e pedagógica terá, nesta altura, ganhos incomensuráveis (a reposição de um número aceitável de alunos por turma, uma nova revisão curricular, alterações no estatuto da carreira e alterações ao modelo de gestão escolar reporão muita da sanidade perdida).

 

Dá ideia que é isso que a segunda ala concluiu. É uma espécie de repetição da história que, a confirmar-se, terá um desfecho semelhante: certo, mas tardio para efeitos eleitorais (e ainda há quem diga que as eleições para pouco servem ou que as lutas jurídicas nunca têm resultados).

 

 

 

 

 

Entrevista ao jornal Sol de ontem. Imagem recolhida no blogue do Arlindo Ferreira.

 

 

3 comentários

Comentar post