Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correntes

em busca do pensamento livre

Correntes

em busca do pensamento livre

não suspender sem mais

07.11.09

 

 

Foi daqui. 

 

 

 

Não suspender o modelo de avaliação sem alternativa já é um avanço, realmente; é óbvio que quem faz estas afirmações reconhece a falência do modelo, mas mantém os tiques da teimosia e da mais profunda demagogia: 49.000 professores já avaliados. Quem conhece o que se passou não deixa de sorrir com toda esta encenação. E fica a questão: como é que um conjunto de indicadores de avaliação imensuráveis na sua quase totalidade, consegue transformar-se numa prioridade nacional?

 

Conhecemos as respostas e os professores só se podem sentir orgulhosos: há três anos atrás partiram isolados para esta luta e, contra tudo e contra todos, deram uma lição de democracia e de espírito cívico.

 

 

Sócrates “de acordo” com Portas na avaliação dos professores

 

"O primeiro-ministro defende que “só suspender o modelo de avaliação” dos professores “seria uma irresponsabilidade”. “Como é que se vai explicar aos que tiveram bom e excelente para que tudo vai voltar para trás?”, interrogou-se José Sócrates, durante o debate do Programa de Governo, em resposta ao líder do CDS-PP, Paulo Portas, que desafiou o primeiro-ministro a pronunciar-se sobre as linhas gerais do modelo defendido pelos centristas.

“Anotei que não quer a suspensão sem mais. Estou muito de acordo com isso. Só suspender seria uma irresponsabilidade”, disse Sócrates. “A melhor solução é todos reflectirem como é que se pode melhorar a avaliação”, acrescentou, rejeitando “deitar ao lixo o que foi feito só porque alguns querem fazer um ajuste de contas político”."

 

4 comentários

  • Absolutamente de acordo. Jogar um jogo em que as regras mudam a meio tem qualquer coisa de esquizófrenia.

    Irresponsabilidade é escolher gente desta para nos (des)governar.
  • Sem imagem de perfil

    Maria Simas.

    07.11.09

    Tem-me admirado a submissão das pessoas às alterações na idade das reformas. Estou absolutamente de acordo, também.
  • Realmente, o que se passa, é que através das simulações da CGA, de um ano para o outro as diferenças parecem pequenas.
    Acho que a CGA, tem indicações para não informar devidamente os utentes. Quando lá fui (e tinha uma contagem de tempo de serviço fornecida pela CGA) remeterem-me para o simulador. Estou, no entanto, convicto que as simulações NÃO correspondem exactamente à realidade- por defeito.

    Não tenho qualquer tipo de dúvida que a Tutela e a CGA estão a agir de má fé.

    Já se instalou neste consulado proto-fascista a calúnia contra os trabalhadores (todos) da F.P.

    Mas parece que o esbulho final virá depois de 2013. E no Centrão as ideias não são muito diferentes...
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.