Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

da mosca e do cheque-ensino

26.02.14

 

 

 

 

 

(Primeira edição em 9 de Setembro de 2013)

 

 

Quem disser que os comités centrais dos partidos do memorando da troika têm reuniões frequentes desde a assinatura (ou até antes disso) para tratarem de "altos" assuntos do Estado, não poderá ser classificado como gerador de uma teoria da conspiração. É natural que essas reuniões aconteçam, é natural que sejam secretas e é também natural que alguns consensos se estabeleçam aí. É natural também que as bancadas parlamentares respectivas nem sempre saibam do acordado, uma vez que o jogo de oposição interna está sempre ao rubro.

 

O silêncio do PS em relação ao cheque-ensino (existiu uma voz discordante, talvez mais distraída ou opositora a sei lá o quê) pode ter uma qualquer relação com isso. Quem sabe se na última crise de Governo o triunvirato não terá acordado "deixar cair" a escola pública, mas em segredo. Não seria nada a que o PS não estivesse habituado.

 

Ou seja: a mosca que picou o idoso PS estava contaminada pela "música" ultraliberal, tal como o Quino imaginou, e o picado só dará conta quando tiver necessidade de voltar a soprar. É caso para dizermos que nada se aprendeu com a governação de Sócrates e que o país, a liberdade e a democracia voltam a perder muito com isso. Mas o melhor é ver o desenho.

 

 

 

2 comentários

  • Sem imagem de perfil

    Anónimo

    09.09.13

    No Público de hoje, o Correia de Campos, sob pretexto de criticar o cheque-ensino, dá a entender que a culpa é dos professores que fizeram cair o governo do Socas e já devem estar arrependidos.
    Passo a transcrever:
    “É certo que durante muito tempo,até 2006, edifícios estavam em muito mau estado, os profs tinham horários muito folgados, a escola ocupava o aluno pouco tempo, lançando-o na rua com escassa protecção. É certo que a reacção de profs e sindicatos às reformas de Maria de Lurdes Rodrigues foi desproporcionada, corporativa e irrealista…..Em muito contribuíram para a queda da governação de José Sócrates”
    ” É certo que o ensino secundário era, até há alguns anos, dispendioso comparativamente com outros países, os profs eram relativamente bem pagos e precocemente reformados, pouco eficiente, e com elevadas taxas de insucesso. Em 5 anos muitos desses erros foram corrigidos sem desvirtuar a universalidade do sistema: escola a tempo inteiro, (…). O insucesso baixou, a escola pública ampliou a qualidade,as instalações foram renovadas, a eficiência global aumentou. OS PROFESSORES TARDARAM A RECONHECER A MUDANÇA, MAS HOJE PERDERAM O DIREITO A DÚVIDAS……”
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.