Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

a educação e a política de transportes

25.01.12
  Aparece-me várias vezes na superfície da memória a frase de Gonçalo M. Tavares: "A politica parece cada vez mais uma administração de palavras e não de coisas. Não se trata já de transportar pesos, de “deslocar” acontecimentos de um lado para outro, trata-se antes, e primeiro, de um transporte de vocábulos". E que vocábulos? Consideremos quatro: simples, complicado, fácil e difícil. É voz corrente que simples é sinónimo de fácil e que complicado é (...)

concordo com o mec

05.09.11
    A propósito da notícia de um austríaco que abusou durante cerca de 40 anos de duas filhas deficientes e que apesar das visitas semanais da segurança social só foi descoberto aos 80 anos de idade, o MEC teve uma ideia, que classificou de colectivista e demasiado perigosa, que passaria por colocar todas as crianças portuguesas um par de dias sem a família e com a supervisão de especialistas que se encarregariam de registar os seus estados emocional e de relacionamento social. (...)

do bairro II - senhor brecht

27.07.11
    "Esse animal tinha a anatomia de um burro, na parte da frente, e a anatomia de um cavalo, na parte de trás. Como estavam convencidos de que as duas partes de trás (de cavalo) eram bem mais rápidas que as patas da frente (do burro), cada gémeo queria montar a parte de trás do animal, deixando a parte da frente para o irmão. Cada um deles estava convencido de que, em viagem, chegaria primeiro o que estivesse montado sobre as patas mais rápidas."  Gonçalo M. Tavares

biblioteca

08.07.11
        "As cabras e o modo como se aproximam de uma fila de erva podem preencher todo o cérebro de uma pessoa inteligente, mesmo que tal facto se passe às sete da tarde. A Natureza não abana com os nossos sustos, a não ser a parte da natureza que o nosso corpo representa. Uma cabra a pastar, uma vaca a pastar, um boi a pastar, uma ovelha a pastar. E ainda as ervas, e o leve vento que passa por elas. Muitas coisas acontecem na natureza. Com tanta erva e animal a pastar, para (...)

doidos

31.10.10
        Li algures (fui à procura do sítio e não o encontrei) esta frase (mais ou menos, claro) de Gonçalo M. Tavares: "há pessoas que são doidas porque leram os meus livros todos". Faço parte desse grupo. Escaparam-me as peças de teatro, salvo erro.   Uma viagem à Índia promete. A exemplo de Jerusalém, e de partes dos livros do bairro, dá ideia que estamos na presença de mais uma (...)

política de transportes na educação

23.06.10
      Aparece-me várias vezes na superfície da memória a frase de Gonçalo M. Tavares (um escritor que nunca me canso de admirar): "A politica parece cada vez mais uma administração de palavras e não de coisas. Não se trata já de transportar pesos, de “deslocar” acontecimentos de um lado para outro, trata-se antes, e primeiro, de um transporte de vocábulos". E que vocábulos? Consi (...)

vórtice (2)

05.02.10
    Foi daqui   Existimos num turbilhão veloz e inaudito, em que não há lugar, nem para projectos radicalmente novos - só por vaidade, como bem diz Gonçalo M. Tavares - nem para o extermínio do que existe.  Sobram as boas ideias - com princípio, meio e fim -, a incessante inovação como resultado do saber, do conhecimento e do estudo, a dedicação e o esforço. (...)

insistência

01.11.09
  Foi daqui.        Existimos num turbilhão veloz e inaudito, em que não há lugar, nem para projectos radicalmente novos - só por vaidade, como bem diz Gonçalo M. Tavares - nem para o extermínio do que existe.  Sobram as boas ideias - com princípio, meio e fim -, a incessante inovação como resultado do saber, do conhecimento, do estudo, da dedicação e do esforço. (...)

do bairro III - senhor kraus

12.04.09
  "Permanecendo sentados, os dois Auxiliares estavam há vários dias a bater com os pés no chão. A sola dos sapatos parecia lentamente desaparecer e, por dentro das meias, cujo tecido praticamente evaporara, os pés ardiam, como próximos de uma lareira. Um e outro tinham já várias feridas nos pés. No entanto, o sorriso aberto na cara dos dois Auxiliares jamais afrouxara. Era preciso movimento, movimento! - dissera o Chefe. Até às eleições."    Gonçalo M. (...)

uma tarde na vida do Chefe (2)

02.04.09
    Fechou a porta por dentro. Depois, sempre poderia dizer que estava numa reunião importante. Se ele era o Chefe, portanto o ponto máximo, pensar de si para si próprio era ou não importante? Aliás, sózinho conseguia fazer, de longe, a mais importante das reuniões. Para se sentir mais convincente, quando apresentasse a justificação para a porta fechada, começou a falar sózinho, como se discutisse com um seu qualquer pensamento anterior. Como não tinha prática em não (...)