Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

Correntes

da pedagogia e em busca do pensamento livre

os professores estão muito longe de desistir

04.01.10

 

 

 

 

 

Foi daqui

 

 

 

... e recorrem à Assembleia da República, afinal o local onde o bloco central ratificou um acordo para trinta dias mas que já se esfumou.

 

 

Fenprof admite recorrer ao Parlamento já na 6.ª-feira

"Sindicatos apontam 5.ª-feira como prazo para acordo sobre carreiras e avaliação

O líder da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) admitiu ontem ao DN a possibilidade de avançar já na sexta-feira para a Assembleia da República. Isto caso não se chegue a um princípio de acordo sobre a avaliação e a carreira docente na reunião que terá lugar na véspera, no Ministério da Educação

"Se a reunião é quinta, não havendo acordo é natural que já na sexta-feira estejamos em condições de recorrer à Comissão de Educação", disse Mário Nogueira, acrescentando que uma primeira abordagem à Assembleia da República consistirá "na entrega de um dossiê com as propostas do Ministério e as contrapropostas dos sindicatos, para que os deputados compreendam o que separa as partes".

Neste momento, apesar dos pontos "onde poderá haver entendimento e outros em que deverão haver negociações posteriores", há um aspecto crucial a afastar as partes do acordo: a garantia de que os professores com avaliação de "bom" vão conseguir chegar ao topo da carreira.

E, se a ministra Isabel Alçada já avisou que nem todos terão essa garantia, os sindicatos também insistem que não há "qualquer hipótese de acordo" sem que a tutela aceite essa condição. De resto, dizem, nem valerá a pena continuar a procurar "pontos intermédios" de consenso.

"O Ministério sabe qual é o mínimo que estamos dispostos a aceitar. E na quinta-feira terá de dizer qual é o máximo que está disposto a atingir", disse Nogueira, explicando que o mínimo para os professores será a garantia de que os professores "bons" atingem o topo até "aos 36 anos de carreira", quatro anos antes da reforma.(...)"

 

 

 

2 comentários

Comentar post