Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

11 comentários

  • Francamente Daniel.

    Não me parece comparável.

    Os profissionais da escola pública andam há uma década a lutar outra contra tudo aquilo que sabe e nunca os vi usar um aluno. É a este domínio que me estou a referir.

    O exemplo que refere é completamente diferente.

    Se é leitor do blogue sabe que não necessita de me dar esse conselho.
  • Sem imagem de perfil

    Francisco Megre

    08.05.16

    Parece que já vi dezenas de protestos em escolas públicas onde alunos participaram. Eu próprio já participei em várias quando andava na escola pública. Isto não me parece um ponto relevante da discussão.
  • Nunca vi um aluno, muito mesmo crianças, "convocado" para manifestações, ou outras acções similares, em defesa dos profissionais da escola pública. É a isso que me refiro. Não incluo as inúmeras manifestações de alunos que se realizaram ao longo dos tempos, obviamente.
  • Sem imagem de perfil

    Francisco Megre

    08.05.16

    As inúmeras manifestações de alunos não foram só em defesa dos seus direitos, mas dos direitos da sua escola e professores. Assim como os do ensino privado também o fazem. Acho que esta discussão, de que o Estado deve pagar só a estabelecimentos públicos ou privados é ridícula. A verdadeira questão é quais estabelecimentos tem mais qualidade no ensino e esses sim, receber financiamento do Estado, sejam públicas ou privadas.
  • Não conheço. Há muito que acompanho estes assuntos e sempre registei esse cuidado.

    Tem nas etiquetas do blogue umas boas centenas de posts sobre o assunto. Há cerca de uma década que escrevo sobre isso. Pesquise, se me permite, por público-privado por exemplo.

    Em Portugal há privado não financiado pelo Estado que discorda que se financie boa parte deste "privado" financiado pelo estado; entende que danifica a sua imagem.

    Não era possível noutro país da Europa a privatização de lucros com os contornos dos tais "privados" financiados pelo estado. Para além de outros argumentos fundamentais que pode ler onde lhe indiquei, vai compreender que ao fim de dez anos a escrever sobre o assunto me canse de alguma repetição. Obrigado por comentar.
  • Sem imagem de perfil

    Francisco Megre

    09.05.16

    Também me cansa falar do assunto e repetir os mesmos argumentos, mas este país sofre de uma doença psicológica que é a sacralização do serviço público, independente da sua qualidade.

    Reptio que o que deve interessar mais é a qualidade do serviço, não a sua origem.

    E passado 10 anos a escrever sobre o assunto, se não conhece sequer casos onde os alunos se manifestem em defesa das suas escolas públicas, parece-me que anda isolado de alguma realidade.
  • Francamente: sinto mais o contrário: tudo o que é público é falho de ambição, inovação, qualidade e por aí fora.

    Ninguém abrange toda a realidade. Não sou o único identificar a ausência de alunos nas causas que são fundamentalmente dos profissionais na escola pública. Sempre registei com muito agrado essa preocupação. E olhe que na última década estive mesmo presente em inúmeras manifestações nos mais variados sítios do país, sempre a custas próprias, num exercício de cidadania e na maioria dos casos nem sequer era atingido pelas medidas.

    Mas se conhece, dê exemplos.
  • Sem imagem de perfil

    Francisco Megre

    09.05.16

    Claro que parece que tudo o que é público é falta de ambição, qualidade e inovação! Como é possível existir um sistema estatal que consiga tomar conta de um serviço público deste tamanho? É estar à espera de desilusões.

    Em relação aos exemplos, vamos parar por aqui. Já lhe disse que eu próprio quando era aluno, manifestame-nos pela escola e seus funcionários. Agora só porque existem alunos a fazer pela escola privada, obviamente que só pode ser manipulação e interesses, não será possível que aqueles alunos estão genuinamente bem naquelas escolas e conhecem casos de escolas públicas que não lhes agradam e eles tem o direito de escolher?

    E se não há mais alunos a manifestarem-se pelos serviços públicos, é porque se calhar também já estão fartos de uma causa perdida. São os alunos principalmente que sentem a burocracia do Estado e a inflexibilidade do sistema.
  • O meu primeiro parágrafo era irónico.

    Francamente: há por toda a Europa sistemas escolares públicos de maior dimensão e mesmo no nosso caso os resultados não são nada desprezíveis se comparados, por exemplo, com a "nata" do privado: a banca e o sistema financeiro. Mas, claro, são grandezas incomparáveis. Devemos ter orgulho no que fizeram os sistemas públicos de saúde e de educação.

    Continua a não dar exemplos. O " é porque se calhar também já estão fartos de uma causa perdida" vale muito pouco. Para além de tudo, s fossem as crianças e os jovens a decidirem o que é melhor para a sua educação a democracia não sobreviveria duas gerações; se tanto.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.