Em busca do pensamento livre.
Domingo, 8 de Junho de 2008
ultimaceia.jpeg

 

Caminhávamos nos primeiros dias de mais uma primavera. Era o último Abril do século vinte. Dei comigo mergulhado numa teia de contradições. Tinha passado a semana anterior a conduzir ou a participar num sem número de reuniões. Sempre que a oportunidade me abria as portas, apelava a Italo Calvino e às suas seis propostas para o próximo milénio. Aludia, com todas as minhas forças retóricas, e com uma pretensa eloquência, à primeira delas: a leveza.
 
Mas chegávamos a uma, mais do que planeada, terça-feira.

Era o dia da realização de uma reunião, onde ficaria decidido o futuro percurso escolar de uma criança com necessidades educativas especiais profundas. Nunca a tinha visto sequer, nem nunca a encontrei fisicamente. Omito-vos o nome. Mas levava a lição bem estudada. A escola, que eu iria representar, não tinha condições para a receber. Os argumentos eram perfeitamente aceitáveis. Mas sem saber porquê, sentia que carregava um peso enorme. Aquele complexo de culpa tão cristão. Não peques, não mintas, não isto, não aquilo e eu, ateu convicto, vacilava.

Enchi-me de coragem.

Conhecia bem a minha escola, uma básica integrada com o ensino do 1º ao 9º ano de escolaridade, e sabia das dificuldades. Dirigi-me a uma escola de educação pré-escolar. Era perto e não demorei a dar com o sítio. Sim, digo sítio, porque aquilo era só isso. Fui dos primeiros a chegar. Receberam-me num “hall” exíguo e dei de frente com a casa de banho.

A educadora, pessoa excelente, traçou-me o quadro. A aluna não controlava as mais intimas das necessidades corporais. Davam-lhe banho no lavatório e com água fria. Valia, por agora, o sorriso da primavera. Entrei na única sala. Ao centro um “puzzle” de mesas. As cadeiras deixavam-nos quase no chão e com as pernas saturadamente dobradas. Esperei.

Entraram todos. Éramos DOZE. Representávamos as diversas instituições. Professores, psicólogos, assistentes sociais e professores especializados em apoios educativos. A Mãe era a décima terceira. Era a encarregada de educação da aluna. Diz-me a experiência, que, por estes lados e nestas ocasiões, o lado feminino é que vai sempre à luta. Por ironia do destino ficou sentada na cadeira mais alta. A única de adulto. Tinha, no semblante, um espantoso e surpreendente ar de esperança e de tranquilidade. O lado menos masculino de anunciar a boa nova?
 
A educadora abriu as hostilidades. Falou de tudo o que era feito. Com uma transparência digna de quem lida, diariamente, com as dificuldades mais prementes da escolaridade em Portugal. Dizia-o do modo mais alegre e natural que se possa imaginar. No entanto, tinha chegado o ponto final. A aluna tinha que partir. Para onde? Fez-se um estranho silêncio. Seguiu-se um erudito debate sobre a utopia da escola pública inclusiva. Teceram-se os mais elaborados raciocínios à volta da ausência de recursos especializados. Não restavam dúvidas, a verdade entrava-nos pelos olhos dentro. O semblante da mãe não sofria a mínima alteração. Sorria de quando em vez. Anuía a todos os argumentos. Parecia esperar pelo veredicto com uma determinação fora do comum. Só queria um lugar para a sua filha. Conseguiu-se, com cerca de uma hora de reunião, encontrar um caminho. O Centro de Educação Especial Rainha D. Leonor que apesar de todas as dificuldades em que vivia por obra do seu decretado esvaziamento, seria a próxima etapa. Olhei, com toda a minha capacidade de perscrutar o outro, para a Mãe. Ela sorriu e eu agradeci-lhe sem sair de mim. Restabeleceu-me a leveza.
 
(Este texto não é inédito. Foi publicado, em 1999, na revista do Centro de Educação Especial Rainha D. Leonor, em Caldas da Rainha).


publicado por paulo prudêncio às 09:36 | link do post | comentar | partilhar

2 comentários:
De pirueta a 6 de Agosto de 2006 às 01:59
por mais coisas que se escrevam sobre a educação inclusiva, estamos muito além de conseguir fazer o que defendemos ser. Mas são valores como os descritos nessas linhas e que começam com a sincera humildade, passando pela vontade da verdade e terminando no apropriado título dado ao teu texto, que a pouco e pouco, tão poucochinho mas tão marcante para quem sente na pele a(s) mudança(s), a diferença se destaca. Diferença no respeito pelos outros, na escola, na vida...Parabéns!


De anónimo a 7 de Agosto de 2006 às 22:39
Obrigado. Um abraço do Paulo Prudêncio.


comentar post

Inauguração do blogue
25 de Abril de 2004
Autor:
Paulo Guilherme Trilho Prudêncio
Discordâncias:
Mais até por uma questão estética, este blogue discorda ortograficamente
arquivo
comentários recentes
Muito bom.
https://blog-da-anal.blogspot.com/
Depois há coisas destas...https://www.blogger.com/...
É um tema que exige muitos caracteres. Darei a min...
Ora nem mais. Mas refiro-me apenas à audição de pr...
subscrever feeds
mais sobre mim
Por precaução
https://www.createspace.com/5386516
ligações
blog participante - Educaá∆o - correntes .jpg
tags

antero

avaliação do desempenho

bancarrota

bartoon

blogues

campanhas eleitorais

cartoon

circunstâncias pessoais

concursos de professores

contributos

corrupção

crise da democracia

crise da europa

crise financeira

desenhos

direitos

economia

educação

escolas em luta

estatuto da carreira

falta de pachorra

filosofia

fotografia

gestão escolar

história

humor

ideias

literatura

luís afonso

movimentos independentes

música

paulo guinote

política

política educativa

professores contratados

público-privado

queda de crato

rede escolar

ultraliberais

vídeos

todas as tags

favoritos

bloco da precaução

pensar o sistema escolar ...

escolas sem oxigénio

e lembrei-me de kafka

as minhas calças brancas ...

as minhas calças brancas ...

reformas e remédios (1) -...

sua excelência e os númer...

posts mais comentados
Razões de uma candidatura
https://www.createspace.com/5387676