Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

ler e reter

14.02.08





(foto de Robert Frost,
o poeta americano que escreveu
e leu (a intensidade do brilho solar impediu-o
de ler o poema escolhido) um poema na cerimónia
de tomada de posse do John F. Kennedy.
Se o meu caro leitor estiver para isso,
encontra por aqui um belo poema
de Robert Frost intitulado de
"vidoeiros")



Eis que se aproximam momentos relevantes para a história deste nosso mundo: a eleição do próximo presidente dos Estados Unidos da América.

O processo de escolha dos candidatos vai fazendo o seu caminho. A esperança na mudança reside nas candidaturas do partido democrático. São demasiadas e bem fundadas as críticas  sobre as políticas da actual administração. Paul Robin Krugman é uma das pessoas que faz referências críticas sistemáticas que fogem ao importante, e cruel, tema da guerra. É economista, professor na Universidade de Princeton, tem vários livros publicados e escreve uma coluna bissemanal no The New York Times.

Crítico da "Nova Economia", designação que surgiu no dobrar do milénio, para narrar a transição de uma economia de predominância industrial para uma economia baseada no conhecimento e nos serviços, em resultado do avanço tecnológico e da globalização económica.

Com a crise do liberalismo selvagem em que vivemos associado ao bloqueamento proporcionado às chamadas políticas sociais, espera-se da nova administração americana a capacidade de reinventar o sonho e a poesia e de renovar a esperança. Com uma árdua caminhada pela frente, quem quer que venha a obter o privilégio, e a oportunidade, de fazer história, deve considerar atentamente o seguinte diagnóstico de Krugman:

«Para compreender o aumento da desigualdade social nos EUA não podemos deixar de considerar o papel das políticas prosseguidas por sucessivas administrações americanas desde o final da década de 1970, que incluem:
o ataque ao movimento sindical, que reduziu o poder de negociação dos trabalhadores;
os cortes radicais nos impostos sobre os rendimentos;
as restrições políticas e sociais à acção das administrações de empresas privadas (nomeadamente, na distribuição de dividendos);
o ataque à segurança social pública.
Estas e outras medidas foram promovidas por políticos cuja principal preocupação consistiu em satisfazer os desejos dos interesses milionários que lhes pagaram as campanhas.»




Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.