Em busca do pensamento livre.

Quinta-feira, 28.06.18

 

 

 

""Centeno quer funcionários públicos mais motivados e a faltar menos". O ministro das Finanças defendeu hoje funcionários "mais motivados", uma cultura organizacional "mais proativa" e programas de saúde ocupacional que combatam o absentismo por doença ou acidentes de trabalho", diz o Expresso. A notícia é longa. Não sei se Centeno excluiu a educação desta entrevista, mas no caso escolar as componentes críticas estão há muito identificadas. Absentismo? Mais do que conhecidas as causas. Cultura organizacional? Também estão bem identificadas as viráveis a mudar, embora os serviços centrais do ME "concluam" o contrário. Há anos que ajudam a descer com uma deriva info-excluída. É preciso alterar para escalas organizacionais com dimensão civilizada, humanizada e desburocratizada e com ambientes democráticos consolidados como a base para o que Centeno deseja. A menos que o ministro também já tenha sido absorvido pelo centralismo democrático neoliberal do eurogrupo.

A imagem que se segue é a que acompanha a notícia. Talvez seja isso: o ministro está a brincar.

 

mw-860

 



publicado por paulo prudêncio às 15:09 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 26.06.18

 

 

 

A situação é grave para a democracia e para a educação. O colégio arbitral decidiu por unanimidade. Considerando a sua composição, a plataforma de sindicatos fica novamente numa posição muito difícil (como aconteceu há dias com a surpreendente rejeição do PCP em relação à ILC). Há uma certeza: a não recuperação do tempo de serviço colocou os professores no limite da paciência e a saturação traduziu-se na forte adesão às greves. A radicalização de posições cresceu e agudizou-se. Se existe uma contenda jurídica e uma discussão financeira, também há uma vertente política e eleitoral. É por isso que falar de vitórias (só vejo perdedores neste clima de desesperança), é não só precipitado como desconhecedor do estado do sistema.



publicado por paulo prudêncio às 22:07 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

 

 

 

Falta perceber quais serão exactamente os serviços mínimos (está em actualização).

 

"Perante a greve dos professores às avaliações, o colégio arbitral decretou esta terça-feira os serviços mínimos para os Exames Nacionais do 9.º, 11º e 12.º anos, apurou a SIC.

Através de um comunicado, o Ministério da Educação da conta da decisão do Colégio Arbitral e adianta que os conselhos de turma relativos ao 9.º, 11.º e 12.º anos terão de ser realizados até 5 de julho, "a fim de emitirem a avaliação interna final".

O colégio arbitral foi criado devido à falta de acordo entre sindicatos e Governo.

A greve dos docentes às avaliações começou no início de junho e está a afetar mais de 30 mil estudantes do secundário, que ainda não sabem que notas os professores vão atribuir.

O habitual é que os alunos prestem provas depois de serem dadas as classificações dadas pelos professores, e com base nessa nota (interna) se apresentem, ou não, a exame.

Os exames estão a decorrer desde dia 18 de junho, e 23% dos alunos não sabem que notas foram atribuídas."

 

Adenda às 18h57:

 

36259853_2022327757841185_8445059757353467904_n

 

 



publicado por paulo prudêncio às 17:56 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

 

 

 

Captura de Tela 2018-06-26 às 15.54.30

 

Pode ler aqui.



publicado por paulo prudêncio às 15:54 | link do post | comentar | partilhar

Segunda-feira, 25.06.18

 

 

 

 

O cepticismo, para quem já tem uma vida com alguma longevidade, é um sentimento egoísta em relação aos mais jovens? Percebe-se a resposta positiva, mas é refutável. Ouvi Pacheco Pereira dizer mais ou menos assim sobre o cepticismo relacionado com o estado da europa e do mundo: "Os alicerces da Europa foram minados pela corrupção. De cima para baixo e de baixo para cima. Basta olharmos à nossa volta." Há, portanto, fundamentos para o cepticismo. E se aplicarmos a interrogação inicial ao estado vigente na educação e se a longevidade dos professores é um dos factos que mais se evidencia, o cepticismo não pode ser um modo egoísta em relação aos jovens para que a esperança não ocupe o lugar dos mitos. Mas isso resolve-se, ou atenua-se, com factos e o cepticismo será um modo construtivo.

mitos-1254x640

 

 



publicado por paulo prudêncio às 22:18 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

Contributo de Mário Silva.

 

"O próximo ataque do ME à reputação dos docentes.

 

Através do ‘Iavé’, o ME vai atacar a reputação dos professores no próximo mês de julho. Como? Quem acompanha os exames nacionais, detetou que houve alterações na estrutura deles e nas cotações (aumentaram nas questões de escolha múltipla). Estas alterações têm potencial para piorar as classificações dos exames e obviamente que isso será usado para atacar os professores com a falácia ‘estão-a-ver-esta-gente-a-reivindicar-que-lhes-paguem-as-progressões-e-afinal-os resultados-foram-piores’.

O ME que se arvora o protetor dos ‘coitadinhos-dos-estudantes-que-são-prejudicados-pelos-professores’, depois insidiosamente promove ações que prejudicam os mesmos estudantes nas suas médias de classificação final, usando subrepticiamente como ‘bode expiatório’ a classe docente; nem Maquiavel conseguia ser mais ignóbil…

“Os alunos concordaram que a derradeira questão da prova era a mais complicada e estavam também alinhados no principal assunto de quase todas as conversas: a estrutura do exame deste ano. Ao contrário do que vinha sendo habitual nos anos anteriores, o exame nacional de Matemática A foi dividido em dois cadernos.

«Nós somos sempre as cobaias do Iave», queixa-se Ana, já fora da escola. «Se quisesse voltar atrás a alguma das perguntas do 1.º caderno, não podia», explica.

 

Jornal Público (25/06/2018)



publicado por paulo prudêncio às 21:47 | link do post | comentar | ver comentários (13) | partilhar

Domingo, 24.06.18

 

 

 

"A decadência do ensino público" é o título da "Carta de Semana" do 1º caderno do Expresso de 23 de Junho de 2018. Mesmo que a carta contenha pequenas imprecisões, é surpreendente que não exista um partido representado na Assembleia de República preocupado com o assunto. Mas o melhor é ler.

 

Captura de Tela 2018-06-24 às 17.56.53

Captura de Tela 2018-06-24 às 17.57.04



publicado por paulo prudêncio às 17:58 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Sexta-feira, 22.06.18

 

 

 

As novas contas do Ministério das Finanças ("os custos das progressões dos professores em 2018 baixam de 90 para 37 milhões"), escaparam a uma geometria política variável na manipulação de números e argumentos que há mais de uma década degrada a carreira dos professores. Ou seja, o concreto fragilizou a argumentação governativa. Tem sido assim com os últimos executivos e nem os governantes da educação diferem (dá ideia, tal o grau da coisa, que o presente é um ajuste de contas que vem de 2007 e 2008, como se não bastasse o desprezo profissional que se intensificou desde aí). Aliás, o que surpreendeu os governos, e quem os apoia de modo clubista, foi a capacidade dos professores mediatizarem argumentação e desconstruirem falácias com solidez. Já era tempo, e como sublinha Klaus Schwab (2017:64) na "A Quarta Revolução Industrial", de "(...)os governos se adaptarem ao facto do poder estar a mudar de agentes estatais para não estatais e de instituições estabelecidas para redes dispersas. As novas tecnologias e os grupos sociais e as interacções que promovem permitem que praticamente qualquer pessoa exerça influência de um forma que seria inconcebível há apenas alguns anos.(...)". A educação está num pré-caos e num impasse: o Governo terá de rebuscar o faseamento da recuperação do tempo de serviço e a plataforma sindical não poderá assinar uma versão que não o contemple. A mesa negocial não valorizou o aparecimento de um sindicato digital, nem, e pela enésima vez, o efeito das redes sociais e do grau de saturação dos profissionais, e o executivo adiou o inadiável. Agora, terá de ser célere e inteligente numa solução salvífica para as faces. 

 

33657730603_a63b85c6ef

Faces, Picasso



publicado por paulo prudêncio às 18:57 | link do post | comentar | ver comentários (4) | partilhar

Quinta-feira, 21.06.18

 

 

 

Recebi o texto que se segue por email devidamente identicado.

 

"Os factos da SE estão baseados em cálculos errados.

 

O que a SE está a fazer é misturar minutos com segundos. Ou euros com cêntimos.

As contas da SE estão erradas.(...)Imaginemos duas carreira, ambas correspondendo a técnicos superiores da administração pública. Uma tem 10 escalões de 4 anos e outra tem 4 escalões de 10 anos. Ambas perfazem um total de 40 anos.

E a média salarial mensal, ao longo desses 40 anos, até pode ser a mesma.

Agora usemos a mesma lógica da SE, mas para fazer outro cálculo.

Se for contado aos professores 2 anos, 9 meses e 18 dias, perdem 6 anos, 6 meses e 15 dias. Perdem o equivalente a 100% de 1 escalão e 62,5% de outro.

Então, pela justiça e equidade da SE todos devem perder o mesmo. Quem tem escalões de 10 anos deve perder 100% de um escalão e 62,5% de outro. Deve perder 16,25 anos de progressão.

É essa perda que fará os restantes técnicos superiores da administração pública perceberem o que querem tirar aos professores.

 

Rui Araújo"



publicado por paulo prudêncio às 23:11 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

É um bom exercício comparar o muito bom vídeo de Joana Mortágua (JM), que está mais abaixo, com "o texto de opinião" de Alexandra Leitão (AL) hoje no Público. Duas políticas jovens que pertencem à maioria que apoia o Governo. Espera-se que remem para o mesmo lado, embora devam discordar para que se iluminem. A 1ª informa. A 2ª desinforma. A 1ª é imparcial. A 2ª não o consegue e constrói os argumentos de modo a manipular quem a leia sem informação. Aliás, basta ver o vídeo de JM e ler de seguida o texto de AL. Serão 5 a 6 minutos elucidativos e é pena que assim seja.



publicado por paulo prudêncio às 12:55 | link do post | comentar | partilhar

Terça-feira, 19.06.18

 

 

 

Captura de Tela 2018-06-19 às 12.37.44

 

Rio "acha" que se calhar não há financiamento. É por isso que concordo com o facto dos professores terem deixado de ensinar cambalhotas. Não querem que os alunos se transformem em cidadãos de fraca palavra com o sentido de oportunidade a rolar ao sabor do vento; não querem e fazem muito bem.

"(...)o que Rio deu a entender é que compreende que Portugal não está em condições para pagar, aos professores, todo o tempo congelado, mas que o Governo deve ser penalizado politicamente se não cumprir o que prometeu. “O Governo ou dá ou tem de ter a penalização política de andar a assumir compromissos que não pode assumir"."



publicado por paulo prudêncio às 12:39 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 Um bom vídeo com 4 minutos.

 

 



publicado por paulo prudêncio às 10:29 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Segunda-feira, 18.06.18

 

 

 

Os professores são, definitivamente, umas aves raras e estranhas. Por este andar, o apoio parlamentar circunscrever-se-á ao deputado do PAN por ser o único defensor assumido das espécies referidas. 

Nota: "PCP dificulta sucesso de iniciativa de professores no parlamento", "PSD recua e admite que "circunstâncias extraordinárias" podem justificar posições do Governo" e (numa versão saudosa do antigo arco governativo?) "Greve de professores. Pais ameaçam sair em defesa dos contratos com privados".



publicado por paulo prudêncio às 17:42 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

 

 

 

Dizia-me alguém bem informado sobre avaliação do desempenho (mais ou menos assim, claro):

"Era interessante uma discussão pública sobre a avaliação nas diversas carreiras (privado também). Ainda concluíamos que, e considerando a natureza das profissionalidades, que a avaliação do desempenho dos professores é das mais exigentes".



publicado por paulo prudêncio às 13:15 | link do post | comentar | partilhar

Sexta-feira, 15.06.18

 

 

 

greve_desconto-no-salário

 

 



publicado por paulo prudêncio às 18:03 | link do post | comentar | partilhar

 

 

 

ilc-19000

 

Assinar a iniciativa legislativa de cidadãos não é só para professores. É um acto muito interessante. São necessárias 20.000 assinaturas para que o parlamento tome posição sobre a recuperação de tempo de serviço dos professores e já se ultrapassaram as 19.100.

Como assinar?

Clique aqui.

(no facebook deixarei a ligação nos comentários)



publicado por paulo prudêncio às 15:09 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quinta-feira, 14.06.18

 

 

Captura de Tela 2018-06-14 às 16.46.23

 

Nos momentos sobreaquecidos, há sempre órgãos de comunicação social (mesmo os tais de referência) que cedem aos títulos com oportunidade; digamos assim, claro. A notícia em imagem pode ser lida aqui, embora o título e o subtítulo expliquem a tal oportunidade.

Resumamos em números redondos: aos 97.000 professores do quadro acrescentaram-se 7.000 professores das vinculações extraordinárias e 15.000 professores contratados. Como há entre 12.000 a 14.000 professores com baixa médica que requer substituição, os números totais devem ser desagregados para serem bem explicados. Para além disso, há professores com mais do que um contrato porque são colocados em horários incompletos e, em muitos casos, leccionam no número necessário até completarem o horário (e ensandecerem pelo caminho). E chega que o mais do mesmo cansa.



publicado por paulo prudêncio às 16:44 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Quarta-feira, 13.06.18

 

 

 

ilc-18000

 

Não é necessário ser professor para assinar a iniciativa legislativa de cidadãos. Pretende-se que o parlamento tome posição sobre a recuperação de tempo de serviço dos professores. São necessárias 20.000 assinaturas e já se ultrapassaram as 18.000.

Como assinar?

Clique aqui.

(no facebook deixarei a ligação nos comentários)



publicado por paulo prudêncio às 13:46 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Terça-feira, 12.06.18

 

 

 

A saturação dos professores provocou a situação vigente. Não é a primeira vez que, na última década e meia, acontece um fenómeno semelhante: o limite da tolerância passa a contestação e ultrapassa governos e plataforma de sindicatos, com quatro causas identificadas: entendimentos sem contacto com o real, adiamento de decisões, inépcia governativa ou posições radicais dos executivos. Como as novas formas de comunicação acrescentaram capacidade de organização a grupos de cidadãos e a corpos profissionais, a mesa negocial é ciclicamente surpreendida. Nesta fase, e depois do que já se disse, o Governo terá dificuldade em justificar a recuperação de todo o tempo de serviço e a plataforma sindical não poderá assinar uma versão que não o contemple.



publicado por paulo prudêncio às 18:43 | link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar

Segunda-feira, 11.06.18

 

 

ilc-17000

 

A iniciativa legislativa de cidadãos pretende que o parlamento tome posição sobre a recuperação de tempo de serviço dos professores. São necessárias 20.000 assinaturas e já se ultrapassaram as 17.000.

Como assinar?

Clique aqui.

(no facebook deixarei a ligação nos comentários)

 



publicado por paulo prudêncio às 11:10 | link do post | comentar | partilhar


Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
errata ao meu comentário: "para quem se interessa"
Muito obrigado Mário Silva. É um bom comentário pa...
Não me parece que alguém saiba o que vai acontecer...
não são só os professores precários...Enquanto o M...
infelizmente, temo que essa instabilidade não surg...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

coisas tontas

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676