Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

13 magníficos

18.11.09

 

 

Foi daqui. 

 

 

Recebi um email da colega Ana Lima do blogue "O vento que passa". Pede-me a Ana que vá ler a "carta aberta" que publicou, aqui, em que faz uma crítica aos treze colegas, em que me incluí, que assinaram uma moção como uma declaração pública de não entrega da ficha de auto-avaliação. Já reparei que o assunto tem provocado alguma polémica na blogosfera. 

Uns dias após a publicação do manifesto, escrevi um texto que fui buscar e que colo de seguida. Tenho todo o respeito pela Ana Lima, mas nada mais tenho a acrescentar sobre o assunto.

 

 

"Subscrevi um pequeno texto (contra a avaliação de docentes enquanto mistificação) que tem gerado alguma polémica no seio da justa luta dos professores. A sua primeira publicação ocorreu na edição impressa do jornal público do dia 13 de Junho de 2009. Seguiu-se a divulgação pelos diversos blogues de professores e retive-me numa leitura atenta dos diversos comentários. Mantive uma silente contenção e esperei que a poeira assentasse um pouco. Já se sabe que neste tempo de turbilhão informativo e de vórtice inaudito as partículas granulosas não teimam em regressar ao sossego; e o meu cérebro exige-me disciplina.

 

Talvez nem perca muito com esta decisão. Se for penalizado é algo que só a mim me diz respeito. De pouco me vale invocar os valores monetários que fui desperdiçando ao longo da vida em nome da coerência de ideias ou de atitudes. Os que me conhecem sabem que sou tolerante e diplomata, mas que também me regulo por uma firme e determinada exigência individual com total respeito pelas posições dos que convivem comigo. Não adiantaria invocar, ainda, outros momentos da minha vida onde algo de semelhante aconteceu; e nem sempre venci.

(...) Subscrevi o texto em causa por solidariedade com quem o fazia, com a intenção de o fazer quase sempre às causas e aos amigos e para reafirmar a coerência em não participar na mistificação em que se inscreve o actual modelo de avaliação. Transmiti isto aos meus colegas assinantes. 

 

Sei que posso parecer exorbitante com isto que estou a escrever. Mas é assim. E nada mais acrescentarei no domínio das minhas circunstâncias individuais. Nem herói nem mártir como sempre fiz questão de afirmar.

 

Tenho, naturalmente, muito mais palavras para escrever sobre a auto-avaliação em termos técnicos, políticos e jurídicos. Darei conta de tudo isso quando os meus critérios julgarem oportuno."

 

Adenda às 23.55: informam-me que a Ana Lima retirou o post.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.