Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

é a oligarquia, estúpido

27.02.11

 

 

A frase que escolhi para título é uma formulação antiga que ganha actualidade com a inclusão da oligarquia portuguesa que se restabeleceu em plena democracia. No post, "estado sem direito" entrou um comentário de José Luiz Sarmento. Ao que me parece, este blogger é o autor da frase que escolhi para intitular este post. O comentário que inseriu merece uma leitura atenta e diz assim:

 

"O fascismo administrativo é o prolongamento lógico do fascismo de empresa que é o traço dominante do regime político português. Não se pode combater um sem se combater o outro e parece que já vai havendo quem entenda isto. As manifestações no Wisconsin são uma reacção ao ataque que o governador republicano está a tentar contra os sindicatos do sector público, com especial incidência nos dos professores. 

Nestas manifestações participam não só funcionários públicos mas também trabalhadores do sector privado e estudantes. Esta solidariedade seria impensável em 2007, mas três anos de crise e de impunidade para quem a provocou estão a tornar óbvio o que já era verdade: a oligarquia é inimiga da classe média e tem como programa exterminá-la. Inimiga de toda a classe média, e não só dos funcionários públicos ou das classes profissionais.

Por isso as palavras de ordem não são só contra o governador a quem puseram a alcunha de Hosni Walker, mas também contra os irmãos Koch, dois bilionários que financiaram a sua campanha eleitoral.

É coisa pequena, mas pode ser um precedente importante e um sinal dos tempos. Para já, as manifestações já alastraram a mais dois estados americanos: o Indiana e o Ohio. E os manifestantes estão em rede com outros manifestantes à escala planetária.

Uma maneira de os professores portugueses contribuírem para esta luta será juntarem-se à manifestação dos precários do próximo dia 12 de Março. Eu lá estarei. No meu cartaz, as palavras: É A OLIGARQUIA, ESTÚPIDO!"