Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

Da Ubiquidade

11.04.19
      A corrupção destrói as democracias. Nem é preciso estar muito atento para perceber que o fenómeno minou as democracias ocidentais. É ubíquo e manifesta-se em dois sentidos: de cima para baixo e de baixo para cima. Como é que foi possível? Instalou-se, paulatinamente, um clima de salve-se quem puder e de temor.

O Ministro Divertido

07.04.19
    Considerando a actualidade, qual terá sido o critério para a nomeação do ministro da Educação? Não se sabe o que pensa sobre educação ou gestão do sistema, nem se conhece intervenção no espaço público. É, nesses domínios, um conjunto quase vazio. Referiu a escola-alfaiate (à medida de cada aluno), que é uma intenção com mais de sessenta anos, e afirmou ser um defensor radical dos professores (sei que é risível, mas aconteceu). Nunca leccionou. Qual terá sido (...)

Do Travão da Economia

06.04.19
      A acumulação de riqueza numa minoria associada à impossibilidade de taxação do capital, impede a redistribuição dos ganhos económicos e a atenuação das desigualdades. Se conjugarmos o que foi dito com o sistemático "varrer para debaixo do tapete" das pequenas e grandes corrupções, temos uma explicação para a perigosa crise (ia a escrever decadência) das democracias ocidentais.

O Nepotismo é uma Questão Nova?!

04.04.19
      O nepotismo ("prática de favorecimento de familiares ou amigos na atribuição de cargos ou privilégios por parte de um detentor de cargo público ou de alguém em posição de poder") não é uma questão nova e muito menos na nossa sociedade. O nepotismo não se circunscreve às questões familiares e leva ao tráfico de influências criando um clima propício à corrupção. Aliás, e no caso do sistema escolar, foi o PS que impôs (em 2009 e (...)

Notícias da Selva

03.04.19
      A roda livre dos mercados financeiros associada aos paraísos fiscais depauperou, e depaupera, orçamentos de estado a eito. É caso para pensarmos no arrepio que vamos sentir quando, daqui por uns anos, conhecermos as manigâncias vigentes. O que tem atenuado o estado selvático são os processos como o que pode ler: "