Em busca do pensamento livre.
Sexta-feira, 27 de Abril de 2007
relogio.jpg

(a intemporalidade das reedições)

Sopram correntes nesta península, agitam-se as almas de quem luta contra ventos e marés. Humanidades que adormecem, gente que se habituou a apenas querer dar sentido à navegação quando os mares e os sopros se apresentam de feição. Soam-me vozes que reconhecem este género no mais recôndito dos lugares.

Está uma tarde intrigante, timidamente ensolarada mas preenchida por um vento que sopra com um jeito desastrado. Ora se acalma e nos proporciona um silêncio acomodativo, ora se exalta e nos desperta para sons que constróem melodias singulares. São rajadas que duram a efemeridade de uns curtos cinco segundos. Não é que eu esteja de relógio em punho a medir o tempo de duração das zangas do vento.

Escolhi o número cinco para ajeitar os meus escritos, pois é sabida a habilidade humana em escolher os números do tempo para satisfazer a justeza dos seus argumentos. O tempo humano corre sempre como um vento constante e forte. Só damos nota dessa dura realidade quando as correntes nos empurram para a margem de um qualquer precipício. E de nada vale mudarmos a posição dos nossos ponteiros. A verdade do tempo verdadeiro é insensível às graças e às desgraças. É, ao que jugo saber, imutável.

Caro leitor, não esgote a sua paciência que eu prometo ir já de seguida ao que interessa nesta crónica. Quando iniciei estes escritos, tinha em mente resolver o imbróglio criado por um tema, profundo e determinante, do sistema escolar em Portugal: os cinco minutos. Não se ria por que não temos muito tempo para isso, a coisa é séria. Não é que para prolongarem a duração das aulas escolares, que se asfixiavam em períodos consecutivos de horas lectivas de 50 minutos – isto parece ligeiramente complicado, mas lamento, não tenho talento para o detalhar de um modo mais poético e erudito – decidiram que as ditas horas passaram a ter 45 minutos somados de outros tantos sem intervalo. 45 mais 45 somam 90 minutos, supostamente dedicados ao que de melhor os humanos têm para dar.

Mas como o leitor reparou, mesmo os mais desatentos, existe aqui uma equação temporal por resolver: em cada hora lectiva passam a sobrar cinco minutos. Pode parecer um exagero, mas tenho para mim, que se um professor de um qualquer século do milénio passado aqui regressasse, era mesmo a única charada escolar que teria que resolver. Eu sei que teria que lidar com competências ou mesmo com objectivos e outros que tais, mas eu estou a falar do tempo de uma hora lectiva e do que lá dentro deve acontecer.

Para não dificultar ainda mais a compreensão desta minha prosa recheada de conhecimentos matemáticos, vou plagiar um desses sistemas e iluminar de forma clara o cerne da questão.

Se considerarmos que os que decidem sobre estas coisas, também são ou foram professores, espera-se que dediquem a substância da sua acção aos ventos que nos enchem a sabedoria. A menos que, e na falta de melhor, o conteúdo das suas preocupações os remeta para o paradigma dos paradigmas: vamos regulamentar os cinco minutos.





publicado por paulo prudêncio às 19:40 | link do post | comentar | partilhar

Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Até pode ser uma explicação: anos a fio na "selva"...
Até pode ser uma explicação: anos a fio na "selva"...
Uma descida grave.
Também de Singapura vêm outras boas iniciativas:ht...
Também aqui se realça Singapura por boas razões:ht...
tempos que têm os ingredientes para os 'trumps'/'b...
Não conhecia essa situação.
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

bartoon

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676