Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

do esmagamento da escola pública

10.09.14

 

 

 

 

Os cortes na escola pública começaram com o Governo do "país de tanga" e não pararam. Durão Barroso deu corpo à agenda de "tudo está mal na escola pública" e uns sociólogos, acompanhados de eduqueses I e II (como é o caso de Crato), perpetraram uma engenharia social que os tornou estrelas financeiras para os ultraliberais onde se incluíram socialistas de terceira via, sociais-democratas desmemoriados ou com passagem oculta pelo BPN e afins e DDT´s. Crato foi mesmo para além da troika comandado pelo Ministério das Finanças.

 

Os professores do ensino não superior são de longe o sector mais devastado (o uso do adjectivo já não choca, veja-se lá) da administração central (eram, grosso modo, 160 mil nas escolas públicas quando Durão Barroso tomou posse e hoje são já cerca de 100 mil) e o encerramento de escolas assumido pelo arco governativo (que foi muito para além do imperativo de modernização da rede escolar) no norte e no interior do país atingiu os milhares e beneficiou da palidez dos cidadãos e, naturalmente, dos respectivos autarcas. 

 

Este fenómeno continuará até que os buracos bancários estejam em modo satisfatório e de forma a que os actores do arco governativo (os tais com o exclusivo da responsabilidade) passem pelos pingos da chuva.

 

 

 

 

Já usei parte deste texto noutro post.

A repetição é um dever.

 

 

 

 

 

3 comentários

Comentar post