Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

goldman sachs

21.04.10

 



 

Pois é: o Goldman Sachs, um dos maiores bancos de investimento do planeta, parece estar no centro da tormenta que pode arrastar a Grécia e outros países da Europa para uma desassossegada falência financeira. Dá ideia que a famosa instituição norte-americana se transformou num polvo que suga tudo o que tenha um smell endinheirado através de produtos de alto risco - há quem os classifique como fraudulentos -. Os especialistas consideram os desenhos financeiros do Goldman Sachs de tal modo complexos - propositadamente complicados (aonde é que já vimos uma coisa semelhante?) - que a sua fiscalização é uma tarefa ciclópica.

 

Tudo isto para chegar à situação portuguesa. O mundo financeiro é também um jogo especulativo e Portugal parece ter sido o próximo escolhido para a febre lucrativa dos empréstimos sobre empréstimos com os juros sempre a subir. Em poucas horas pode ganhar-se somas astronómicas. O Goldman Sachs está no centro desse jogo, ao que tudo indica.

 

Dizem alguns números que a dívida dos nosso privados, e de algumas empresas públicas, já duplica a do sector público. Nada que não se suspeitasse. Madoff tinha ramificações por aqui. Todo o mundo o sabe. O BPP, o BPN, o BCP e mais uns quantos sugaram a capacidade de endividamento do país e puseram-nos a jeito. Apenas o BPP faliu. Se os outros tivessem o mesmo destino - o estado segurou-os - a nossa economia podia cair como um castelo de cartas. Essa é que é a verdade. Até dinheiro das pensões da segurança social foi derretido no negócio do remuneramento de alto risco.

 

A única coisa que exigimos é que resolvam lá a coisa o melhor que conseguirem mas que deixem de usar os salários dos professores, e dos restantes funcionários públicos, como alibi para tanto desvario financeiro.

2 comentários

Comentar post