Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

para lá da alternativa

22.03.15
        "Uma sociedade pós-heróica necessita de uma política que se exerça para lá da alternativa enfática entre o poder e a impotência. Tanto o discurso ideologicamente voluntarista como o derrotismo neoliberal ressoam de tempos heróicos em que mandar era entendido como mandar absolutamente com uma disposição soberana, sem verdadeiros interlocutores, sem respeito pela complexidade social. Mas há vida política no poder limitado e na impotência política bem gerida. A (...)

dos seres vivos

21.03.15
        "No reino dos seres vivos, o ser humano é o único que sabe que há futuro. Se os humanos se preocupam e esperam é porque sabem que o futuro existe, que ele pode ser melhor ou pior e que isso depende, em certa medida, deles próprios. (...)"       2ª edição. Daniel Innerarity (2011, p:09). "O futuro e os seus inimigos". Lisboa: Teorema.

limites

01.12.14
      "(...)quem se limita ao que está a acontecer nem sequer compreende o que acontece.(...)"   Daniel Innerarity (2011:49). "O futuro e os seus inimigos".  Lisboa: Teorema.      

No Reino

19.11.14
      "No reino dos seres vivos, o ser humano é o único que sabe que há futuro. Se os humanos se preocupam e esperam é porque sabem que o futuro existe, que ele pode ser melhor ou pior e que isso depende, em certa medida, deles próprios.(...)"       2ª edição. Daniel Innerarity (2011, p:09). "O futuro e os seus inimigos". Lisboa: Teorema.      

da sociedade pós-heróica

05.01.14
        "Uma sociedade pós-heróica necessita de uma política que se exerça para lá da alternativa enfática entre o poder e a impotência. Tanto o discurso ideologicamente voluntarista como o derrotismo neoliberal ressoam de tempos heróicos em que mandar era entendido como mandar absolutamente com uma disposição soberana, sem verdadeiros interlocutores, sem respeito pela complexidade social. Mas há vida política no poder limitado e na impotência política bem gerida. A (...)

reino

29.05.13
              "No reino dos seres vivos, o ser humano é o único que sabe que há futuro. Se os humanos se preocupam e esperam é porque sabem que o futuro existe, que ele pode ser melhor ou pior e que isso depende, em certa medida, deles próprios. (...)"       2ª edição. Daniel Innerarity (2011, p:09). "O futuro e os seus inimigos". Lisboa: Teorema.

no reino

03.04.13
        "No reino dos seres vivos, o ser humano é o único que sabe que há futuro. Se os humanos se preocupam e esperam é porque sabem que o futuro existe, que ele pode ser melhor ou pior e que isso depende, em certa medida, deles próprios. (...)"     2ª edição. Daniel Innerarity (2011, p:09). "O futuro e os seus inimigos". Lisboa: Teorema.

governar

11.05.12
      Há algumas reflexões fundamentais nestes tempos de globalização que devem ser consideradas pelas formas de governo nas mais diversas escalas. Há dias escrevi este post sobre a cultura de agrupamento a propósito do actual modelo de gestão escolar e lembrei-me de acrescentar a seguinte leitura:     "(...)Governar é permitir a coordenação temporal entre uma multidão de sujeitos, sistemas, sociedades e culturas que vivem num tempo plural. Do ponto de vista civilizatório tratar-se-ia, como propôs Mireille Delmas-Marty (2006), de ordenar o (...)

nem sequer compreende

27.03.12
      "(...)quem se limita ao que está a acontecer nem sequer compreende o que acontece.(...)"     Daniel Innerarity (2011:49). "O futuro e os seus inimigos". Lisboa: Teorema.

deslocações ideológicas

10.03.12
          Se o Daniel Innerarity estudasse o sistema escolar português, encontraria também deslocações da direita para a esquerda e de ambas para lugar nenhum ou para o lugar da veneracão a quem proporciona benesses ilimitadas.   "Realizou-se uma transferência semântica que poderia explicar muitas deslocações ideológicas da esquerda para a direita: onde havia (...)