Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

ainda os efeitos do radicalismo de Crato

01.05.16
      Precisamente por ser muito difícil apresentar conclusões na investigação em Educação, exige-se ponderação, sensatez, mudança gradual, equilíbrio e testagem em pequenos universos antes de generalizar em qualquer área da política educativa. Se o período de Crato foi de radicalismo ideológico com cortes a eito (não apenas financeiros), exige-se a quem se segue que recentre. Contudo, o actual Governo nunca poderá esquecer que o período de Lurdes Rodrigues foi também (...)

Da febre do despacho na organização escolar

29.04.16
      Impressiona a febre do despacho na nossa organização escolar. Por mau centralismo ou por tiques de caciquismo nas propaladas ideias de autonomia e desconcentração, o que se evidencia no estado febril crónico é a desconfiança, a irresponsabilidade e, em sentido mais profundo, o facto de estarmos nos primeiros passos da gestão escolar propriamente dita.   Há vozes preocupadas com o "regresso" de Lurdes Rodrigues. Encontrei outro sinal desses tempos de muito má memória. (...)

da especialização precoce e da repetição do óbvio

02.04.16
      Para além de tudo, e quando se compara os sistemas desportivos com os escolares, há um dado antigo que volta a exigir reflexão: por que será que os desportos que especializam precocemente não se afirmam nas sociedades? Não é apenas por reduzirem o número de praticantes, é também porque impedem o "jogo de rua" e não criam massa crítica essencial à sua mediatização, capacidade negocial e "aceitação" pelas maiorias. Ficam minoritários, que não pode ser o (...)

Outra vez? Não! Por favor!

17.03.16
      Percebo pela blogosfera que há professores algo sobressaltados com uma ou outra notícia. Vamos acreditar que são os tablóides que desvirtuam a informação para efeitos comerciais. Recordo um desenho do Antero, o genial cartoonista da defesa da escola pública, que me parece adequado e que me levou ao título do post.    

Dos números da Educação no OE2016

07.02.16
      "Há um aumento de 14 milhões de euros na rubrica dos contratos de associação com escolas particulares e cooperativas por compromissos assumidos pelo anterior Governo, mas os 82 milhões de cortes na Educação não superior serão preenchidos por cortes nesse sector", disse há pouco, numa rádio, uma voz autorizada neste projecto de OE. Como escrevi ontem, a rede escolar 2016/17 será um bom teste a essas intenções. Mas há uma evidência neste projecto de OE2016: a escola (...)

Das alterações nos exames do ensino básico

10.01.16
      Precisemos alguns argumentos: o sistema foi sujeito durante quatros anos a políticas de radicalismo ideológico para além da troika e é natural que o período seguinte seja de eliminação desse desastre cratiano. Como o processo cratiano sucedeu à tragédia lurdiana, calamidades comprovadas e confessadas, as mudanças urgentes são inúmeras. Seria incompreensível a imutabilidade.   Por que será, então, que a escola portuguesa está permanentemente em ebulição reformista? (...)

muda o governo e regressa o desconhecimento?

30.10.15
      Há sinais da existência de truques orçamentais, e derrapagens financeiras afins, que vão "exigir" que um novo Governo use a coreografia habitual do desconhecimento e execute os conhecidos cortes nos do costume. Lá acordará o "Compromisso Portugal" com apelos a reformas "estruturais" de mais do mesmo e lá aparecerão banqueiros a dizer que assim não aguentam. Espera-se, e como desta vez o arco da governação inclui, finalmente e bem, todo o parlamento com excepção (...)