Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Da fórmula que consiga o milagre da multiplicação dos professores

24.09.22

Foi em 2003 que os concursos de professores iniciaram o movimento descendente. O rol de injustiças (inúmeras já irreparáveis) foi crescendo e lançou os procedimentos num labirinto. Entre tanta justificação mainstream, a avaliação do mérito dos professores destacou-se.

O sistema integrado de avaliação do desempenho da administração pública nasceu para resolver de vez, diziam os mentores, esse tipo de "lacuna". O SIADAP adaptado ao ensino (2006) reuniu uma linguagem sedutora e bem-pensante, como as que deram origem aos totalitarismos. A bem dizer, a "meritocracia industrial" é brutalmente injusta.

SIADAP hibernou até 2017. Sobreviveu em regime de faz de conta. O renascimento degradou inexoravelmente o clima das escolas. Para que o desnorte premonitório inscrevesse mais um episódio paradoxal marcante, em "Outubro de 2012" o Governo eliminou, como corte financeiro, as distinções por "mérito" e os sindicatos exigiram a continuação.

É um processo com muita história. Exige atenção, agora que se assiste ao regresso da ideia que secundarizou a graduação profissional nos concursos e desceu ainda mais a condição dos professores contratados: a bolsa de contratação de escola.

Aliás, em Portugal há, e há muito, meios e conhecimento para que os concursos de professores por lista graduada sejam um não-assunto. A tortuosidade administrativa do ME, o clima de desconfiança e a incompetência de decisores é que criaram a situação vigente que agrava o estado geral de falta de professores nas democracias. Acima de tudo, é com tristeza que se assiste à busca de uma fórmula que consiga o milagre da multiplicação dos professores.

Captura de ecrã 2022-09-25, às 10.54.00.png.jpeg