Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

até 300%

09.10.12
        É inadmissível que o FMI tenha errado numa margem que pode chegar aos 300% nos cálculos do impacto da austeridade na economia. No caso português, e que vai para além da troika, os denominados sectores sociais, com os professores como os principais escolhidos, é que pagam tanta impreparação. E ninguém se demite? Nem o consultor Borges?     FMI reconhece que calculou mal o impacto da austeridade na economia (...)

detalhe

18.02.11
    Nem sei se a economia de escala aplicada à gestão escolar é muito estudada. Pelo argumentário do ME e dos seus satélites, vejo que queremos reduzir custos quando somamos duas unidades de gestão perdendo uma das cabeças ou tentamos eliminar serviços administrativos redundantes. Uma década depois, estamos no mesmo sítio ou com mais despesa nessas parcelas.   Escreveu-se muito a propósito dos novos descobrimentos portugueses: os mega-agrupamentos e a parque escolar.sa. (...)

alguém que se mova

11.01.11
    Ao que julgo saber o parlamento ainda existe e os deputados continuam com o exercício de mandatos. Recebi o seguinte email:   Caro/a Docente,   Em anexo segue um Requerimento do grupo parlamentar do Bloco de Esquerda, apresentado e aprovado hoje pela deputada Ana Drago em sede de Comissão de Educação e Ciência, com votos favoráveis de todos os partidos da oposição e a abstenção do PS. O objectivo deste Requerimento é ouvir a Ministra da Educação o mais (...)

mercado, mas pouco

09.12.10
      A democracia mediatizada funciona por ondas e os picos de sinal contrário sucedem-se numa velocidade estonteante. As mais diversas agendas são condicionadas por essa voracidade.   A discussão à volta da natureza do ensino não superior oscila de acordo com a agenda mediática. Há uma corrente que se quer impor em Portugal: a da denominada charter school (...)

nos teatros?

07.02.10
    Foi daqui       É lamentável. Museus gratuitos ainda se compreende desde que o sejam para todos, claro. Agora teatro e bailado? Ainda no fim-de-semana, em Lisboa, fomos a uma sala de teatro esgotada há muito;  só que depois os lugares vazios davam nas vistas: o costume, ao que me disseram: levantam os bilhetes mas depois não põem lá os pés.   É uma (...)