Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

já cansa

16.10.10

 

 

 

medidas nestes cortes apressados que me deixam perplexo. Foi preciso chegar a este estado depauperado das contas comuns para se começar a fundir ou extinguir serviços que não têm qualquer utilidade. Foi preciso chegar a este estado para se concluir que em plena crise financeira o governo reduziu impostos e aumentou salários para tentar recuperar votozinhos. Foi preciso chegar à pré-bancarrota para cortar mordomias que nos deviam envergonhar. Qual foi, de facto, a epifania que nos escapou e que trespassou pelas cabeças da estratosfera? Ou será que foi uma espécie do que Joseph Stiglitz relata aqui?

 

Andou-se a esbanjar dinheiro público numa lógica que deve ser de índole criminal. Apetece-me perguntar: como é que o senhor ministro das finanças tem dormido nas outras noites todas? O que tem este senhor ministro a dizer das referências que fez aos amendoins quando lhe perguntavam pela extinção dos governos civis ou pelo excesso de autarquias? E como foi capaz de omitir o que se passava com as parcerias público-privado? Não me comovo. Há uma dimensão internacional nesta crise que não se pode negar. Mas existe uma componente interna indesculpável e que inclui todos os que governaram nos últimos vinte anos.

1 comentário

Comentar post