Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

regresso ao passado

08.03.11

 

 

 

 

Quando aconteceu o 25 de Abril de 1974, o sistema escolar apresentava números de escolaridade que envergonhavam. A centralização era asfixiante, os directores das escolas eram nomeados pela tutela, o número de professores do quadro era residual e a maioria dos docentes tinha um vínculo precário e não passava de um patamar salarial inferior ao início da carreira.

 

Vinte e cinco anos depois, os números da escolaridade tinham melhorado significativamente, as escolas tinham consolidado os primeiros passos rumo à autonomia e os quadros de professores garantiam alguma estabilidade e progressividade na carreira.

 

Com a entrada no novo milénio os portugueses perceberam que tinham consumido muito para além das suas posses, os 25 anos de progresso no sistema escolar não tinham consolidado a ideia de que se a Educação é cara é só experimentar voltar à ignorância e os governos não estiveram com modas: corta-se a eito na Educação.

 

2005 foi um marco desgraçado nesse sentido. A um primeiro-ministro obstinado e com maioria no parlamento, juntou-se a cooperação estratégica de um presidente da República centralista e retrógrado e uma opinião publicada pronta a aplaudir ao ouvir a palavra reforma. Uma combinação fatal.

 

Se nada se fizer em contrário, quando se comemorarem os 50 anos do 25 de Abril estaremos no mesmo sítio em que estávamos no dia anterior à revolução dos cravos: números do abandono escolar deprimentes, centralização asfixiante, directores das escolas nomeados pela tutela, número residual de professores do quadro e a maioria dos docentes com um vínculo precário e a não passar de um patamar salarial inferior ao início da carreira. Se é isto que os governantes, os actuais e os prováveis sucessores, conseguem imaginar, é caso para dizer que não nos sabemos mesmo governar e deslocalizámos mais uma vez a poesia e a utopia.

 

Ps: no final da primeira década do milénio, e derivado da crise financeira, o governo tentou animar a economia com um programa financeiramente desastroso de requalificação das escolas secundárias. Teme-se que 20 anos depois, essas escolas continuem a acumular dívidas avultadas para garantir a manutenção de edifícios construídos com parcas condições de durabilidade e com elevados custos de climatização.

10 comentários

Comentar post