Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

das greves, das solidariedades e de outras coisas mais

14.11.12
        Há muitos argumentos para não aderir a uma greve e nem se trata de os hierarquizar.   O argumento financeiro pesa, como sempre se considerou. Torna-se interessante estudar os que defendem a sua economia doméstica com os mesmos argumentos que usavam nos tempos em que recebiam os subsídios de férias e de natal e não existiam cortes salariais.   Ainda no mesmo âmbito, também são um caso de estudo as instituições que encerram porque os grupos profissionais dos (...)

actualidade

12.11.12
        A situação europeia, e mais propriamente o poder alemão, está a criar um clima de nervosismo e de forte contestação. Os denominados intelectuais dividem-se e há mesmo alguns que não alinham naquilo a que chamam de histerismo-dos-derrotados-da-vida.   É sempre bom ir aos clássicos e socorri-me de uma passagem do "Em busca do tempo perdido" de Marcel Proust:   "“Parece que certas realidades transcendentes emitem em torno de si radiações a que a multidão é (...)

por explicar

31.10.12
        Temos de acreditar que a teimosia ideológica não vai ao ponto de manipular as contas orçamentais.   Contudo, dá ideia que quem decide a esse nível (nas instâncias nacionais e internacionais) foi vacinado para o anti-sector público embora vá usufruindo das mordomias sem fim dos cofres estatais.   Se ler esta notícia...   "(...)Gastos sem (...)

e se

25.09.12
      E se os alemães tivessem as contas bancárias tão descontroladas como as portuguesas? E se quem os governa andar, há muito, aflito e em campanha eleitoral?   É bom colocar todas as hipóteses em cima da mesa para que a realidade não seja vista com palas nem preconceitos.   Neste exercício de imaginação, (...)

pensar

14.09.12
      Chegam relatos de uma multidão de professores à beira de um ataque de nervos, com a agravante de muitos enfrentarem o dilema descrito por Samuel Beckett no seu trabalho de ficção em prosa Watt: "Pensar, quando já não somos novos, quando ainda não somos velhos, que já não somos novos, que ainda não somos velhos, não é coisa pouca".