Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

"Há algum outro bom momento para discutir a dívida pública e externa?"

06.05.17
      Claro que há todo um poderoso spin que considerará a dívida pública e externa intocável e que encherá a agenda mediática com o anúncio do caos se um Governo europeu pensar em recuperar direitos dos cidadãos. Para esse spin, só há uma cartilha: cortar a eito nos 99%. É importante que grupos de economistas lancem a discussão. Aconteceu nas últimas semanas em Portugal. A discussão continua com o seguinte texto de opinião: "Há algum outro bom momento para discutir a dívida pública e externa? (...)

Pelas escolas - texto de Mário Silva

16.03.17
      "Não tendo surgido informações publicadas sobre um procedimento que está a ocorrer em vários agrupamentos de escolas para implementação obrigatória de supervisão pedagógica (vulgo, observação de aulas) a todos os professores da escola, informo que existem vários agrupamentos escolares cujas direcções estão a invocar a obrigatoriedade de supervisão pedagógica entre pares, com títulos pomposos que disfarçam a intenção, mas que nitidamente se (...)

Há uma direita irada com Sampaio da Nóvoa

02.05.15
        Já li algumas coisas sobre a desnivelada opinião de Pulido Valente, ontem no Público, a propósito da candidatura de Sampaio da Nóvoa. Jorge Luis Borges incluiria o pedaço da ira na História Universal da Infâmia, mas seria apenas por inspiração: a redacção seria, naturalmente, de outra qualidade. Mas reparem na foto da edição impressa (está fiel ao original, talvez até melhor): os editores do jornal encontrariam coisa melhor em meia-dúzia de segundos, mas a (...)

dos alemães e da memória recente

19.02.15
        A maioria que governa em Portugal foi apanhada do lado errado da história. Para compreender o recente fatalismo português, temos de considerar que os governos deste milénio inclinaram o plano e que o actual cavalgou uma onda sufragada por eleitores que teimaram em não perceber que a ideologia se confundia com a corrupção. É até um mistério como há tanta gente que empobrece e continua a defender tenazmente o enriquecimento ilícito. Não há arrependimento possível, (...)