Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

e porquê?

18.10.11
    Há uma fatia de portugueses que detesta o que é público. É um fenómeno estranho e antigo. Se há serviços do estado que tiram qualquer um do sério, também é verdade que sem os serviços públicos o bem comum não teria atingido patamares que se reflectem no extraordinário aumento da esperança de vida, por exemplo. Esse ódio é, em alguns casos, provocado por ciúme social e noutra grande parte por preconceito ideológico. Quando lemos declarações que confirmam a (...)

da imparcialidade

11.09.11
      E lá se percebeu como é que alguns membros do júri, e confrontados com duas candidaturas, equilibraram o seu dever de imparcialidade: fizeram campanha pela candidatura A e disseram que o voto secreto tinha sido na B.

avaliação e contraditório

29.03.11
      Estabeleceu-se aqui um debate à volta de um editorial do Público que classificou de vergonha a suspensão da avaliação de professores no parlamento. Passe por lá para saber do desenvolvimento. Todavia, um dos comentários, de Isabel X, exige uma leitura atenta.     Tenho lido Deleuze, autor que vem a propósito citar. Diz ele, referindo-se à (...)

fez escola?

20.03.11
      Sou franco: não sabia onde Miguel S. Tavares escrevia nem em que canal debitava opinião. Nunca li um livro seu e não me perguntem o motivo. Mas se levantar os olhos, e nem preciso de ir à base de dados, sei onde está a obra poética de Sophia de Mello Breyner Andresen.   Ao longo desta difícil luta dos professores, o filho de Sophia escolheu os professores portugueses para um dos seus pogroms. O primeiro (...)

os eis

03.01.11
          O calendário quebra rotinas e exige olhares menos habituais. Estou a pensar no ano que terminou e em algumas perplexidades. Apesar de tudo, não paro de me surpreender.   Troco palavras com quase todos os que me a requerem. Essa atitude permite-me perceber estados de espírito e características da máquina humana.   Há um grupo, que vou denominar de éticos-invertidos-e-severos (EIS), que é constituído por professores e por outras pessoas que se interessam pelas questões da Educação e que tomou como suas as razões do governo; por serem militantes ou simpatizantes do actual