Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

chega! Alguém tem de parar com a impunidade dos corruptos!

03.07.14

 

 

 

 

 

 

 

Chega. O caso GES/BES/PT/OI é bem demonstrativo do que se passou durante décadas à mesa do orçamento e como a corrupção sugou o país. Os do costume estão a pagar os desvarios e os beligerantes continuam a passar pelos pingos da chuva. A bancocracia, e as respectivas e seculares famílias, tomaram conta da democracia e construíram um monopolismo predador (enquanto continua, por exemplo, o gritante fecho de escolas).

 

Não partilho do basismo anti-EUA, mas vou reconhecendo a conclusão de Joseph Stiglitza corrupção ao estilo norte-americano tomou conta da Europa.

 

"O secretário da Justiça dos Estados Unidos, Eric Holder, revelou que estão na fase final processos criminais contra grandes instituições financeiras que no passado tiveram comportamentos que violaram as leis que se aplicam ao sistema.(...)". A revelação pode ser mais uma qualquer coreografia, mas prefiro que seja um sinal de esperança. As instituições financeiras que estão a arruinar as democracias, também em Portugal onde os banqueiros estão em vias de prisão ou de prescrição de crimes, têm de ser combatidas também pelo poder político. É uma espécie de salvação para que se evite uma guerra com proporções inimagináveis.

 

Há tempos fomos confrontados com a situação profissional de Vítor Gaspar no FMI: "(...)Vítor Gaspar vai receber um salário de 23 mil euros mensais isentos de impostos no Fundo Monetário Internacional (FMI). O ex-ministro das Finanças, que fará 54 anos em Novembro, pode pedir a pré-reforma após trabalhar três anos nesta instituição, segundo os estatutos da mesma.(...)Se o ex-ministro não optar pela pré-reforma, terá aos 65 anos direito à pensão completa que corresponde a 70 % do salário.(...)".

 

É bom que se sublinhe que o FMI é financiado pelos Estados; pelos nossos impostos, portanto. Foi assim que o poder financeiro aprisionou o poder político. Nos últimos anos conhecemos inúmeros casos semelhantes a este de Gaspar, percebemos como fizeram escola e como nos empurraram para o estado em que estamos colocando em causa até uma das maiores conquistas civilizacionais: o estado social. Podemos imaginar o que se passa nos EUA e na Europa. Os orçamentos que sustentam Washington e o eixo Bruxelas/Estrasburgo são denunciados como obscenos pela mais elementar sensatez em qualquer latitude.

 

Denunciar estas delapidações das finanças dos Estados não é inveja. A inveja existe, mas não tem as costas tão largas assim.

 

Philippe Legrain deu uma entrevista arrasadora ao Público que também ajudou a explicar o que estou a defender. O antigo conselheiro económico de Durão Barroso foi coerente e tecnicamente fundamentado ao desmontar a destruição produzida pela troika e acentuada pelo Governo português. Desconstruiu a narrativa, que o Governo português fomentou e implementou, que nos dilacerou e que colocou os do costume como "criminosos" que mereciam um castigo.

 

Os portugueses foram uma fonte de receita para um sector financeiro corrupto, como também estamos fartos de saber. É impensável que desta vez não haja uma qualquer accountability para os políticos que passaram o tempo a acusar os outros de falta de responsabilidade profissional, de preguiça e de gastarem em excesso.

 

Até Silva Lopes, antigo governador do Banco de Portugal e economista, apontou a corrupção como o "problema" português e reconheceu os progressos na Educação. Esta retórica é recorrente em algumas consciências do mainstream, mas a receita é sempre a mesma: corte nos do costume, desinvestimento na Educação por desgaste das "elites", coitadas, e redução da classe média para que os bancos corruptos (estou a pesar bem a escrita) mantenham a prescrição e a impunidade.

 

 

 

 

Já usei parte deste texto noutros posts.

6 comentários

Comentar post